Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Saldo negativo das contas externas em julho é o maior para o mês 23/08/2013

Brasília – O saldo negativo das transações correntes, que são operações de compra e venda de mercadorias e serviços do país com o resto do mundo, de US$ 9,018 bilhões, em julho, é o mais elevado para o período. A série histórica do Banco Central (BC) começou em 1947.

Nos sete meses do ano, o saldo negativo das transações correntes ficou em US$ 52,472 bilhões, contra US$ 28,990 bilhões em igual período de 2012. Esse resultado correspondeu a 3,95% de tudo o que o país produz – Produto Interno Bruto (PIB). No mesmo período do ano passado, essa relação estava em 2,24%.

O chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, ressaltou que, apesar do crescimento, o saldo negativo é coberto, principalmente, do investimento estrangeiro direto. Esse investimento, que vai para o setor produtivo da economia, chegou a US$ 5,212 bilhão, em julho, e a US$ 35,239 bilhões, nos sete meses do ano.

“É a melhor forma de financiar o déficit em transações correntes [por ser de longo prazo]. Mas existem outras fontes que continuam fluindo favoravelmente”, disse Maciel.

O país também recebeu investimentos estrangeiros em ações negociadas no Brasil e no exterior que registraram ingresso líquido de US$ 269 milhões, em julho, e de US$ 6,547 bilhões, nos sete meses do ano. Também houve investimentos em títulos de renda fixa negociados no país, com ingresso líquido de US$ 4,235 bilhões, no mês passado, e de US$ 15,272 bilhões.

Maciel disse ainda que, se alta do dólar persistir, o déficit em transações correntes tende a se reduzir. Um dos itens dessa conta de transações correntes é viagem internacional. “Se persistir esse câmbio, é possível que tenhamos reações em algumas contas de transações correntes”, destacou.

Com o dólar em alta, a expectativa é que, nos próximos meses, os gastos de brasileiros em viagens internacionais se reduzam.

Também há estimativa de redução das importações. “As importações de bens de consumo tendem a reagir de forma mais rápida, nos próximos meses”, disse Tulio Maciel.

Segundo Maciel, as remessas de lucros e dividendos ao exterior também tendem a reagir, já que com o dólar mais alto fica mais caro enviar os recursos para fora do país. (da Agência Brasil, Kelly Oliveira)



Últimas

2020/10/28 » Apoio emergencial do BNDES a empresas na pandemia alcança R$ 105 bi
2020/10/28 » Programa para ampliar produtividade das empresas é retomado
2020/10/28 » Confiança da construção cresce 3,7 pontos em outubro, diz FGV
2020/10/27 » Guedes diz que acordos políticos dificultam privatizações
2020/10/27 » CMN aprova regulação simplificada para projetos inovadores
2020/10/27 » Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 2,99%
2020/10/26 » Contas externas têm em setembro sexto mês seguido de saldo positivo
2020/10/26 » Petrobras inicia venda de campos terrestres em Sergipe
2020/10/26 » Banco Central registra recorde de remessas de dólares para o Brasil
2020/10/23 » Ministério da Infraestrutura entregará planos de logística até 2050
2020/10/23 » OMS: risco de pegar covid-19 em aviões é "muito baixo", mas não zero
2020/10/23 » Cresce pauta sobre home office nas negociações trabalhistas
2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos
2020/10/22 » Opas: América Latina não deve relaxar enfrentamento à pandemia
2020/10/22 » Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020
2020/10/21 » Setor mineral brasileiro tem resultado positivo no 3º trimestre
2020/10/21 » Decreto inclui Linha 2 do metrô de BH em programa de privatizações
2020/10/21 » Não investir no Brasil será um grande erro, afirma ministro
2020/10/21 » Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em 12 meses
2020/10/20 » Pacote comercial abre caminho para acordo mais amplo, diz governo

Ver mais »