Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Consumidores tentam driblar os reajustes dos preços dos alimentos no dia a dia 09/03/2012

Brasília – A constatação, revelada ontem (8) pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), que aumentou, em média, 1% os preços dos alimentos no mundo, puxados pelo açúcar, cereais e óleos, também é percebida no Brasil. Em Brasília, donas de casa e pais de família reclamam da elevação das despesas domésticas devido ao aumento dos preços nos supermercados em geral.

A aposentada Maria José de Brito, de 57 anos, disse à Agência Brasil que o aumento foi geral – de todas mercadorias que consume no seu dia a dia. “O arroz e feijão é sagrado, todo santo dia tem que ter”, disse ela. “A lentilha e o grão de bico também estão mais caros. Para driblar esse aumento, eu incremento na culinária: faço quibe [por exemplo] e coloco verduras.”

O funcionário público Olivério Oliveira, de 63 anos, concordou com Maria José e disse que a alternativa é fazer pesquisas de preços nos supermercados da cidade. “O aumento foi geral. O [preço do] café dobrou, o feijão está muito caro, a arroz se manteve. Mas outros produtos, como os de limpeza, também dobraram o preço”, disse.

Oliveira faz suas recomendações para quem, como ele, tem de ir às compras com frequência. “Compro em promoções. Mas [nem sempre] compensa porque é preciso ficar andando de mercado em mercado. Acho abusivo, porque os produtos aumentam, mas o salário não”.

A auxiliar de enfermagem Jaciara Almeida, de 40 anos, reclamou do preço da carne e segundo ela, a alternativa para economizar é escolher cortes mais baratos. “A carne subiu bastante. Para economizar, estou comprando os cortes mais baratos. Compensa muito. Pego as promoções dos dias, por exemplo”, disse.

Elda Alves da Silva, 36 anos, que é acompanhante de idosos, disse que fica atenta aos anúncios sobre promoções dos supermercados. “Quando tem promoção na televisão, eu corro e compro, porque senão não tem condição de manter a alimentação. Reparei que aumentou muito o café, o arroz, o feijão. Isso faz muita diferença no bolso”, disse ela.

A analista de sistemas Sheila Catherine disse que tira da sua lista de consumo os produtos que julga caros. “Quando vou ao mercado e vejo que está mais caro que um outro, [simplesmente] não compro. Compro em outro [mercado] que esteja mais barato”, disse. Segundo ela, os produtos especiais, como aqueles que não têm glúten são ainda mais caros. “Há uma diferença de preço muito grande entre os itens com e sem glúten. O pão sem glúten é bem menor que o normal.” (Agência Brasil)



Últimas

2020/05/26 » Ministério divulga diretrizes para construção de hospitais de campanha
2020/05/26 » EUA antecipam em dois dias restrição de viagens do Brasil
2020/05/26 » Aplicativos criados por alunos da UFF facilitam integração na pandemia
2020/05/22 » Receita inicia hoje consulta ao primeiro lote do Imposto de Renda
2020/05/22 » Receita lança aplicativo CPF Digital
2020/05/22 » Especialistas alertam sobre sintomas menos comuns da covid-19
2020/05/19 » Tabagismo e coronavírus são combinação catastrófica, diz fundação
2020/05/19 » Vacina para covid-19 mostra resultado promissor
2020/05/19 » Alívio no mercado externo faz dólar cair para R$ 5,72
2020/05/18 » Critérios e avaliações na recuperação de covid-19
2020/05/18 » Veja como será o pagamento da 2ª parcela do auxílio emergencial
2020/05/18 » Dataprev aprova auxílio emergencial para 8,3 milhões de brasileiros
2020/05/15 » Anistia Internacional lança campanha sobre grupos carentes no Brasil
2020/05/15 » Clientes podem acessar serviços públicos com senha do Banco do Brasil
2020/05/15 » Governo prorroga prazo de entrega da declaração do IR por dois meses
2020/05/14 » Confira pagamentos e tributos adiados ou suspensos durante pandemia
2020/05/14 » Com pandemia, 76% do setor industrial reduziu produção
2020/05/14 » Estudo da Unicamp indica lockdown em SP se isolamento não aumentar
2020/05/13 » Maioria dos governadores manterá academias e salões fechados
2020/05/13 » Programa de redução de salário preserva mais de 7 milhões de empregos

Ver mais »