Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Ampliação do Plano Brasil Maior melhora ambiente de negócios e de empregos, segundo associações industriais 04/04/2012

Brasília – A ampliação do Plano Brasil Maior, com as medidas de desoneração fiscal anunciadas ontem (3) pelo governo, é um “passo importante” para melhorar o ambiente de negócios e aumentar a participação da indústria na produção e no emprego, de acordo com o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade.

Ele ressalta, porém, que o problema da indústria não é de ordem conjuntural apenas. Trata-se, segundo ele, de uma questão estrutural, que reflete problemas de competitividade sistêmica. No seu entender, a desoneração da folha de salários, créditos e defesa comercial ajudam, mas é necessária uma estratégia clara de política industrial, com objetivos bem definidos, para que a indústria tenha “isonomia competitiva”.

Os 15 setores da indústria beneficiados com desoneração da folha de pagamentos têm grande peso na formação de empregos. Casos, por exemplo, da indústria de confecções, que emprega 1,322 milhão de pessoas em todo o país; da indústria têxtil com seus 334,7 mil postos de trabalho diretos, de acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecções (Abit), bem como 1,5 milhão de empregos diretos e indiretos da cadeia automobilística, segundo estima a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

O presidente da Abit, Aguinaldo Diniz Filho, também acredita que as medidas terão impacto positivo no setor têxtil e de confecções, mas defende “mudanças contínuas e profundas nas estruturas de produção”. Segundo ele, o anúncio de hoje mostra uma “sensível preocupação” com a desindustrialização e suas possíveis consequências para o país, como a redução de empregos.

O professor de economia da Fundação Getulio Vargas (FGV) de São Paulo, Samy Dana, também bate na mesma tecla. Ele diz que não adianta apenas reduzir tributos pontuais e específicos, quando é necessário diminuir toda a carga tributária brasileira e, sobretudo, reduzir o spread bancário (diferença entre os juros que os bancos pagam aos clientes e os juros cobrados nos empréstimos). Sem isso, segundo ele, não haverá grande aumento do número de empregos no país com essas medidas.

“Precisamos fazer mais para que a indústria brasileira ganhe em competitividade e para isso o governo precisa investir mais em infraestrutura e trabalhar por uma ampla reforma tributária”, acrescentou. (da Agência Brasil, Stênio Ribeiro)



Últimas

2020/02/21 » Polícia Rodoviária Federal inicia Operação Carnaval nesta sexta-feira
2020/02/21 » Escolas de samba movimentam economia durante todo ano no Rio
2020/02/20 » Banco Central injeta R$ 135 bilhões na economia
2020/02/20 » Programa para fazer Declaração do Imposto de Renda já está disponível
2020/02/20 » Prévia da inflação oficial fica em 0,22% em fevereiro
2020/02/19 » Comissão Europeia quer criar mercado único de dados
2020/02/19 » Confiança da indústria cai em fevereiro depois de 3 altas seguidas
2020/02/19 » Confiança da indústria cresce 0,7 ponto na prévia de fevereiro
2020/02/18 » Economia segue em processo de recuperação gradual, diz BC
2020/02/18 » FGV: economia brasileira cresceu 1,2% em 2019
2020/02/18 » Rodovias terão estabelecimentos regulamentados para motoristas
2020/02/17 » Associação alerta motoristas sobre riscos no trânsito durante carnaval
2020/02/17 » Estimativa do mercado financeiro para inflação cai para 3,22%
2020/02/17 » Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil
2020/02/14 » Atividade econômica cresce 0,89% em 2019
2020/02/14 » Cerca de 25% dos desempregados procuram emprego há mais de dois anos
2020/02/14 » Taxa de desemprego cai em 16 estados, revela IBGE
2020/02/13 » Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre
2020/02/13 » Setor de Serviços fecha 2019 com crescimento de 1%
2020/02/13 » Coronavírus: subida exponencial de mortes e casos. O que mudou?

Ver mais »