Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Moderação do crédito e aumento da inadimplência em outubro foram influenciados por greve dos bancários, diz chefe do BC 23/11/2011

Brasília - A moderação no mercado de crédito, o aumento das taxas de juros e da inadimplência em outubro foram influenciados pela greve dos bancários, segundo o chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Tulio Maciel.

A taxa média de juros para pessoas físicas subiu 1,3 ponto percentual, para 47% ao ano, de setembro para outubro. Essa é a maior taxa desde maio de 2009, quando ficou em 47,3% ao ano. Já para as empresas, a taxa caiu 0,2 ponto percentual para 29,8% ao ano. A inadimplência, atrasos superiores a 90 dias, para as pessoas físicas subiu 0,1 ponto percentual para 7,1%. Para as empresas, a alta foi de 0,2 ponto percentual para 4% ao ano.

O saldo das operações de crédito do sistema financeiro chegou a R$ 1,946 trilhão, em outubro, alta de 0,8% em relação a setembro e de 18,4%, em 12 meses. Esse saldo representou 48,5% de tudo o que o país produz – Produto Interno Bruto (PIB), o mesmo resultado observado em setembro deste ano. Em outubro de 2010, essa relação estava em 45,6%.

Segundo Maciel, por conta da greve, as operações de crédito que são realizadas em agências bancárias, como crédito consignado, ficaram prejudicadas. Já as operações que envolvem crédito pré-aprovado e que normalmente tem taxas de juros mais altas apresentaram crescimento nas concessões, no período. No caso do crédito consignado, por exemplo, que tem juros mais baixos, houve queda de concessões para pessoas físicas de 13,4%, de setembro para outubro. Já as concessões de cheque especial, com taxa de juros alta, tiveram crescimento de 4,3%.

Na avaliação de Maciel, a inadimplência também foi afetada pela greve dos bancários, uma vez que, com as agências fechadas, os clientes não tiveram como renegociar ou fazer pagamentos.

Segundo Maciel, nos próximos meses, deve haver recuo na inadimplência devido à queda da taxa básica de juros, a Selic, a partir de agosto, e da reversão parcial de medidas de restrição do crédito definidas pelo BC.

Nos dados preliminares de novembro, até o dia 10 (sete dias úteis), a taxa de juros média para pessoas físicas caiu 1,5 ponto percentual em relação ao final de outubro e ficou em 45,5% ao ano. No caso das empresas, houve alta de 0,1 ponto percentual. Nos sete dias úteis deste mês, o saldo das operações de crédito cresceu 0,9% em relação ao sétimo dia útil de setembro. Para pessoas físicas, a alta no saldo foi de 1,1% e para as empresas 0,8%. (da Agência Brasil, Kelly Oliveira)



Últimas

2020/09/25 » Projeto do Senai vai qualificar trabalhadores para a indústria 4.0
2020/09/25 » Primeiro leilão de imóveis públicos do Rio será em outubro
2020/09/25 » CMN amplia limite de renda para microcrédito a empresas
2020/09/24 » Custos industriais caem 1,5% no segundo trimestre
2020/09/24 » Ministro da Economia diz que reforma deve ter tributos alternativos
2020/09/24 » Contas externas têm saldo positivo de US$ 3,7 bilhões
2020/09/23 » Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020
2020/09/23 » CNI: atividade industrial segue em recuperação com alta do emprego
2020/09/23 » Indicadores recentes sugerem recuperação parcial da economia, diz BC
2020/09/22 » Brasil terá cota adicional na exportação de açúcar aos EUA
2020/09/22 » Estudo brasileiro aponta que covid-19 pode causar danos cerebrais
2020/09/22 » Mercado financeiro reduz projeção de queda da economia para 5,05%
2020/09/21 » Turismo: metade das operadoras vende viagens para novembro e dezembro
2020/09/21 » Covid-19: maioria dos estados segue sem aulas presenciais
2020/09/21 » O que é o Sistema S?
2020/09/18 » Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor
2020/09/18 » Confiança do empresário do comércio tem alta recorde em setembro
2020/09/18 » IBGE: desemprego na pandemia atinge maior patamar em agosto
2020/09/18 » CNI apresenta propostas para retomada da economia
2020/09/18 » Abertura de empresas cresce, enquanto fechamento recua em 8 meses

Ver mais »