Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Menor oferta de produtos por causa do clima contribuiu para alta de preços dos alimentos em janeiro 07/02/2013

Rio de Janeiro – A oferta reduzida de alimentos devido ao clima contribuiu para o aumento da inflação de alimentação e bebidas em janeiro. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) desse grupo passou de 1,03% em dezembro para 1,99% em janeiro, de acordo com dados divulgados hoje (7) pelo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Entre os destaques estão o tomate (26,15%), a batata-inglesa (20,58%), a cebola (14,25%), as hortaliças (10,86%) e a cenoura (9,83%).

O principal impacto no IPCA do mês, no entanto, veio de despesas pessoais, cuja taxa ficou em 1,55%, ante 1,6%. O item cigarros, que teve aumento do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), subiu 10,11%, exerceu o principal impacto individual, e foi responsável por 0,09 ponto percentual do índice.

Dentre as cidades pesquisadas, Belém (1,06%) foi a que registrou maior inflação, devido à alta no preço do alimentos (2,93%). O menor resultado do IPCA foi o de Brasília (0,46%), devido à queda de 1,42% nas passagens aéreas e de itens como os ônibus interestaduais (-3,06%).

As despesas com habitação apresentaram queda de 0,20%, após alta de 0,63% em dezembro, influenciada, segundo o estudo, pela redução das contas de energia elétrica. Já o automóvel novo ficou 1,41% mais caro, o terceiro item de maior impacto individual no mês (0,05 ponto percentual).

O grupo saúde e cuidados pessoais registrou inflação de 0,73% em janeiro, ante 0,40% em dezembro. No caso de artigos de residência, a taxa atingiu 1,15% e superou a de dezembro (0,27%).

Em educação, a taxa passou de 0,19% em dezembro para 0,35% em janeiro. Já os índices dos grupos vestuário (de 1,11% para -0,53%), comunicação (de 0,03% para -0,08%) e habitação (de 0,63% para -0,20%) caíram em janeiro, o que fez com que a taxa dos produtos não alimentícios subissem menos, passando de 0,71% em dezembro para 0,50% em janeiro.

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980. O índice se refere às famílias com rendimento monetário de um a 40 salários mínimos e abrange nove regiões metropolitanas, além de Goiânia e de Brasília. (da Agência Brasil, Flávia Villela)



Últimas

2020/04/07 » Autônomo pode baixar aplicativo a partir de hoje para renda de R$ 600
2020/04/07 » OMS alerta sobre afrouxar medidas contra coronavírus cedo demais
2020/04/07 » Ministério define novas orientações sobre distanciamento social
2020/04/06 » Saiba como cadastrar e usar a CNH digital
2020/04/06 » MEC autoriza antecipar formatura de alunos da área de saúde
2020/04/06 » Mercado financeiro prevê queda de 1,18% da economia este ano
2020/04/06 » ONU pede proteção a mulheres e crianças vítimas de violência doméstica
2020/04/06 » Cidades com mais de 50 mil habitantes começam a usar pregão eletrônico
2020/04/06 » Aplicativos devem garantir assistência a entregadores de alimentos
2020/04/03 » Governo zera impostos de produtos usados no combate ao coronavírus
2020/04/03 » Novo coronavírus traz novos desafios para cuidadores de idosos
2020/04/02 » Auxílio emergencial é publicado e governo abre crédito de R$ 98 bi
2020/04/02 » Medidas contra coronavírus custarão R$ 224,6 bi para o governo
2020/04/02 » Cientistas chineses anunciam descoberta contra covid-19
2020/04/02 » Covid-19: governo aprova medidas para área da assistência social
2020/04/02 » Senado aprova extensão de auxílio de R$ 600 a mais de 30 categorias
2020/04/02 » Bolsonaro sanciona MP da renda básica emergencial
2020/04/02 » Empresas têm 30 dias para se cadastrar na plataforma consumidor.gov.br
2020/04/02 » Governo prorroga prazo de entrega da declaração do IR por dois meses
2020/04/01 » Governo anuncia R$ 200 bilhões para socorrer trabalhadores e empresas

Ver mais »