Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Centrais sindicais querem que parte das horas extras das domésticas seja compensada em dinheiro 05/06/2013

Brasília - O autor do projeto de lei que regulamenta o trabalho doméstico, senador Romero Jucá (PMDB-RR), recebeu ontem (4) as propostas das centrais sindicais. A principal delas, que deve ser acatada pelo senador, trata da contagem de horas extras e a formação de um banco de horas. Os sindicalistas querem que seja estabelecido um mínimo de 40 horas extras mensais, compensadas em dinheiro. As horas trabalhadas, além desse limite, irão para o banco de horas para compensação em folgas. Ou seja, somente a partir da quadragésima primeira hora trabalhada, além da jornada mensal prevista na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) – 44 horas semanais ou 176 horas por mês - é que começará a ser formado um banco para folgas.

“A proposta seria pagar as primeiras duas horas extras [diárias]. No banco de horas, as primeiras 40 horas mensais seriam pagas como hora extra, e o restante das horas seria compensado no banco de horas em um prazo trimestral”, disse Jucá após a reunião com a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, União Geral dos Trabalhadores (UGT) e a Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB). O senador declarou ainda que irá analisar a proposta e avaliar o impacto dela no orçamento das famílias. Além disso, acha que a compensação em um prazo até três meses pode ser complicado por causa de períodos de férias. Por isso, se acatar a sugestão, ele tende a manter o prazo máximo para usufruto do banco de horas em 12 meses.

Outras propostas dos sindicalistas tendem a ser aceitas pelo autor do projeto. Eles querem que a divisão do período de férias ocorra em até duas vezes e não em até três vezes como previa a proposta original do senador. E também que o nome do banco de horas seja alterado para Sistema de Regulação de Compensação de Horas Extras.

Há pontos, no entanto, que já foram rechaçados por Romero Jucá. Os sindicalistas queriam que a regulamentação do trabalho de diaristas estabelecesse um vínculo empregatício quando houver serviços prestados a partir de duas vezes por semana. O senador disse que manterá em seu texto que o vínculo só começará a contar a partir de três vezes por semana. “Dois dias é uma forma de garantir o trabalho da diarista sem uma precarização do trabalho. A partir de dois dias, fica claro que passa a ter vínculo”, disse o senador.

Os sindicalistas também pediram que a poupança formada pelo excedente de 3,2% na contribuição do empregador para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) seja revertido ao Fundo de Amparo ao Trabalhador ou à Previdência Social em caso de demissão com justa causa, mudando o texto de Jucá. O texto original do projeto apresentado pelo senador prevê que os patrões irão pagar 11,2% de FGTS e não 8% como as empresas em geral pagam. O excedente ficará em uma conta separada no fundo para garantir a indenização do empregado em caso de demissões sem justa causa, uma vez que o projeto de Jucá extingue a multa de 40% a ser paga pelo empregador. O senador havia proposto inicialmente que o valor da indenização retorne ao patrão se a demissão ocorrer por justa causa – casos de crimes ou violência cometida contra membros da família, por exemplo.

“Eles alegam que o empregador vai recolher um percentual menor ao INSS, que vai ser reduzido de 12% para 8%. Eles entendem que a sociedade já pagou pelo excedente do FGTS e, portanto, seria justo que esse recurso retornasse para a sociedade”, explicou Jucá. A proposta ainda vai ser analisada pelo senador que não sabe se há viabilidade técnica de transferir recursos de um fundo para o outro.

Ao sair da reunião com Jucá, a presidenta da Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas, que é ligada à CUT, Creuza Maria de Oliveira, disse estar satisfeita com a negociação. Apesar de não ter algumas reivindicações atendidas, ela considerou o encontro “positivo”. “O que não conseguimos agora nós vamos continuar lutando, vamos cobrar dos parlamentares, das centrais sindicais para tentarmos avançar em outro momento”, disse a sindicalista.

Romero Jucá vai estudar a viabilidade das propostas apresentadas até hoje (5), quando deverá fechar o texto final que será entregue ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e, em seguida, remetido à comissão especial mista que analisa o projeto. A expectativa é de o texto ser votado na quinta-feira (6). (da Agência Brasil, Mariana Jungmann)



Últimas

2021/04/20 » Governo destinará até R$ 15 bi para relançar BEm e Pronampe
2021/04/20 » Atividade econômica cresce 1,7% em fevereiro, diz BC
2021/04/20 » Mercado financeiro prevê inflação em 4,92% neste ano
2021/04/19 » O que é Ibovespa
2021/04/19 » Setor energético terá investimentos de R$ 3 tri até 2030, diz ministro
2021/04/19 » Banco Central altera norma para segunda fase do open banking
2021/04/16 » Serviços registram crescimento de 3,7% em fevereiro, diz IBGE
2021/04/16 » LDO de 2022 destravará gastos com obras em caso de atraso no Orçamento
2021/04/16 » Projeto da LDO prevê crescimento de 2,5% para o próximo ano
2021/04/16 » Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 em 2022, sem aumento real
2021/04/16 » Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias
2021/04/16 » IGP-10 acumula inflação de 31,74% em 12 meses, diz FGV
2021/04/15 » Abertura de empresas bate recorde em 2020, diz Serasa
2021/04/15 » Indicador Antecedente tem queda de 2,2% em março, revela FGV
2021/04/15 » Vendas nos supermercados têm alta de 5,18% em fevereiro
2021/04/15 » Economia abre consulta pública para debater nova Lei de Licitações
2021/04/15 » Impacto da pandemia é maior para trabalhadores jovens, diz Ipea
2021/04/15 » Confiança do empresário cai pelo quarto mês seguido, diz CNI
2021/04/14 » Mais de 620 mil micro e pequenas empresas foram abertas em 2020
2021/04/14 » Inflação acelera para todas as faixas de renda em março, diz Ipea

Ver mais »