Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Inadimplência do consumidor tem terceira queda mensal seguida, mas é maior do que em fevereiro de 2011 13/03/2012

São Paulo - Pelo terceiro mês consecutivo, em fevereiro deste ano, diminuiu o número de pessoas que atrasaram o pagamento de suas contas. Mas os atrasos continuam em nível mais elevado do que há um ano, segundo o levantamento feito pela Serasa Experian. Em fevereiro, o Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor foi 0,9% menor do que em janeiro, mas teve alta de 18,3% na comparação com igual mês de 2011 e um aumento de 17,4% no primeiro bimestre ante o mesmo período do ano passado.

 

Os analistas econômicos da Serasa lembram, no entanto, que o ritmo de inadimplência tinha sido maior em fevereiro de 2011, com taxa de 25,4% em relação ao mesmo mês de 2010. “Os juros altos, os gastos típicos de início de ano [Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e despesas escolares] e as incertezas sobre a crise global fizeram com que o consumidor tivesse cautela e controlasse seus gastos”, destaca a Serasa por meio de nota.

Os economistas lembram que fevereiro teve menor número de dias úteis. As dívidas bancárias tiveram redução de 1,5% na comparação com janeiro e representaram a maior fatia na contribuição para a queda da inadimplência, embora as taxas das demais modalidades de compromissos financeiros tenham superado esse percentual.

No caso dos cheques sem fundo, a taxa ficou 4,7% abaixo da verificada em janeiro e os títulos protestados apresentaram queda de 18%. Já as dívidas não bancárias (cartões de crédito e com financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços como telefonia e fornecimento de energia elétrica e água) aumentaram 1,6%.

Na comparação anual, os valores médios das dívidas cresceram em todos os tipos de compromissos e a maior expansão (44,2%) ocorreu nas dívidas bancárias, cujo montante, porém, é o menor entre as quatros modalidades pesquisadas, com R$ 474,57 ante R$ 329,08, em fevereiro de 2011. No caso dos cheques sem fundo, o valor médio passou de R$ 1.265 para R$ 1.414,18, alta de 11,9%; no dos títulos protestados, de R$ 1.219,54 para R$ 1.301,97, elevação de 5,8%; e no das dívidas com os bancos, de R$ 1.289,14 para R$ 1.294,91, aumento de 0,4%. (da Agência Brasil, Marli Moreira)



Últimas

2021/01/20 » ANP regulamenta indicação de áreas para exploração de petróleo e gás
2021/01/20 » Bancos Inter, Itaú e Caixa lideram ranking de reclamações ao BC
2021/01/20 » Confiança do empresário do comércio cai 2,2% em janeiro, diz CNC
2021/01/19 » CNI: faturamento da indústria cai pela primeira vez em sete meses
2021/01/19 » Produção de aço caiu 4,9% em 2020, informa o Instituto Aço Brasil
2021/01/19 » Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central
2021/01/19 » Atividade industrial desacelera em novembro de 2020
2021/01/18 » Saiba o que é a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)
2021/01/18 » China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil
2021/01/18 » Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões
2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020
2021/01/14 » Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos
2021/01/14 » IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
2021/01/14 » Veja o que pode e o que não pode no Enem 2020
2021/01/13 » BNDES define consórcio que apoiará programa de aceleração de startups
2021/01/13 » Inflação da construção civil atinge 10,16% em 2020
2021/01/13 » Inflação para famílias com menor renda fecha 2020 com alta de 5,45%

Ver mais »