Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Total de endividados em São Paulo é o maior dos últimos 12 meses, aponta Fecomercio-SP 30/03/2012

São Paulo - O total de endividados na cidade de São Paulo é o maior desde março de 2011, revela pesquisa feita pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP). Segundo o levantamento divulgado hoje (30), 52,2% dos paulistanos se declararam endividados em março, o que equivale a 1,87 milhão de famílias. O número é o 9,4 pontos percentuais maior do que o registrado em fevereiro, mas ainda está 0,6 ponto percentual abaixo do registrado no mesmo mês do ano anterior.

De acordo com a Fecomercio-SP, o aumento do número de endividadas se deve a refinanciamentos das dívidas assumidas no começo do ano, com matrícula e material escolar e tributos como o Imposto Territorial e Predial Urbano (IPTU), além do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). O incremento no total de endividados também foi impactado pelos crescentes gastos com turismo, viagens, hotéis e aluguel de carro.

A pesquisa também registrou elevação no total de famílias com conta em atraso, que era 12,1% em fevereiro e atingiu 18,5% em março. O número de famílias inadimplentes, aquelas que dizem não ter condições de pagar total ou parcialmente suas dívidas, saltou de 3,9% para 4,8%.

Neste mês, 28,7% dos paulistanos declararam estar comprometidos com dívidas por mais de um ano, 25,9%, por um período de três a seis meses, e 20,7%, por menos de três meses. A parcela da população que comprometeu entre 11% e 50% de sua renda mensal é 47,1%. Segundo o levantamento, 22% comprometeram menos de 10% e 26,3%, mais de 50%.

Entre os consumidores que não estão com as contas em dia, 42,3% têm atrasos há mais de 90 dias. Além disso, 20,6% têm contas atrasadas por até 30 dias e 36,1%, entre 30 e 90 dias.

O principal meio utilizado para fazer essas dívidas continua sendo o cartão de crédito; 67,5% dos paulistanos têm alguma dívida devido às compras pagas dessa maneira. A participação dos carnês subiu de 18,6% para 28,2%. Essa alta, de acordo com os economistas da Fecomercio-SP, deve-se às megaliquidações feitas por lojas de departamentos que usam carnês para possibilitar financiamentos e oferecer mais prazo do que aquele disponível para os clientes que optam por parcelar suas compras no cartão de crédito. Já a participação do crédito pessoal, terceira forma mais comum de endividamento, saltou de 14,2% para 19,8%. (da Agência Brasil)



Últimas

2020/11/24 » Maioria dos reajustes até outubro teve ganhos reais, diz Dieese
2020/11/24 » Mercado aumenta previsão de inflação e prevê queda menor do PIB
2020/11/24 » Guedes anuncia que vai para o "ataque" com privatizações e reformas
2020/11/23 » Mais de 60% dos internautas no país usam serviços públicos digitais
2020/11/23 » Guia de financiamento ajuda empresas interessadas em sustentabilidade
2020/11/23 » Em reunião do G20, Guedes diz que recuperação do Brasil surpreende
2020/11/20 » Economia cresceu 7,5% do segundo para o terceiro trimestre, diz FGV
2020/11/20 » Produção e empregos estão em alta na indústria, diz CNI
2020/11/20 » Confiança do empresário do comércio sobe 4,1% em novembro, diz CNC
2020/11/18 » Aumento de exportações industriais traria R$ 376 bi para economia
2020/11/18 » Quase dois terços das indústrias esperam faturar mais em 2021
2020/11/18 » Brics apoia candidatura do Brasil para Conselho de Segurança da ONU
2020/11/17 » Pix terá pagamentos programados e troco em dinheiro
2020/11/17 » PagTesouro começa a disponibilizar Pix como forma de pagamento
2020/11/17 » Consulta pública busca soluções digitais para pequena e média empresa
2020/11/16 » Pix: novo sistema de pagamento instantâneo entra em funcionamento
2020/11/16 » Índice de Confiança do Empresário Industrial sobe em novembro
2020/11/16 » Atividade econômica tem crescimento de 9,47% no terceiro trimestre
2020/11/13 » BNDES tem lucro de R$ 8,73 bilhões no terceiro trimestre
2020/11/13 » Consumo de energia volta a níveis pré-pandemia no Brasil

Ver mais »