Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Estudo da OCDE defende reformas para consolidar conquistas brasileiras na economia e nas políticas sociais 28/10/2011

Rio de Janeiro – A realização de reformas é fundamental para que o Brasil possa consolidar seus recentes sucessos na economia. A advertência consta de estudo da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), lançado hoje (28), na sede da Fundação Getulio Vargas (FGV) no Rio de Janeiro.

Apresentado por dois economistas da instituição, Anabelle Morougane e Jens Arnold, o estudo prevê que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro ficará abaixo de 4% ao longo dos próximos dois anos. Embora inferior às taxas de crescimento potencial de 4,5% ao ano, a projeção fica bem acima da média estimada para os países que fazem parte da organização.

“Políticas sólidas têm ajudado o Brasil a enfrentar a crise econômica global, mas o que é mais notável é o progresso sem precedentes em matéria de metas sociais, incluindo a redução da pobreza e das desigualdades”, diz no documento o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría. O estudo, publicado a cada um ano e meio, reflete o ponto de vista dos atuais 34 países membros do organismo, do qual o Brasil não faz parte.

O relatório aponta como desafio macroeconômico mais imediato para o Brasil controlar a inflação, situada atualmente acima do teto do intervalo de 2,5% a 6,5% fixado pelo país, “sem exercer tensões inflacionistas nas taxas cambiais”. Medidas como as que restringem a entrada de capitais de curto prazo são consideradas na pesquisa “compreensíveis, dadas as incertezas que enfrenta a economia global”.

Na visão da OCDE, são bem-vindos os cortes em gastos anunciados no início do ano, e o governo brasileiro deve continuar nesse rumo. O documento também defende a manutenção e mesmo a ampliação do programa de transferência de renda Bolsa Família.

Entre as medidas propostas, a OCDE cita a reforma do sistema previdenciário, a redução da carga fiscal, políticas voltadas para a redução das taxas de juros e prioridade nos gastos com infraestrutura.

Criada em 1961 e sediada em Paris, a OCDE reune países comprometidos com os princípios da democracia representativa e da economia de livre mercado. (da Agência Brasil, Paulo Virgílio)



Últimas

2021/01/26 » Micro e pequenas empresas têm até sexta-feira para aderir ao Simples
2021/01/26 » Queda na arrecadação foi “resultado excelente”, diz Guedes
2021/01/26 » Confaz divulga nova tabela de preços médios de combustíveis
2021/01/25 » Pendências com o Simples atingem quase dois terços das empresas
2021/01/25 » Cepal: exportações da América Latina e do Caribe caíram 13% em 2020
2021/01/25 » Brasileiros acreditam que inflação será de 5,2% nos próximos 12 meses
2021/01/25 » Como contribuir para o INSS por conta própria
2021/01/25 » Como contribuir para o INSS por conta própria
2021/01/22 » Emprego cresce na indústria em um movimento atípico para dezembro
2021/01/22 » Monitor do PIB aponta alta de 1,1% na atividade econômica em novembro
2021/01/22 » Pesquisa da Conab indica queda na produção nacional de café em 2021
2021/01/21 » Entidades consideram acertada manutenção da Selic em 2% ao ano
2021/01/21 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2021/01/21 » Governo federal lança sistema para simplificar a abertura de empresas
2021/01/20 » ANP regulamenta indicação de áreas para exploração de petróleo e gás
2021/01/20 » Bancos Inter, Itaú e Caixa lideram ranking de reclamações ao BC
2021/01/20 » Confiança do empresário do comércio cai 2,2% em janeiro, diz CNC
2021/01/19 » CNI: faturamento da indústria cai pela primeira vez em sete meses
2021/01/19 » Produção de aço caiu 4,9% em 2020, informa o Instituto Aço Brasil
2021/01/19 » Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central

Ver mais »