Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Rendimento médio do trabalhador atinge em fevereiro o valor mais alto desde 2002 22/03/2012

Rio de Janeiro – O rendimento médio do trabalhador brasileiro atingiu em fevereiro R$ 1.699,70, o valor mais alto desde março de 2002, quando teve início a série histórica da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O levantamento, divulgado hoje (22) pelo órgão, revela que o poder de compra dos ocupados – ou seja, as pessoas que trabalham com carteira assinada ou informalmente – aumentou 1,2% em comparação com janeiro e 4,4% em relação a fevereiro de 2011.

De acordo com o gerente da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, o resultado foi impulsionado pelo aumento do salário mínimo, que apresentou alta de 14% no início do ano, ao passar de R$ 545 para R$ 622. “Esse recorde foi causado principalmente pelo aumento do salário mínimo, que é o principal indexador de muitos grupamentos de atividades, de muitas classes de trabalhadores, e foi um dos maiores responsáveis pelo movimento”, explicou.

Azeredo acrescentou que a dispensa de trabalhadores temporários, o que geralmente ocorre no início do ano, pode ter contribuído também para elevar a média dos rendimentos. “Esses trabalhadores temporários, em geral, ganham menos. Com a saída deles [do mercado de trabalho], a média dos rendimentos tende a subir”, afirmou.

O gerente do IBGE disse, ainda, que os setores que sofreram os maiores impactos do aumento do salário mínimo foram a indústria e o comércio. O documento aponta que São Paulo registrou em fevereiro de 2012 o maior rendimento médio (de R$ 1.813), seguido pelo Rio de Janeiro (R$ 1.805).

De acordo com o levantamento, cinco das seis regiões metropolitanas observadas pelo IBGE tiveram aumento no rendimento em fevereiro deste ano na comparação com fevereiro de 2011: Recife (6,7%), Salvador (18,6%), Belo Horizonte (7,0%), Rio de Janeiro (0,4%) e São Paulo (5,4%). Apenas Porto Alegre (-2,4%) apresentou diminuição. (da Agência Brasil, Thais Leitão)



Últimas

2020/12/01 » Ipea: investimentos têm alta de 3,5% em setembro
2020/12/01 » Contas públicas registram saldo positivo após oito meses de déficit
2020/12/01 » Estimativa do mercado financeiro para a inflação sobe para 3,54%
2020/11/30 » ANP retoma a 17ª Rodada de Licitações
2020/11/30 » Corretoras poderão atuar com pagamentos de boletos a partir de janeiro
2020/11/30 » Confiança da indústria atinge maior valor em dez anos, diz FGV
2020/11/30 » Fiscalização do Procon-SP registra infração em 70% de lojas visitadas
2020/11/30 » Taxa de desemprego passa de 13,3% para 14,6% no terceiro trimestre
2020/11/30 » Inflação do aluguel sobe e acumula 24,52% em 12 meses
2020/11/27 » Volta de cobrança do IOF sobre crédito renderá cerca de R$ 2 bi
2020/11/27 » Indústrias do Mercosul e da UE pedem urgência para acordo comercial
2020/11/27 » Indústria paulista mantém expansão no ano apesar de queda em outubro
2020/11/26 » Expectativa de vida no Brasil sobe para 76,6 anos em 2019
2020/11/26 » Campos Neto: Pix vai gerar inclusão e reduzir custos para população
2020/11/26 » Vendas de máquinas e equipamentos têm alta de 16% em outubro
2020/11/25 » Anatel prevê leilão do 5G no final do primeiro semestre de 2021
2020/11/25 » Mercado de capitais analisa critérios socioambientais de empresas
2020/11/25 » Pix tem quase 4,4 milhões de portabilidade de chaves
2020/11/24 » Maioria dos reajustes até outubro teve ganhos reais, diz Dieese
2020/11/24 » Mercado aumenta previsão de inflação e prevê queda menor do PIB

Ver mais »