Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Emissão de títulos e alta do dólar fazem Dívida Pública Federal subir R$ 42 bilhões em maio 25/06/2012

Brasília – A emissão de títulos e a alta do dólar fizeram a Dívida Pública Federal (DPF) subir 2,21% em maio. Segundo números divulgados há pouco pelo Tesouro Nacional, o estoque da DPF encerrou o mês passado em R$ 1,922 trilhão, contra R$ 1,880 trilhão registrados no fim de abril.

A dívida pública mobiliária (em títulos) interna subiu 2,14%, passando de R$ 1,795 trilhão para R$ 1,833 trilhão. Isso ocorreu porque o Tesouro emitiu R$ 19,97 bilhões em títulos a mais do que resgatou. A alta também foi impulsionada pela incorporação de R$ 18,44 bilhões em taxas de juros.

O reconhecimento de juros ocorre porque a correção que o Tesouro se compromete a pagar aos investidores (que emprestam dinheiro para que o governo possa rolar a dívida) é incorporada gradualmente ao valor devido. No caso de um investidor que comprou um título por R$ 100 com correção de 12% ao ano, ele receberá R$ 964 ao final de 20 anos. Essa diferença é incorporada mês a mês ao total da dívida pública.

A alta do dólar também contribuiu para o aumento da DPF. De acordo com o Tesouro, o aumento de 6,90% da moeda norte-americana em maio fez a dívida pública externa subir 3,7%, encerrando maio em R$ 88,91 bilhões, contra R$ 85,73 bilhões registrados no mês anterior.

A participação de títulos prefixados – com juros definidos antecipadamente – na dívida interna subiu de 38,55% em abril para 39,24% em maio, impulsionada pela emissão líquida de R$ 20,6 bilhões desse tipo de papel no mês passado. A fatia dos títulos vinculados a taxas flutuantes, como a Selic (taxa de juros básicos da economia), caiu de 27,7% para 26,77%, permanecendo no menor nível desde 1997.

A participação dos títulos corrigidos pela inflação teve leve queda, passando de 33,52% para 33,15%. Também influenciada pela alta do dólar, a parcela da dívida interna vinculada subiu de 0,23% para 0,84%. Esses números levam em conta as operações de swap pelo Banco Central (BC), que equivalem a operações de compra ou venda de dólar no mercado futuro e têm impacto na dívida pública.

Com taxas definidas com antecedência, os títulos prefixados são preferíveis para o Tesouro Nacional porque dão maior previsibilidade à administração da dívida pública. Em contrapartida, os papéis vinculados à Selic representam mais risco porque pressionam a dívida para cima em ciclos de alta dos juros básicos.

O prazo médio da DPF apresentou leve piora, caindo de 3,85 anos em abril para 3,81 anos em maio. O Tesouro Nacional não divulga o resultado em meses, apenas em anos. Essa queda se refletiu no aumento da participação dos vencimentos nos próximos 12 meses, passando de 24,98% para 27,45%. Prazos mais longos são favoráveis para o Tesouro porque dão ao governo mais tempo para planejar e executar as operações de renegociação (rolagem) da dívida pública.

Por meio da dívida pública, o governo pega emprestados recursos dos investidores para honrar compromissos. Em troca, compromete-se a devolver os recursos com alguma correção, que pode ser definida com antecedência, no caso dos títulos prefixados, ou seguir a variação da taxa Selic, da inflação ou do câmbio. (da Agência Brasil, Wellton Máximo)



Últimas

2021/05/06 » Entidades do setor produtivo criticam aumento de juros
2021/05/06 » Alta da Selic terá pequeno impacto sobre juros finais, diz Anefac
2021/05/06 » Copom eleva juros básicos da economia para 3,5% ao ano
2021/05/06 » Produção industrial cai 2,4% de fevereiro para março
2021/05/06 » Copom eleva juros básicos da economia para 3,5% ao ano
2021/05/05 » Dia das mães: data é a mais importante para o setor de flores
2021/05/05 » Relator da reforma tributária propõe fundir cinco tributos no IBS
2021/05/05 » Pagamento do abono anual para segurados da Previdência é antecipado
2021/05/05 » Medida restabelece regras flexíveis para compras e contratos públicos
2021/05/05 » Famílias com dívidas em atraso crescem para 67,3% em abril
2021/05/05 » MP reinstitui dispensa de licitação para compras relacionadas à covid
2021/05/05 » Reforma tributária tem de "atacar" programas de isenção, afirma Guedes
2021/05/05 » Inflação na saída das fábricas fica em 4,78% em março, diz IBGE
2021/05/04 » Balança comercial tem melhor saldo da história para meses de abril
2021/05/04 » Petróleo: produção na Bacia de Santos ultrapassa 70% do total nacional
2021/05/04 » Brasil não renovará pacto de transporte naval com Argentina e Uruguai
2021/05/04 » Mercado financeiro espera que Selic suba para 3,5% ao ano nesta semana
2021/05/03 » Maior leilão da história trará o 5G ao Brasil
2021/05/03 » Trabalho em home office tende a continuar após fim da pandemia
2021/05/03 » Banco Central nega falha de segurança no Pix e adverte contra golpes

Ver mais »