Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Inflação avança em São Paulo e atinge famílias pobres com mais força, diz Dieese 06/12/2011

São Paulo - O Índice do Custo de Vida (ICV) na cidade de São Paulo atingiu, em novembro, 0,52% - um aumento de 0,21 ponto percentual à variação de outubro (0,31%). Os dados fazem parte da pesquisa feita pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Essa elevação foi puxada pelos alimentos cujos preços ficaram 1,55% mais caros. As correções ocorreram em ritmo mais forte no segmento de produtos in natura e semielaborados (2,49%). Os peixes e frutos do mar, por exemplo, aumentaram 8,37%. Só a sardinha teve um reajuste de 15,89% e o camarão, 11,78%.

Os legumes tiveram alta de 8,23%, com destaque para o tomate (14,26%), o quiabo (11,55%) e a vagem (10,72%). Outros itens que influenciaram no resultado: batata (9,67%), carne bovina (2,58%) e suína (0,30%).

Os demais grupos do ICV apresentaram as seguintes variações: habitação (0,10%); transporte (0,14%); vestuário (0,41%); educação e leitura (0,09%); despesas pessoais (0,16%); saúde (0,04%); recreação (0,14%); despesas diversas (-0,1%) e equipamento doméstico (-0,12%).

De acordo com a pesquisa, as famílias mais pobres, com renda média de R$ 377,49, foram as que enfrentaram maior avanço inflacionário (0,58%) ou 0,21 ponto percentual superior ao último levantamento. Já o ICV da classe média, com renda de R$ 934,17, passou de 0,34% para 0,54% e entre os mais ricos, com ganhos na faixa de R$ 2.792,90, a taxa passou de 0,28% para 0,47%.

No acumulado de janeiro a novembro, o ICV do conjunto de famílias alcançou 5,56% e, nos últimos 12 meses (de dezembro a novembro), 6,24%. Neste ano, os grupos de despesas que mais provocaram impacto inflacionário foram os de transporte (7,78%) e o de saúde (6,86%). Neste último, os motivos foram os aumentos de internação hospitalar (20,10%); consultas médicas (8,34%) e dos planos de saúde (7,32%).

Em transporte, o consumidor sentiu o peso no orçamento com o encarecimento, principalmente, dos serviços de estacionamento (23,31%); dos táxis (18,09%), da lavagem de carro (15,18%); do álcool (13,07%) e da gasolina (8,64%). Os bilhetes do metrô subiram 9,43% e os dos ônibus municipais (11,11%).

Já os alimentos acumularam alta de 6,06% com maior pressão vinda do consumo fora de casa (9,60%). (da Agência Brasil, Marli Moreira)



Últimas

2021/01/25 » Pendências com o Simples atingem quase dois terços das empresas
2021/01/25 » Cepal: exportações da América Latina e do Caribe caíram 13% em 2020
2021/01/25 » Brasileiros acreditam que inflação será de 5,2% nos próximos 12 meses
2021/01/25 » Como contribuir para o INSS por conta própria
2021/01/25 » Como contribuir para o INSS por conta própria
2021/01/22 » Emprego cresce na indústria em um movimento atípico para dezembro
2021/01/22 » Monitor do PIB aponta alta de 1,1% na atividade econômica em novembro
2021/01/22 » Pesquisa da Conab indica queda na produção nacional de café em 2021
2021/01/21 » Entidades consideram acertada manutenção da Selic em 2% ao ano
2021/01/21 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2021/01/21 » Governo federal lança sistema para simplificar a abertura de empresas
2021/01/20 » ANP regulamenta indicação de áreas para exploração de petróleo e gás
2021/01/20 » Bancos Inter, Itaú e Caixa lideram ranking de reclamações ao BC
2021/01/20 » Confiança do empresário do comércio cai 2,2% em janeiro, diz CNC
2021/01/19 » CNI: faturamento da indústria cai pela primeira vez em sete meses
2021/01/19 » Produção de aço caiu 4,9% em 2020, informa o Instituto Aço Brasil
2021/01/19 » Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central
2021/01/19 » Atividade industrial desacelera em novembro de 2020
2021/01/18 » Saiba o que é a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)
2021/01/18 » China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil

Ver mais »