Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
DRU contribui para novas reduções da taxa básica de juros, diz Nelson Barbosa 11/10/2011

Brasília - O secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, disse hoje (11) que a Desvinculação de Receitas da União (DRU) é um instrumento que contribui para que novas reduções da taxa básica de juros (Selic) ocorram. A DRU permite ao governo definir livremente a destinação de 20% do Orçamento. Segundo Nelson Barbosa, a DRU é parte de uma estratégia mais geral de política econômica que permite ao governo alcançar avanços essenciais.

“Nós também partilhamos da preocupação da dívida com a taxa de juros”, disse hoje (11), durante audiência pública na Câmara dos Deputados para embasar as discussões sobre a prorrogação da DRU até o final de 2015. “A dívida líquida já caiu de 60% para 38% do Produto Interno Bruto [PIB], e deve cair mais ainda, para 37%, até o final do ano", destacou. De acordo com ele, a dívida brasileira é menor do que a dos Estados Unidos e de boa parte dos países europeus.

“A taxa real de juros caiu de 16% [em 2003] para 6% e, hoje, está abaixo de 5%”, acrescentou ele, que ocupa interinamente o posto de ministro da Fazenda, enquanto Guido Mantega participa de uma reunião de ministros do G20, na Europa. “Isso é fruto da política que estamos fazendo”, completou Nelson Barbosa.

Segundo o ministro interino, o equilíbrio fiscal é condição necessária para o crescimento e o desenvolvimento com distribuição de renda. “No contexto atual, o equilíbrio fiscal é importante para continuar reduzindo a taxa real de juros, que atualmente está em 4,67% ao ano.”

De acordo com Barbosa, a manutenção da política de aperto fiscal permitirá ao Banco Central manter a trajetória de redução da taxa básica de juros. “Para sustentar esse aperto, a prorrogação da DRU é vital. Estamos diante de uma possibilidade de redução das taxas de juros”, destacou. O ministro interino reiterou que o desafio atual do governo é alongar o prazo da dívida e reduzir o total de indexadores que a constituem. (da Agência Brasil, Pedro Peduzzi)



Últimas

2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos
2020/10/22 » Opas: América Latina não deve relaxar enfrentamento à pandemia
2020/10/22 » Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020
2020/10/21 » Setor mineral brasileiro tem resultado positivo no 3º trimestre
2020/10/21 » Decreto inclui Linha 2 do metrô de BH em programa de privatizações
2020/10/21 » Não investir no Brasil será um grande erro, afirma ministro
2020/10/21 » Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em 12 meses
2020/10/20 » Pacote comercial abre caminho para acordo mais amplo, diz governo
2020/10/20 » SP:acordo da ANTT permite investimento de R$ 6 bi em malha ferroviária
2020/10/20 » Como fazer a amortização do FGTS pelo celular
2020/10/19 » Comércio eletrônico e delivery aumentam consumo de embalagens
2020/10/19 » Doria apresenta plano de retomada econômica de São Paulo
2020/10/19 » Produção brasileira de aço cresce 7,5% em setembro
2020/10/16 » Indicador antecedente da economia brasileira cresce 1,2% em setembro
2020/10/16 » Atividade econômica tem alta de 1,06% em agosto, diz Banco Central
2020/10/16 » Rebanho bovino cresce em 2019, influenciado pelo cenário externo
2020/10/15 » Produção de motocicletas aumenta 13,1% em setembro
2020/10/15 » Ministério entrega à Presidência projeto de privatização dos Correios
2020/10/15 » Programa de suspensão de contrato e redução de jornada é prorrogado
2020/10/14 » Guedes defende reformas e rigor fiscal pós-pandemia a comitê do FMI

Ver mais »