Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Brasil precisa conhecer melhor mercado chinês para ampliar parceria com país asiático, dizem especialistas 24/11/2011

Brasília – A China pode oferecer várias oportunidades de negócios para o Brasil, de acordo com especialistas que participaram hoje (24) do painel Brasil-China na 2ª Conferência do Desenvolvimento, organizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Para o economista do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Fernando Pimentel Puga, os dois países são complementares em vários setores como o de siderurgia e de alimentos. “O grande motor do crescimento na China é o investimento em infraestrutura. Neste momento, o Brasil é um parceiro de importância crucial, pois somos fornecedores de minério de ferro. Somos fornecedores importantes para a construção e para todo o setor de infraestrutura”, disse.

“A questão alimentar é essencial [já que a China tem poucas terras para a agricultura]. Esse é sempre um fator de bem-estar da população. A dona de casa está interessada no preço dos alimentos. O Brasil é uma grande fronteira agrícola”, acrescentou.

Para o consultor de negócios da Petrobras, Alexandre Palhano Corrêa, outro setor importante na parceria estratégica entre os dois países é o de energia, como é o caso do petróleo, cuja produção está estagnada na China. “A China aumenta a importação [de petróleo] em média para 400 mil barris por ano e sua produção doméstica está estagnada. Para o Brasil, a tendência é que aumentem as importações e é natural que boa parte delas sejam voltadas para a China”, analisou.

Corrêa disse ainda que o Brasil precisa ter mais conhecimento sobre o mercado chinês e suas peculiaridades, pois a China tem uma estratégia para o Brasil, mas o Brasil não tem uma para a China. “Houve um crescimento exponencial da relação sino-brasileira e o Brasil precisa crescer muito ainda do ponto de vista institucional para lidar com esse desafio. Também é preciso ter brasileiros estudando China, pois a quantidade de estudiosos sobre a China no Brasil ainda é incipiente”, disse.

A 2ª Conferência do Desenvolvimento segue até sexta-feira (25). (da Agência Brasil, Roberta Lopes)



Últimas

2020/09/22 » Brasil terá cota adicional na exportação de açúcar aos EUA
2020/09/22 » Estudo brasileiro aponta que covid-19 pode causar danos cerebrais
2020/09/22 » Mercado financeiro reduz projeção de queda da economia para 5,05%
2020/09/21 » Turismo: metade das operadoras vende viagens para novembro e dezembro
2020/09/21 » Covid-19: maioria dos estados segue sem aulas presenciais
2020/09/21 » O que é o Sistema S?
2020/09/18 » Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor
2020/09/18 » Confiança do empresário do comércio tem alta recorde em setembro
2020/09/18 » IBGE: desemprego na pandemia atinge maior patamar em agosto
2020/09/18 » CNI apresenta propostas para retomada da economia
2020/09/18 » Abertura de empresas cresce, enquanto fechamento recua em 8 meses
2020/09/18 » Governo já desembolsou R$ 197 bilhões em auxílio emergencial
2020/09/17 » Entidades elogiam decisão do Copom de manter a Selic
2020/09/17 » Prefeitura de São Paulo adota home office permanente
2020/09/17 » PIB tem queda de 4% no trimestre encerrado em julho, aponta FGV
2020/09/16 » Petrobras quer vender mais ativos de exploração e produção
2020/09/16 » Saques no comércio com Pix começam no 2º trimestre de 2021
2020/09/16 » Concessionária da Malha Paulista e Norte-Sul antecipa outorgas
2020/09/15 » Confiança do empresário industrial cresce pelo quinto mês consecutivo
2020/09/15 » União pode quebrar se forem criados novos fundos, diz Guedes

Ver mais »