Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Ativista vincula desenvolvimento de países a eliminação de violência de gênero 28/11/2012

Brasília - Nenhum país pode se desenvolver plenamente sem eliminar a violência de gênero, disse hoje (28) a presidenta da Vital Voices Global Partnership, organização internacional de promoção dos direitos das mulheres, Alyse Nelson. De acordo com cálculos da instituição, somente a economia norte-americana perde, a cada ano, US$ 6 bilhões por causa da violência doméstica.

"Nenhum país pode avançar se as mulheres continuam vítimas da violência em suas casas e em suas comunidades. Elas não conseguem aproveitar, por exemplo, as oportunidades de crescimento econômico [em seus países] e não desenvolvem seu potencial se não viverem livres desse problema", disse, ao participar de um seminário, em Brasília, sobre o fim desse tipo de violência.

A presidenta da organização também ressaltou que o Brasil tem uma das mais completas e abrangentes leis relacionadas ao tema, a Lei Maria da Penha, que endureceu as punições aos agressores, e lamentou o fato de mais de 600 milhões de mulheres viverem em países onde a violência de gênero não é crime ou não é punida na prática. Alyse Nelson acrescentou que, segundo estimativas das organizações que atuam na área, uma em cada três mulheres em todo o mundo será vítima de violência relacionada a gênero em algum momento de sua vida.

Ainda durante o evento, o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Thomas Shannon, destacou que o desenvolvimento e a proteção a mulheres e meninas são temas centrais na política do presidente norte-americano, Barack Obama. Ele enfatizou que seu país e o Brasil são parceiros nessa área e têm um histórico de trocas de informações e de inteligência para combater especialmente o tráfico de pessoas para fins sexuais e a pedofilia.

"Trabalhamos em conjunto com a Polícia Federal e outros órgãos para combater esses problemas, especialmente tendo em vista a aproximação de eventos como a Copa do Mundo. Nossa agência de imigração, por exemplo, atua para garantir que quem trabalha em aeroportos internacionais entenda o que é o tráfico [de pessoas] e como combatê-lo”, disse. (da Agência Brasil, Thais Leitão)



Últimas

2019/10/21 » Gás de botijão residencial aumenta para as distribuidoras
2019/10/18 » Bolsonaro assina lei para repartir dinheiro de leilão de petróleo
2019/10/18 » Setembro tem a maior criação de emprego formal para o mês desde 2013
2019/10/18 » IGP-M acumula inflação de 3,33% em 12 meses
2019/10/18 » Índice de Confiança do Empresário Industrial fica estável pelo 3º mês
2019/10/18 » São Paulo é o primeiro em três itens de ranking de competitividade
2019/10/18 » Leilão de energia movimenta R$ 44 bilhões em nove estados
2019/10/16 » PIB tem alta de 0,6% no trimestre encerrado em agosto, diz FGV
2019/10/16 » Dia Mundial da Alimentação destaca valor da refeição saudável
2019/10/16 » Mais de 1 milhão de estudantes já visualizaram o cartão do Enem
2019/10/15 » Publicado decreto que regulamenta o trabalho temporário
2019/10/15 » Governo libera R$ 7,27 bi do Orçamento com recursos do petróleo
2019/10/15 » Nova cota para compras em free shops começa em 2020, diz presidente
2019/10/14 » Atividade econômica cresce 0,07% em agosto no Brasil
2019/10/14 » Nobel de Economia premia trio pelo combate à pobreza no mundo
2019/10/14 » Mercado financeiro reduz estimativa de inflação para 3,28% em 2019
2019/10/11 » BC dá aval para Cadastro Positivo começar a funcionar
2019/10/11 » CNI diz que PIB crescerá 0,9% este ano
2019/10/11 » Tratamento de médicos da USP faz desaparecer células de linfoma
2019/10/11 » Setor de serviços recua 0,2% de julho para agosto

Ver mais »