Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Estagnação do PIB já era esperada, dizem analistas econômicos 06/12/2011

São Paulo- A estagnação do Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre do ano em relação ao trimestre anterior, não surpreendeu os analistas econômicos. “Para nós, esse desempenho já era esperado”, disse o economista Fábio Pina, assessor econômico da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio/SP).

Ele lembrou que, no início do ano, havia projetado para a economia brasileira crescimento em torno de 4%. No entanto, conforme salientou, os efeitos das medidas macroprudenciais adotadas pelo governo federal no fim de 2010 para enfrentar o recrudescimento da crise nos Estados Unidos e na Europa foram as responsáveis pelo freio no ritmo de crescimento. No terceiro trimestre, o PIB somou R$ 1,05 trilhão, praticamente o mesmo resultado do segundo trimestre e 2,1% acima da evolução no perído entre julho e setembro do ano passado.

De acordo com Pina, o país deve começar 2012 com crescimento em torno de 2% e encerrar o exercício com taxa de 4%. “Na média, estaremos com 3%, mas em um cenário melhor do que este ano, pois o grave problema da dívida soberana europeia será resolvido lentamente e [o continente] irá apresentar sinais de crescimento”, projetou o economista.

Para o professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) Samy Dana, embora o resultado nulo não seja bom, é preciso salientar que ele não é o pior resultado. "Eu não exergo como negativo. Na zona do euro, sempre um país ou outro surge com dificuldades e não para de ter problemas", observou.

Quanto à possibilidade recuperação da economia brasileira em 2012, o professor avalia que, apesar da trajetória de queda da taxa básica de juros (Selic) e das medidas de estímulo ao consumo, alguns obstáculos ainda fazem com que os consumidores paguem caro pelas compras. “O cheque especial e o cartão de crédito, que são as duas modalidades mais usadas, têm juros que atingem 200% ao ano”, disse ele, lembrando que o desenvolvimento da economia ainda carece de reformas estruturais.

A questão cambial também foi apontada por Dana como um fator negativo para a atividade industrial. Segundo ele, o governo deveria intervir mais no mercado para reduzir a valorização da moeda brasileira diante do dólar e, assim, estimular a produção voltada para as exportações. (da Agência Brasil, Marli Moreira)



Últimas

2021/01/18 » Saiba o que é a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)
2021/01/18 » China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil
2021/01/18 » Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões
2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020
2021/01/14 » Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos
2021/01/14 » IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
2021/01/14 » Veja o que pode e o que não pode no Enem 2020
2021/01/13 » BNDES define consórcio que apoiará programa de aceleração de startups
2021/01/13 » Inflação da construção civil atinge 10,16% em 2020
2021/01/13 » Inflação para famílias com menor renda fecha 2020 com alta de 5,45%
2021/01/13 » Inflação oficial fecha 2020 em 4,52%, diz IBGE
2021/01/12 » Ministério pede avanço de reformas para manter fábricas no país
2021/01/12 » Preço da cesta básica aumentou em todas as capitais em 2020
2021/01/12 » Plataforma promove compartilhamento de materiais na economia
2021/01/11 » Como entrar em 2021 com as contas no azul
2021/01/11 » Digitalização de serviços públicos gera economia de R$ 2 bi por ano
2021/01/11 » Banco do Brasil renegocia R$ 40 milhões em dívidas por WhatsApp

Ver mais »