Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Associação Brasileira de Bebidas avalia positiva discussão sobre nova fórmula da cerveja 22/08/2013

Brasília – A Associação Brasileira de Bebidas (Abrabe) manifestou-se ontem (21) avaliando como positivas as discussões com o governo sobre a nova fórmula da cerveja, que permitirá a adição de matérias-primas como leite e mel à bebida. Segundo nota divulgada pela entidade, a proposta de nova regulamentação apresentada terça-feira (20) pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ao setor privado promove a modernização da legislação sobre o produto.

Em comunicado à imprensa, a Abrabe destaca que “a maioria dos pontos [discutidos com o governo] foi convergente e favorece a inovação no setor”. Segundo a associação, a mudança na regulamentação favorece o desenvolvimento de produtos locais e a competitividade. A entidade ressalta, no entanto, a falta de consenso sobre parte dos temas discutidos.

O texto para instrução normativa sugerido pelo governo não é definitivo e ainda será objeto de consulta pública, que deve ocorrer até o fim deste ano. Esta será a última etapa das discussões da fórmula da cerveja no Brasil. Depois, o assunto será debatido no Mercosul, pois a bebida é um dos produtos que devem ter padrão de identidade e qualidade harmonizado entre os países do bloco. A expectativa é que as mudanças só entrem em vigor no Brasil a partir de 2015.

Uma das questões que seguem em aberto no debate é o percentual de cevada maltada na fórmula da cerveja. Segundo o Ministério da Agricultura, parte do setor privado quer a redução da quantidade obrigatória de 55% para 50%, o que permitira a adição maior de cereais como arroz e milho e diminuiria o custo da matéria-prima. O governo é contrário à proposta, que pode ser retomada durante a consulta pública.

Houve consenso entre governo e cervejeiros quanto à adição de matérias-primas de origem animal, como leite e mel (hoje são permitidos apenas sucos vegetais), a possibilidade de envelhecimento da cerveja e a substituição do lúpulo por ervas aromáticas em algumas variedades da bebida. Como o lúpulo confere amargor ao produto, a alteração pode criar sabores mais suaves.

A Abrabe representa grandes, médias e microcervejarias. A Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil), que ontem havia pedido tempo para emitir seu posicionamento sobre a proposta do governo, informou hoje que não se manifestará antes da consulta pública. (da Agência Brasil, Mariana Branco)



Últimas

2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos
2020/10/22 » Opas: América Latina não deve relaxar enfrentamento à pandemia
2020/10/22 » Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020
2020/10/21 » Setor mineral brasileiro tem resultado positivo no 3º trimestre
2020/10/21 » Decreto inclui Linha 2 do metrô de BH em programa de privatizações
2020/10/21 » Não investir no Brasil será um grande erro, afirma ministro
2020/10/21 » Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em 12 meses
2020/10/20 » Pacote comercial abre caminho para acordo mais amplo, diz governo
2020/10/20 » SP:acordo da ANTT permite investimento de R$ 6 bi em malha ferroviária
2020/10/20 » Como fazer a amortização do FGTS pelo celular
2020/10/19 » Comércio eletrônico e delivery aumentam consumo de embalagens
2020/10/19 » Doria apresenta plano de retomada econômica de São Paulo
2020/10/19 » Produção brasileira de aço cresce 7,5% em setembro
2020/10/16 » Indicador antecedente da economia brasileira cresce 1,2% em setembro
2020/10/16 » Atividade econômica tem alta de 1,06% em agosto, diz Banco Central
2020/10/16 » Rebanho bovino cresce em 2019, influenciado pelo cenário externo
2020/10/15 » Produção de motocicletas aumenta 13,1% em setembro
2020/10/15 » Ministério entrega à Presidência projeto de privatização dos Correios
2020/10/15 » Programa de suspensão de contrato e redução de jornada é prorrogado
2020/10/14 » Guedes defende reformas e rigor fiscal pós-pandemia a comitê do FMI

Ver mais »