Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Aumenta peso do comércio na criação de empregos na América Latina e no Caribe 18/12/2012

Brasília – A indústria foi a atividade em que houve a maior queda na geração de postos de trabalho na maioria dos países da América Latina e do Caribe nos primeiros nove meses de 2012, em comparação ao mesmo período de 2011. O comércio, por outro lado, teve aumento na criação de empregos, tendo peso crescente na estrutura ocupacional da região. Os dados são do relatório Panorama Laboral 2012 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), divulgado hoje (18).

No Brasil e Peru, as taxas de crescimento positivas do emprego na indústria em 2011 (2,1% e 1,9%, respectivamente) passaram a ser negativas em 2012 (-0,5% e -1,2%, respectivamente). No Equador, apesar de a tendência negativa no setor ter sido revertida - de -4,5%, em 2011, para 0,7%, em 2012 - a taxa de crescimento foi considerada moderada, assim como na Venezuela, cujo índice de crescimento de postos de trabalho na indústria passou de 0,6% para 1,4%.

No comércio, em contrapartida, houve aumento de postos de trabalho considerado expressivo entre o ano passado e este ano na maioria dos países estudados pela OIT. As exceções foram a Argentina e o Chile, nos quais as vagas no setor encolheram 2,3% e 4,3%, respectivamente. No Brasil, o comércio aumentou 1,6% a demanda por trabalhadores em 2012. O Equador foi o país em que o crescimento foi mais intenso, alcançando 10,4%, seguido pelo Panamá, com 6,4%, e pela Colômbia, 5,5%.

Segundo o Panorama Laboral da OIT, o aumento dos postos no comércio ocorre de forma consistente com a crescente incidência desse setor na estrutura ocupacional dos países da região no longo prazo. De um modo geral, a maior quantidade de oportunidades no comércio reflete o estímulo à demanda interna e uma alternativa à limitada geração de empregos em outros setores – o que é o caso da indústria, devido à mecanização proporcionada pela tecnologia cada vez mais avançada.

Em outras áreas de atividade, como a construção civil, a agricultura, a pecuária e a pesca, o perfil do crescimento do emprego foi mais heterogêneo, segundo o Panorama Laboral. No Brasil, na Argentina e Colômbia, por exemplo, a construção civil foi dinâmica. No Peru e Chile, por outro lado, os índices de crescimento foram menos expressivos no setor. Na agricultura, na pecuária e na pesca, houve retração na Argentina, no Chile e na Venezuela. Na Colômbia, no México e Panamá, crescimento. (da Agência Brasil, Carolina Sarres)



Últimas

2020/02/21 » Polícia Rodoviária Federal inicia Operação Carnaval nesta sexta-feira
2020/02/21 » Escolas de samba movimentam economia durante todo ano no Rio
2020/02/20 » Banco Central injeta R$ 135 bilhões na economia
2020/02/20 » Programa para fazer Declaração do Imposto de Renda já está disponível
2020/02/20 » Prévia da inflação oficial fica em 0,22% em fevereiro
2020/02/19 » Comissão Europeia quer criar mercado único de dados
2020/02/19 » Confiança da indústria cai em fevereiro depois de 3 altas seguidas
2020/02/19 » Confiança da indústria cresce 0,7 ponto na prévia de fevereiro
2020/02/18 » Economia segue em processo de recuperação gradual, diz BC
2020/02/18 » FGV: economia brasileira cresceu 1,2% em 2019
2020/02/18 » Rodovias terão estabelecimentos regulamentados para motoristas
2020/02/17 » Associação alerta motoristas sobre riscos no trânsito durante carnaval
2020/02/17 » Estimativa do mercado financeiro para inflação cai para 3,22%
2020/02/17 » Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil
2020/02/14 » Atividade econômica cresce 0,89% em 2019
2020/02/14 » Cerca de 25% dos desempregados procuram emprego há mais de dois anos
2020/02/14 » Taxa de desemprego cai em 16 estados, revela IBGE
2020/02/13 » Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre
2020/02/13 » Setor de Serviços fecha 2019 com crescimento de 1%
2020/02/13 » Coronavírus: subida exponencial de mortes e casos. O que mudou?

Ver mais »