Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Diretor do BC diz que alta dos juros deve desestimular busca de crédito por famílias e empresas 30/08/2013

Brasília – As taxas de juros mais altas para famílias e empresas devem ser fator de desestímulo à tomada de crédito, disse ontem (29) o chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Tulio Maciel. A taxa para as famílias (pessoas físicas) subiu 0,9 ponto percentual e passou para 25,1% ao ano, de junho para julho. A alta para as empresas (pessoas jurídicas) chegou a 0,3 ponto percentual e está em 14,4% ao ano.

Nas operações de crédito com recursos livres, com alta de 1,4 ponto percentual, a taxa subiu para 36,2% ao ano, para pessoas físicas. Para as empresas, a taxa passou para 20% ao ano, com alta de 0,6 ponto percentual. Maciel destacou que a alta dos juros ocorre devido ao ciclo de aumento da taxa básica de juros da economia (Selic).

Apesar de esperar menos interesse pelo crédito, por causa da alta dos juros, Maciel acredita que os financiamentos continuem como “instrumentos do crescimento econômico”. “É natural que taxas de juros mais elevadas impliquem desestímulo à tomada de crédito”, disse ele. Em setembro, o BC vai divulgar, como sempre faz a cada três meses, novas projeções para o crescimento do crédito no país.

Maciel ressaltou, entretanto, que o crédito voltado para investimentos continuará crescendo. Ele citou o crédito direcionado, que, este ano, “abrange duas modalidades mais fortes”, que são os empréstimos feitos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e os liberados para financiar a habitação. Tais modalidades, disse ele, "puxam o crédito e estão concentradas em bancos públicos”.

“O crédito livre também tem aumentado ao longo do ano, mas em ritmo menor que o direcionado”, destacou Maciel. O saldo das operações de crédito com recursos livres (R$ 1,444 trilhão) ficou estável em julho em relação ao mês anterior. Em 12 meses encerrados em julho, houve expansão de 9,2%. Já o saldo do crédito direcionado (R$ 1,101 trilhão) teve crescimento de 1,3% no mês e de 26,6%, em 12 meses.

Para Maciel, a estabilidade do crédito livre em julho pode estar associada ao ciclo produtivo das empresas. Segundo ele, em julho, ainda não tinha começado o ciclo mais forte da produção industrial, que ocorre a partir de setembro, para suprir o comércio em momento de aumento de vendas, característica de final de ano. Maciel citou também a produção agrícola, que se inicia em agosto. Outro fator que pode ter influenciado no resultado é a queda da confiança, tanto de tomadores de crédito quanto dos bancos, após as manifestações de protesto no final de junho. “Isso pode ter sido fator adicional na medida que deixa tanto tomadores quanto os bancos mais cautelosos em ambiente que a confiança recuou.”

Os dados do BC, divulgados hoje, mostram ainda que o spread (diferença entre a taxa de captação de recursos pelos bancos e a de empréstimos aos cliente) do crédito com recursos livres subiu 1,3 ponto percentual para as famílias de junho para julho. Para as empresas, houve alta de 0,6 ponto percentual. No caso do crédito direcionado, houve queda de 0,2 ponto percentual para as famílias e de 0,1 ponto percentual para as empresas.

Maciel explicou que o spread é influenciado pela inadimplência, pelos tributos, pelos lucros dos bancos e pelo risco. “O spread vinha caindo, acompanhou a inadimplência. [Mas] julho é um mês em que tivemos queda na confiança e isso torna tanto tomadores quanto bancos mais cautelosos na concessão. Além disso, em julho, já houve um cenário internacional com um pouco mais de movimentação em termos de taxas de juros.”

De junho para julho, a taxa de inadimplência de empresas e famílias caiu 0,1 ponto percentual e ficou em 3,3%, o menor nível da série histórica iniciada em 2011. (da Agência Brasil, Kelly Oliveira)



Últimas

2020/12/03 » Concessões de aeroportos, rodovias, portos e ferrovias entram no PPI
2020/12/03 » PPI tem 115 ativos para leilões e projetos de concessão em 2021
2020/12/03 » Venda de veículos automotores aumenta 0,45% de outubro para novembro
2020/12/03 » Produção industrial cresceu 1,1% em outubro, diz IBGE
2020/12/02 » CNI: produtividade do trabalho na indústria cresce 8% no 3º trimestre
2020/12/02 » Balança comercial registra superávit de US$ 3,73 bi em novembro
2020/12/02 » CNA prevê aumento da produção do agronegócio no próximo ano
2020/12/02 » População desocupada atinge 13,76 milhões em outubro
2020/12/01 » Ipea: investimentos têm alta de 3,5% em setembro
2020/12/01 » Contas públicas registram saldo positivo após oito meses de déficit
2020/12/01 » Estimativa do mercado financeiro para a inflação sobe para 3,54%
2020/11/30 » ANP retoma a 17ª Rodada de Licitações
2020/11/30 » Corretoras poderão atuar com pagamentos de boletos a partir de janeiro
2020/11/30 » Confiança da indústria atinge maior valor em dez anos, diz FGV
2020/11/30 » Fiscalização do Procon-SP registra infração em 70% de lojas visitadas
2020/11/30 » Taxa de desemprego passa de 13,3% para 14,6% no terceiro trimestre
2020/11/30 » Inflação do aluguel sobe e acumula 24,52% em 12 meses
2020/11/27 » Volta de cobrança do IOF sobre crédito renderá cerca de R$ 2 bi
2020/11/27 » Indústrias do Mercosul e da UE pedem urgência para acordo comercial
2020/11/27 » Indústria paulista mantém expansão no ano apesar de queda em outubro

Ver mais »