Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Diferença de preços de medicamentos atinge quase 1.000% em São Paulo, alerta Procon 31/10/2011

São Paulo - O consumidor precisa ficar atento na hora de comprar remédios, e, antes de ir a uma farmácia, deve fazer uma pesquisa de preços, alerta a Fundação Procon de São Paulo. O órgão detectou diferenças de preços que chegam a 951,69%, em cinco regiões da cidade de São Paulo.

A pesquisa foi feita no período de 28 a 30 de setembro e engloba 52 medicamentos vendidos em 15 estabelecimentos. O diclofenaco sódico (caixa com 20 comprimidos de 50 miligramas), por exemplo, era vendido por R$ 9,36 em uma drogaria. Em outro ponto de venda, custava R$ 0,89, uma diferença de R$ 8,47.

No caso do Propranolol Ayerst (cloridrato de propranolol), a maior diferença de preço encontrada é 520,83%. O valor máximo da caixa com 30 comprimidos de 40 miligramas atingiu R$ 7,45, e o mínimo, R$ 1,20, uma diferença de R$ 6,25.

A pesquisa constatou que os genéricos estavam 58,47% mais baratos do que os medicamentos de referência. Os técnicos alertam, no entanto, que mesmo entre os genéricos pode haver diferenças de preços. Por isso, recomendam que o consumidor consulte a lista de preços máximos dos medicamentos, disponível no site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). As drogarias e farmácias também são obrigadas a deixar ao alcance dos clientes uma lista de preços, como determina a Resolução nº 4 da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed), do dia 9 de março de 2011.

A Fundação Procon também orienta o consumidor a evitar comprar medicamentos sem bula e sem embalagem (caixa) e a verificar o prazo de validade antes de adquirir um remédio. Também é importante conferir se o número do lote, o prazo de validade e a data de fabricação constantes na caixa do medicamento são iguais aos marcados nas cartelas ou frascos.

O Procon lembra que o medicamento deve ser guardado em local seco, arejado e fora do alcance de crianças. Os pais e responsáveis devem ter cuidado especial com remédios de formato ou aroma atrativo às crianças. (da Agência Brasil, Marli Moreira)



Últimas

2020/01/24 » Déficit primário pode ser zerado até 2022, diz secretário
2020/01/24 » Arrecadação federal com impostos chega a R$ 1,537 trilhão em 2019
2020/01/24 » Confiança do empresário é a maior desde junho de 2010, diz CNI
2020/01/22 » CNC: intenção de consumo das famílias tem melhor janeiro desde 2015
2020/01/22 » Confiança da indústria cresce 1,1 ponto na prévia de janeiro
2020/01/22 » Brasil cria centro para indústria 4.0 no Fórum Econômico Mundial
2020/01/21 » Brasil passou para quarto destino de investimentos no mundo em 2019
2020/01/21 » Inflação dos aluguéis acumula taxa de 7,91% em 12 meses, diz FGV
2020/01/21 » Guedes conversa com ministros suíços e CEOs de empresas em Davos
2020/01/20 » Mercado financeiro reduz estimativa de inflação este ano para 3,56%
2020/01/20 » Agência Brasil explica: quem pode ser um microempreendedor individual?
2020/01/17 » Varejo de SP espera crescimento de 5% em vendas de materiais escolares
2020/01/17 » Confiança do empresário do comércio tem melhor janeiro desde 2013
2020/01/17 » Dólar fecha acima de R$ 4,19, no maior valor desde início de dezembro
2020/01/17 » Atividade econômica cresce 0,18%, diz Banco Central
2020/01/16 » Dataprev é incluída no Programa Nacional de Desestatização
2020/01/16 » Ipea: alíquota de novo imposto proposto em PECs deve ficar em 27%
2020/01/16 » Inflação pelo Índice Geral de Preços–10 cai de 1,69% para 1,07%
2020/01/15 » Governo quer vender R$ 150 bi em participações em empresas em 2020
2020/01/15 » Novo reajuste do mínimo pode ter impacto de R$ 2,13 bi no Orçamento

Ver mais »