Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Empresários sugerem que governos latino-americanos se unam contra efeitos da crise econômica mundial 10/10/2011

Brasília – O Brasil e os demais países da América Latina podem ser protegidos dos impactos da crise econômica, segundo empresários. O presidente do grupo brasileiro do Conselho de Empresários da América Latina (Ceal), Ingo Plöger, disse à Agência Brasil que o ideal é que os ministros da Fazenda da região, que se reunirão antes da Cúpula do G20 (grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo), na França, busquem parcerias com acordos cambiais e de livre comércio.

“Nós temos uma avaliação positiva e com boas perspectivas, apesar de a crise afetar alguns Estados [países] da Europa, os Estados Unidos e o Japão”, disse Plöger. Segundo ele, o crescimento econômico na América Latina deve ficar entre 3% e 4% - percentuais acima da média mundial, que deve ficar entre 2% e 3%.

Plöger ressaltou que a crise econômica mundial tem características muito próprias, diferentes das anteriores. “Na verdade, não é uma crise da economia real, mas de Estados que estão em crise e com bancos quebrando. No Brasil e em outros países latino-americanos há um endividamento baixo e bancos fortes”, acrescentou.

Em sua recente viagem à Europa, a presidenta Dilma Rousseff defendeu que os ministros da Fazenda da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) discutam a questão da crise e levem uma proposta única para a Cúpula do G20, em Cannes, na França, nos dias 3 e 4 de novembro. Plöger disse que a recomendação da presidenta conta com o apoio dos empresários.

Para o Ceal, o ideal é que os governos latino-americanos intensifiquem as parcerias regionais, incluindo a adoção de bitributação própria e aumentando a integração entre os países. Segundo ele, atualmente os latino-americanos têm mais acordos “audaciosos” com os Estados Unidos, a Europa e alguns países asiáticos do que internamente.

Plöger disse ainda que é fundamental atrelar o câmbio às moedas de referência – o euro, o dólar ou o yuan (da China) – e também cobrar dos Estados Unidos o fim das subvenções aos produtos agrícolas. Segundo ele, o momento ideal para negociar esses aspectos é agora. “Existem ajustes internacionais que devem ser feitos imediatamente e a Unasul pode fazer isso”, lembrou. (da Agência Brail, Renata Giraldi)



Últimas

2020/10/30 » Ministra da Agricultura diz que nova safra pode reduzir preço do arroz
2020/10/30 » CNI diz que setores mais otimistas são os de borracha e metalurgia
2020/10/30 » Criação de empregos em setembro atinge melhor nível em dez anos
2020/10/29 » Emprego na construção é o maior para setembro nos últimos oito anos
2020/10/29 » Representantes do setor da indústria aprovam decisão do Copom
2020/10/29 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2020/10/29 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2020/10/28 » Apoio emergencial do BNDES a empresas na pandemia alcança R$ 105 bi
2020/10/28 » Programa para ampliar produtividade das empresas é retomado
2020/10/28 » Confiança da construção cresce 3,7 pontos em outubro, diz FGV
2020/10/27 » Guedes diz que acordos políticos dificultam privatizações
2020/10/27 » CMN aprova regulação simplificada para projetos inovadores
2020/10/27 » Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 2,99%
2020/10/26 » Contas externas têm em setembro sexto mês seguido de saldo positivo
2020/10/26 » Petrobras inicia venda de campos terrestres em Sergipe
2020/10/26 » Banco Central registra recorde de remessas de dólares para o Brasil
2020/10/23 » Ministério da Infraestrutura entregará planos de logística até 2050
2020/10/23 » OMS: risco de pegar covid-19 em aviões é "muito baixo", mas não zero
2020/10/23 » Cresce pauta sobre home office nas negociações trabalhistas
2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos

Ver mais »