Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Medidas de estímulo ao crédito não aumentarão inadimplência nem inflação, diz Mantega 22/05/2012

Brasília – As medidas de estímulo ao crédito e à compra de veículos não provocarão o aumento da inadimplência nem da inflação, disse ontem (21) o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Segundo ele, a criação de empregos e a redução de juros farão com que o aumento do investimento seja acompanhado da expansão do consumo, mesmo que em níveis menores que o observado em 2010.

Na avaliação do ministro, o aumento de renda dos trabalhadores e a entrada de novos empregados formais no mercado impedirá que os consumidores percam o controle e deixem de pagar as prestações. “Os novos trabalhadores têm a capacidade de adquirir bens, e a economia vai se movimentando, de modo que não haja excesso de endividamento. As medidas de estímulo mais o crescimento da atividade econômica [a partir do segundo semestre] farão com que a inadimplência acabe sendo reduzida no país”, declarou Mantega.

O ministro também negou que uma eventual explosão no consumo provocada pelo destravamento do crédito e pelas reduções de impostos pressione a inflação. “Estamos reduzindo o custo tributário, que se reflete em preços menores. Isso é deflação, não inflação”, ressaltou. Ele acrescentou que, diferentemente de 2010 e 2011, o Brasil não está sofrendo com o encarecimento das commodities (bens agrícolas e primários com cotação internacional) e descartou o risco de aquecimento excessivo da economia.

Em relação ao aporte de R$ 45 bilhões para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), anunciado no início de abril como parte do pacote de estímulo à indústria, Mantega disse que o Tesouro emprestará os recursos, mas informou que ainda não há prazo para isso ocorrer. “O escalonamento [da transferência dos recursos] é um detalhe técnico, que não vem ao caso. O BNDES informará ao Tesouro quando vai precisar de títulos para ampliar o capital”, declarou.

Sobre o desempenho da linha de crédito para a compra de materiais de construção com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), o ministro admitiu que a Caixa Econômica Federal enfrenta dificuldades em emprestar o dinheiro. “Ninguém consegue pegar empréstimos porque há muitas exigências e condicionalidades, mas estou conversando com a Caixa para destravar essa linha”, declarou o ministro. A linha foi criada em janeiro. (da Agência Brasil, Wellton Máximo)



Últimas

2020/12/01 » Ipea: investimentos têm alta de 3,5% em setembro
2020/12/01 » Contas públicas registram saldo positivo após oito meses de déficit
2020/12/01 » Estimativa do mercado financeiro para a inflação sobe para 3,54%
2020/11/30 » ANP retoma a 17ª Rodada de Licitações
2020/11/30 » Corretoras poderão atuar com pagamentos de boletos a partir de janeiro
2020/11/30 » Confiança da indústria atinge maior valor em dez anos, diz FGV
2020/11/30 » Fiscalização do Procon-SP registra infração em 70% de lojas visitadas
2020/11/30 » Taxa de desemprego passa de 13,3% para 14,6% no terceiro trimestre
2020/11/30 » Inflação do aluguel sobe e acumula 24,52% em 12 meses
2020/11/27 » Volta de cobrança do IOF sobre crédito renderá cerca de R$ 2 bi
2020/11/27 » Indústrias do Mercosul e da UE pedem urgência para acordo comercial
2020/11/27 » Indústria paulista mantém expansão no ano apesar de queda em outubro
2020/11/26 » Expectativa de vida no Brasil sobe para 76,6 anos em 2019
2020/11/26 » Campos Neto: Pix vai gerar inclusão e reduzir custos para população
2020/11/26 » Vendas de máquinas e equipamentos têm alta de 16% em outubro
2020/11/25 » Anatel prevê leilão do 5G no final do primeiro semestre de 2021
2020/11/25 » Mercado de capitais analisa critérios socioambientais de empresas
2020/11/25 » Pix tem quase 4,4 milhões de portabilidade de chaves
2020/11/24 » Maioria dos reajustes até outubro teve ganhos reais, diz Dieese
2020/11/24 » Mercado aumenta previsão de inflação e prevê queda menor do PIB

Ver mais »