Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Rodada Doha frustra e decepciona negociadores, diz subsecretário 10/10/2011

Brasília - O subsecretário-geral de Assuntos Econômicos e Financeiros do Ministério das Relações Exteriores, Valdemar Carneiro Leão, reconheceu hoje (10) que este ano será encerrado sem acordos na Rodada Doha. Segundo ele, a sensação de frustração e decepção é generalizada. O embaixador lembrou que foram dez anos de tentativas de negociações que registram avanços mínimos.

 

“Não é segredo para ninguém que depois de dez anos [da Rodada] Doha não conseguimos avanço algum. Não há, portanto, segredo. Mais um ano se passou e este ano vai acabar sem resultados concretos”, disse Carneiro Leão.

 

Para o embaixador, um dos fatores que dificultaram as negociações de Doha foi a crise econômica internacional. Carneiro Leão lembrou que a crise gera desemprego e aumento das pressões protecionistas e mais contenção. No entanto, nos dias 16 e 17 de dezembro, em Genebra, haverá a última reunião do ano referente à Rodada Doha. Embaixador Roberto Carvalho de Azevêdo, representante do Brasil na Organização Mundial do Comércio (OMC), acrescentou que a questão do câmbio será abordada nessa reunião, na Suíça.

 

“O problema está na pauta, não adianta querer varrer para de baixo do tapete, seja qual for o resultado dessa discussão”, disse Azevêdo. “[Mas qualquer] decisão será decidida por consenso. Não é uma tarefa que ocorra da noite para o dia. Sempre que houver a evolução do sistema, haverá uma discussão sobre o problema.”

 

Os principais impasses envolvendo as negociações entre países em desenvolvimento e os desenvolvidos cercam os setores de agricultura, facilitação de comércio, serviços e manufaturados. A busca por consenso é o principal desafio dos negociadores. Os norte-americanos, por exemplo, cobram acordos mais ambiciosos na área de serviços e maior acesso ao mercado de produtos industriais dos países emergentes.

 

No entanto, os países em desenvolvimento exigem mais vantagens como garantias para seus produtos nas economias desenvolvidas. Os negociadores do Brasil, da Índia, da China e da África do Sul estão no grupo dos emergentes que lideram as negociações. (da Agência Brasil, Renata Giraldi)



Últimas

2020/12/03 » Concessões de aeroportos, rodovias, portos e ferrovias entram no PPI
2020/12/03 » PPI tem 115 ativos para leilões e projetos de concessão em 2021
2020/12/03 » Venda de veículos automotores aumenta 0,45% de outubro para novembro
2020/12/03 » Produção industrial cresceu 1,1% em outubro, diz IBGE
2020/12/02 » CNI: produtividade do trabalho na indústria cresce 8% no 3º trimestre
2020/12/02 » Balança comercial registra superávit de US$ 3,73 bi em novembro
2020/12/02 » CNA prevê aumento da produção do agronegócio no próximo ano
2020/12/02 » População desocupada atinge 13,76 milhões em outubro
2020/12/01 » Ipea: investimentos têm alta de 3,5% em setembro
2020/12/01 » Contas públicas registram saldo positivo após oito meses de déficit
2020/12/01 » Estimativa do mercado financeiro para a inflação sobe para 3,54%
2020/11/30 » ANP retoma a 17ª Rodada de Licitações
2020/11/30 » Corretoras poderão atuar com pagamentos de boletos a partir de janeiro
2020/11/30 » Confiança da indústria atinge maior valor em dez anos, diz FGV
2020/11/30 » Fiscalização do Procon-SP registra infração em 70% de lojas visitadas
2020/11/30 » Taxa de desemprego passa de 13,3% para 14,6% no terceiro trimestre
2020/11/30 » Inflação do aluguel sobe e acumula 24,52% em 12 meses
2020/11/27 » Volta de cobrança do IOF sobre crédito renderá cerca de R$ 2 bi
2020/11/27 » Indústrias do Mercosul e da UE pedem urgência para acordo comercial
2020/11/27 » Indústria paulista mantém expansão no ano apesar de queda em outubro

Ver mais »