Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Crise internacional não reduziu demanda por títulos da dívida brasileira, diz coordenador 25/10/2011

Brasília – O agravamento da crise econômica internacional não diminuiu a demanda pelos títulos da dívida brasileira, disse ontem (24) o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Fernando Garrido. Ao comentar o resultado da Dívida Pública Federal (DPF) de setembro, o coordenador declarou que as taxas de juros dos papéis federais estão em queda, o que, segundo ele, indica que a procura pelos papéis está aumentando.

Os juros dos títulos prefixados com vencimento em janeiro de 2014, que estavam em 11,16% no início de setembro, caíram para 11,10% no fim do mês passado e atingiram 10,91% em 20 de outubro. Esses papéis atualmente são os mais vendidos pelo Tesouro Nacional.

O coordenador, no entanto, admitiu que a queda dos juros não é totalmente provocada pela procura dos investidores. Isso porque a diminuição da taxa Selic – que indica os juros básicos da economia – também interfere nas taxas dos papéis prefixados, que têm os juros definidos no momento da emissão.

Desde o fim de agosto, o Banco Central (BC) reduziu a Selic em 1 ponto percentual. As taxas dos títulos prefixados, no entanto, caíram apenas 0,25 ponto percentual. Garrido nega que essa diferença se deva à crise econômica externa, que retarda a queda dos juros dos papéis brasileiros.

Para o coordenador, os compradores dos títulos públicos brasileiros estão mais preocupados com fatores domésticos, como a expectativa de inflação e dos juros futuros, do que com a evolução da economia internacional. “O mercado já previa a queda da Selic e havia passado a pedir taxas menores antes mesmo de o Banco Central agir”, disse Garrido.

Em setembro, a participação dos estrangeiros na dívida mobiliária (em títulos) interna caiu de 11,75% para 11,29%. Em valores absolutos, o montante da dívida interna detido pelos investidores internacionais passou de R$ 198,9 bilhões para R$ 194,6 biilhões, a primeira queda desde fevereiro. O coordenador negou que essa redução esteja relacionada à crise externa.

“Essa variação de R$ 4 bilhões não é algo expressivo, mas uma flutuação normal do mercado. A tendência, no médio e no longo prazo, é a elevação do volume de títulos nas mãos de estrangeiros e do percentual de participação”, declarou Garrido. (da Agência Barsil, Wellton Máximo)



Últimas

2020/09/25 » Projeto do Senai vai qualificar trabalhadores para a indústria 4.0
2020/09/25 » Primeiro leilão de imóveis públicos do Rio será em outubro
2020/09/25 » CMN amplia limite de renda para microcrédito a empresas
2020/09/24 » Custos industriais caem 1,5% no segundo trimestre
2020/09/24 » Ministro da Economia diz que reforma deve ter tributos alternativos
2020/09/24 » Contas externas têm saldo positivo de US$ 3,7 bilhões
2020/09/23 » Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020
2020/09/23 » CNI: atividade industrial segue em recuperação com alta do emprego
2020/09/23 » Indicadores recentes sugerem recuperação parcial da economia, diz BC
2020/09/22 » Brasil terá cota adicional na exportação de açúcar aos EUA
2020/09/22 » Estudo brasileiro aponta que covid-19 pode causar danos cerebrais
2020/09/22 » Mercado financeiro reduz projeção de queda da economia para 5,05%
2020/09/21 » Turismo: metade das operadoras vende viagens para novembro e dezembro
2020/09/21 » Covid-19: maioria dos estados segue sem aulas presenciais
2020/09/21 » O que é o Sistema S?
2020/09/18 » Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor
2020/09/18 » Confiança do empresário do comércio tem alta recorde em setembro
2020/09/18 » IBGE: desemprego na pandemia atinge maior patamar em agosto
2020/09/18 » CNI apresenta propostas para retomada da economia
2020/09/18 » Abertura de empresas cresce, enquanto fechamento recua em 8 meses

Ver mais »