Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Inflação medida pelo IPC-S é a menor desde a segunda prévia de agosto 24/10/2011

São Paulo - O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), medido pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), atingiu 0,31% na terceira prévia de outubro. Essa taxa é 0,08 ponto percentual inferior à do último levantamento (0,39%) e é a menor desde a segunda prévia de agosto, quando o índice ficou em 0,17%.

Dos sete grupos pesquisados, alimentação foi o mais contribuiu para o resultado, com alta de apenas 0,03% ante 0,17%. Os principais decréscimos foram constatados nos seguintes itens: panificados e biscoitos (de 0,77% para 0,21%); adoçantes (de 2,05% para 0,60%) e laticínios (de 1,44% para 0,98%).

No grupo transportes, houve deflação (-0,02%) ante 0,13%, com a queda do preço da gasolina (-0,19%). Em habitação, a variação atingiu 0,64% ante 0,70%, sob o efeito da taxa de água e esgoto residencial (de 2,71% para 1,95%). No grupo despesas pessoais, o IPC-S ficou em 0,26% ante 0,35%, com destaque para a ração animal (de 2,82% para 2,22%).

Em saúde e cuidados pessoais, a taxa passou de 0,44% para 0,41%. O principal segmento que influenciou esse resultado foi serviços de cuidados pessoais (de 0,74% para 0,38%). No grupo vestuário, ocorreu leve decréscimo e a taxa ficou em 0,81% ante 0,82%. Neste caso, entre os artigos cujos preços subiram com menor intensidade estão os calçados (de 0,87% para 0,42%).

Em sentido oposto, o grupo educação, leitura e recreação apresentou um avanço de 0,27% ante 0,14%. Os ingressos de shows musicais continuaram em queda (-1%), mas em ritmo menos acentuado do que na última pesquisa (-1,96%).

Os cinco itens que mais pressionaram a inflação foram: taxa de água e esgoto residencial (de 2,71% para 1,95%), condomínio residencial (de 1,31% para 1,49%), gás de cozinha (de 1,88% para 1,92%), plano e seguro-saúde (de 0,62% para 0,62%) e aluguel residencial (de 0,40% para 0,36%). (da Agência Brasil, Marli Moreira)



Últimas

2020/09/29 » CNI: confiança do empresário industrial cresce em todos os setores
2020/09/29 » Prazo de entrega da declaração do ITR acaba na quarta-feira
2020/09/29 » União libera R$ 5 bi para financiar MEI, micro e pequena empresa
2020/09/28 » Intenção de consumo das famílias volta a crescer após cinco quedas
2020/09/28 » Petrobras inicia venda de dois campos de petróleo de águas profundas
2020/09/28 » Governo economiza R$ 1 bilhão com trabalho remoto de servidores
2020/09/25 » Projeto do Senai vai qualificar trabalhadores para a indústria 4.0
2020/09/25 » Primeiro leilão de imóveis públicos do Rio será em outubro
2020/09/25 » CMN amplia limite de renda para microcrédito a empresas
2020/09/24 » Custos industriais caem 1,5% no segundo trimestre
2020/09/24 » Ministro da Economia diz que reforma deve ter tributos alternativos
2020/09/24 » Contas externas têm saldo positivo de US$ 3,7 bilhões
2020/09/23 » Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020
2020/09/23 » CNI: atividade industrial segue em recuperação com alta do emprego
2020/09/23 » Indicadores recentes sugerem recuperação parcial da economia, diz BC
2020/09/22 » Brasil terá cota adicional na exportação de açúcar aos EUA
2020/09/22 » Estudo brasileiro aponta que covid-19 pode causar danos cerebrais
2020/09/22 » Mercado financeiro reduz projeção de queda da economia para 5,05%
2020/09/21 » Turismo: metade das operadoras vende viagens para novembro e dezembro
2020/09/21 » Covid-19: maioria dos estados segue sem aulas presenciais

Ver mais »