Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Mercado brasileiro de beleza supera informalidade e já é o terceiro em importância 14/02/2013

São Paulo - O mercado brasileiro de beleza está em terceiro lugar no mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos e o Japão. A profissão de cabeleireiro normalmente nascia na informalidade, por influência de alguém da família que atuava na área.

Há pelo menos cinco anos, um número expressivo de pessoas sem opção de trabalho resolveu entrar nesse mercado devido ao retorno rápido e à fácil capacitação. A explicação foi dada por Carlos Oristânio, coordenador do curso de estética e cosmética da Universidade Cruzeiro do Sul, primeira instituição no estado de São Paulo a ter um curso de graduação voltado para a área.

“Pessoas que têm algum tipo de dificuldade de colocação e recolocação são as que chegam ao mercado de beleza. Vulnerável, esse mercado não está sujeito a regulamentação, o que incentiva qualquer pessoa que queira fazer um curso de três meses a aprender a cortar cabelo e montar um salão. Há dez, 15 salões em cada quarteirão. Esses profissionais sabem a profissão, mas não são bem qualificados”, disse. Com o curso de graduação em formação profissional de cabeleireiro, o aluno sai formado não só na área técnica, mas como gestor.

Segundo Oristânio, com a existência de uma universidade, as escolas e os centros técnicos começaram a melhorar seus cursos e a qualificação dos alunos. “O momento do mercado é de melhoria da qualificação das pessoas, que estão tendo mais interesse nisso. Até porque há uma cobrança maior dos próprios clientes”. De acordo com o coordenador do curso, antes da universidade os interessados iam às escolas e passavam por três passos - o lavatório, as tesouras e os tipos de corte, “Quando fazia isso, formava esse cabeleireiro. Hoje, isso não é suficiente. Há vários artigos científicos que mostram a evolução da profissão”.

Profissional da área há 12 anos e influenciada por uma família que atua no ramo da beleza, Jaqueline Ribeiro da Silva está formada na universidade desde 2009. Ela contou que fez a graduação por querer mais conhecimento do que as escolas técnicas poderiam lhe dar. “Eu já havia feito vários cursos na área, mas sentia necessidade de algo mais, de pegar um produto de tratamento e entender a composição. Eu tinha necessidade de ter algo mais do que a técnica básica”.

Jaqueline disse que a carreira mudou radicalmente depois da graduação. “As possibilidades de trabalho aumentaram, mudou a minha visão, o modo de enxergar minha cliente com sua individualidade para compor o visual sem ficar engessada a uma tendência do momento. Aprendi a dar uma consultoria melhor, que é o que falta em muitos profissionais”.

Aluna do quinto semestre do curso, Eudiane da Silva Souza Merer, será graduada no fimdo ano. Disse que antes de entrar na universidade já trabalhava como cabeleireira e procurou se graduar por não achar o curso técnico suficiente. “Infelizmente, quando fiz o curso já senti e hoje, na universidade, posso disser isso sem dúvida. O conhecimento é muito vago nos cursos que focam só na execução. Na graduação, a compreensão é mais aprofundada”.

Na avaliação da coordenadora administrativa do Instituto Loreal, Lidia Leya Saporito, os cursos técnicos atuais passaram a preparar melhor os profissionais para que eles possam acompanhar as exigências do mercado. “O mercado de beleza mudou: hoje é um negócio. E exige muito mais do que apenas saber cortar cabelo. É preciso ter um conhecimento mais aprofundado, saber atender a cliente. Isso é superimportante”.

Lidia concorda que muitos cabeleireiros que abrem salões não estão preparados como deviam, o que atribui à influência dos cursos antigos, mais básicos. “Antes, para ter um conhecimento diferenciado, era preciso sair do país para estudar. Hoje, a profissão é reconhecida e o conhecimento que se adquire lá fora pode ser adquirido tanto ou melhor aqui no Brasil”. Lidia reforçou que o cliente mudou: está muito mais exigente e consumista em relação à aparência. Os que não se atualizarem ficarão para trás.

Lidia disse ainda que, para ter sucesso na profissão e conseguir manter um salão de beleza aberto, por exemplo, não basta conhecimento técnico, é preciso saber administrar o negócio, conhecer as questões burocráticas, saber comprar os produtos certos, gerir o estoque e saber usar os produtos adequadamente.

Patrícia Lima da Silva Loureiro Diniz, 30 anos. está na etapa final do curso intensivo que dura sete meses. Ela contou que viu a profissão como alternativa à carreira anterior, que não a satisfazia e foi motivo de várias doenças. A atração pela área e a influência familiar também pesaram na escolha. “Sempre gostei de mexer com cabelo, então me arrisquei na profissão e estou superbem. Quando procurei o curso queria algo que tivesse peso no mercado e que fosse suficiente para me tornar capacitada, para me formar, poder entrar em um salão e conseguir me desenvolver nele”.

Mesmo satisfeita com o curso, Patrícia acredita que ainda precisa se aperfeiçoar e buscar mais conhecimento para aprimorar o que já tem. “O curso é suficiente para iniciar na profissão, para entrar no mercado de trabalho. Como essa área se renova todos os dias, é preciso se atualizar, se especializar. Eu já estou trabalhando e muito feliz com a escolha”, disse. (da Agência Brasil, Flávia Albuquerque)



Últimas

2020/12/04 » Receita Federal e Banco do Brasil iniciam arrecadação com Pix
2020/12/04 » Desentendimento político interrompe reforma tributária, diz Guedes
2020/12/04 » Pix tem 100 milhões de chaves registradas
2020/12/03 » Concessões de aeroportos, rodovias, portos e ferrovias entram no PPI
2020/12/03 » PPI tem 115 ativos para leilões e projetos de concessão em 2021
2020/12/03 » Venda de veículos automotores aumenta 0,45% de outubro para novembro
2020/12/03 » Produção industrial cresceu 1,1% em outubro, diz IBGE
2020/12/02 » CNI: produtividade do trabalho na indústria cresce 8% no 3º trimestre
2020/12/02 » Balança comercial registra superávit de US$ 3,73 bi em novembro
2020/12/02 » CNA prevê aumento da produção do agronegócio no próximo ano
2020/12/02 » População desocupada atinge 13,76 milhões em outubro
2020/12/01 » Ipea: investimentos têm alta de 3,5% em setembro
2020/12/01 » Contas públicas registram saldo positivo após oito meses de déficit
2020/12/01 » Estimativa do mercado financeiro para a inflação sobe para 3,54%
2020/11/30 » ANP retoma a 17ª Rodada de Licitações
2020/11/30 » Corretoras poderão atuar com pagamentos de boletos a partir de janeiro
2020/11/30 » Confiança da indústria atinge maior valor em dez anos, diz FGV
2020/11/30 » Fiscalização do Procon-SP registra infração em 70% de lojas visitadas
2020/11/30 » Taxa de desemprego passa de 13,3% para 14,6% no terceiro trimestre
2020/11/30 » Inflação do aluguel sobe e acumula 24,52% em 12 meses

Ver mais »