Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Estudo da OCDE defende reformas para consolidar conquistas brasileiras na economia e nas políticas sociais 28/10/2011

Rio de Janeiro – A realização de reformas é fundamental para que o Brasil possa consolidar seus recentes sucessos na economia. A advertência consta de estudo da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), lançado hoje (28), na sede da Fundação Getulio Vargas (FGV) no Rio de Janeiro.

Apresentado por dois economistas da instituição, Anabelle Morougane e Jens Arnold, o estudo prevê que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro ficará abaixo de 4% ao longo dos próximos dois anos. Embora inferior às taxas de crescimento potencial de 4,5% ao ano, a projeção fica bem acima da média estimada para os países que fazem parte da organização.

“Políticas sólidas têm ajudado o Brasil a enfrentar a crise econômica global, mas o que é mais notável é o progresso sem precedentes em matéria de metas sociais, incluindo a redução da pobreza e das desigualdades”, diz no documento o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría. O estudo, publicado a cada um ano e meio, reflete o ponto de vista dos atuais 34 países membros do organismo, do qual o Brasil não faz parte.

O relatório aponta como desafio macroeconômico mais imediato para o Brasil controlar a inflação, situada atualmente acima do teto do intervalo de 2,5% a 6,5% fixado pelo país, “sem exercer tensões inflacionistas nas taxas cambiais”. Medidas como as que restringem a entrada de capitais de curto prazo são consideradas na pesquisa “compreensíveis, dadas as incertezas que enfrenta a economia global”.

Na visão da OCDE, são bem-vindos os cortes em gastos anunciados no início do ano, e o governo brasileiro deve continuar nesse rumo. O documento também defende a manutenção e mesmo a ampliação do programa de transferência de renda Bolsa Família.

Entre as medidas propostas, a OCDE cita a reforma do sistema previdenciário, a redução da carga fiscal, políticas voltadas para a redução das taxas de juros e prioridade nos gastos com infraestrutura.

Criada em 1961 e sediada em Paris, a OCDE reune países comprometidos com os princípios da democracia representativa e da economia de livre mercado. (da Agência Brasil, Paulo Virgílio)



Últimas

2020/01/24 » Déficit primário pode ser zerado até 2022, diz secretário
2020/01/24 » Arrecadação federal com impostos chega a R$ 1,537 trilhão em 2019
2020/01/24 » Confiança do empresário é a maior desde junho de 2010, diz CNI
2020/01/22 » CNC: intenção de consumo das famílias tem melhor janeiro desde 2015
2020/01/22 » Confiança da indústria cresce 1,1 ponto na prévia de janeiro
2020/01/22 » Brasil cria centro para indústria 4.0 no Fórum Econômico Mundial
2020/01/21 » Brasil passou para quarto destino de investimentos no mundo em 2019
2020/01/21 » Inflação dos aluguéis acumula taxa de 7,91% em 12 meses, diz FGV
2020/01/21 » Guedes conversa com ministros suíços e CEOs de empresas em Davos
2020/01/20 » Mercado financeiro reduz estimativa de inflação este ano para 3,56%
2020/01/20 » Agência Brasil explica: quem pode ser um microempreendedor individual?
2020/01/17 » Varejo de SP espera crescimento de 5% em vendas de materiais escolares
2020/01/17 » Confiança do empresário do comércio tem melhor janeiro desde 2013
2020/01/17 » Dólar fecha acima de R$ 4,19, no maior valor desde início de dezembro
2020/01/17 » Atividade econômica cresce 0,18%, diz Banco Central
2020/01/16 » Dataprev é incluída no Programa Nacional de Desestatização
2020/01/16 » Ipea: alíquota de novo imposto proposto em PECs deve ficar em 27%
2020/01/16 » Inflação pelo Índice Geral de Preços–10 cai de 1,69% para 1,07%
2020/01/15 » Governo quer vender R$ 150 bi em participações em empresas em 2020
2020/01/15 » Novo reajuste do mínimo pode ter impacto de R$ 2,13 bi no Orçamento

Ver mais »