Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Economia com fundo de pensão para servidores chegará a R$ 20 bilhões ao ano 08/12/2011

Brasília – O novo regime de previdência para o funcionalismo público fará o país economizar 0,4% do Produto Interno Bruto (PIB) por ano a partir de 2040. Esse percentual equivale a R$ 20 bilhões por ano em valores atuais. A estimativa foi apresentada pelo secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, em audiência na Comissão-Geral da Câmara dos Deputados que discute a criação do fundo de pensão para os servidores federais.

Apesar dos ganhos no longo prazo, Barbosa esclareceu que o novo regime terá impacto nas despesas públicas até a metade da década de 2030. Esse é o período no qual o governo pagará as aposentadorias do regime atual e, também, contribuirá para o fundo de pensão dos servidores.

Para o secretário executivo, a previdência complementar dos servidores públicos representa um sistema justo à medida que preservará os direitos adquiridos do funcionalismo e tornará os benefícios proporcionais ao tempo de contribuição. “O sistema atual não promove justiça porque um servidor que contribuiu por 40 anos recebe a mesma aposentadoria de quem contribuiu por 20 anos”, explicou.

Segundo Barbosa, o valor final do benefício bruto, em alguns casos, poderá ser maior que o salário da ativa se for levado em conta que os funcionários contribuirão menos na ativa e pagarão menos imposto de renda no resgate dos fundos de pensão. De acordo com ele, um funcionário que recebe R$ 10 mil e que contribua por 35 anos terá reposição de 105%, ou seja, terá a aposentadoria bruta 5% maior que o valor do salário da ativa.

Também presente à audiência, o ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves, alertou para a necessidade de aprovação do novo fundo de pensão. “Estamos diante de uma equação perversa. A União não pode continuar a bancar esse déficit, que será crescente e se transformará em rombo de 10% ao ano se não fizermos nada”, advertiu.

O presidente da Comissão de Trabalho e Serviço Público da Câmara, deputado Silvio Costa (PTB-PE), apresentou números que, na visão dele, mostram a desigualdade entre a previdência do setor privado, que recebe pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), e o sistema de aposentadorias do serviço público. São 958 mil servidores federais inativos cujas aposentadorias, auxílios e pensões custam ao contribuinte R$ 53 bilhões por ano. O INSS, por sua vez, gasta R$ 43 bilhões por ano para pagar a aposentadoria de 24 milhões de pessoas. “A proposta do governo quer salvar o salário dos atuais servidores e ajustar a previdência no longo prazo”, ressaltou.

No regime atual, os funcionários públicos contribuem com 11% do salário total, e a União paga 22% dos vencimentos todos os meses. Os servidores se aposentam com a mesma remuneração da ativa. Com a previdência complementar, os atuais servidores continuarão a receber pelo sistema em vigor, mas quem entrar no serviço público depois de promulgação da lei terá que se associar ao fundo de pensão se quiser manter, na aposentadoria, os ganhos da ativa.

Os futuros servidores contribuirão com 11% ao mês, mas receberão uma aposentadoria limitada ao teto do INSS (hoje em R$ 3.691 para os trabalhadores da iniciativa privada). Para ter direito a uma aposentadoria maior, terá que contribuir com 7,5% sobre a diferença entre o teto do INSS e o valor do benefício que deseja receber. A União bancará os outros 7,5%, totalizando 15% de contribuição. (da Agência Brasil, Wellton Máximo)



Últimas

2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020
2021/01/14 » Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos
2021/01/14 » IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
2021/01/14 » Veja o que pode e o que não pode no Enem 2020
2021/01/13 » BNDES define consórcio que apoiará programa de aceleração de startups
2021/01/13 » Inflação da construção civil atinge 10,16% em 2020
2021/01/13 » Inflação para famílias com menor renda fecha 2020 com alta de 5,45%
2021/01/13 » Inflação oficial fecha 2020 em 4,52%, diz IBGE
2021/01/12 » Ministério pede avanço de reformas para manter fábricas no país
2021/01/12 » Preço da cesta básica aumentou em todas as capitais em 2020
2021/01/12 » Plataforma promove compartilhamento de materiais na economia
2021/01/11 » Como entrar em 2021 com as contas no azul
2021/01/11 » Digitalização de serviços públicos gera economia de R$ 2 bi por ano
2021/01/11 » Banco do Brasil renegocia R$ 40 milhões em dívidas por WhatsApp
2021/01/11 » Vendas de veículos caem 26,2% em 2020, diz Anfavea
2021/01/11 » Enem terá regras para evitar contágio pelo novo coronavírus
2021/01/08 » ANP: 17ª Rodada de Licitações oferece 92 blocos em bacias marítimas

Ver mais »