Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
IBGE: São Paulo, Rio e Brasília têm as principais redes de gestão do território 16/04/2014

São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília são as cidades que concentram as principais redes de gestão do território nacional. A constatação está no estudo Redes e Fluxos do Território: Gestão do Território, que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), está lançando hoje (16) com o mapeamento do país do ponto de vista da centralização municipal das ligações entre sedes e filiais de empresas e entre instituições públicas de abrangência nacional.

A pesquisa analisa a existência de relações entre os municípios a partir de dois parâmetros, o Estado e o mercado - reconhecidos como as duas instituições com o maior poder estruturador do espaço. Os técnicos do instituto chegaram à conclusão de que as principais redes de gestão do país estão centralizadas nas cidades de São Paulo e Brasília, “a primeira com forte peso no mercado e a segunda abarcando as sedes das instituições públicas”. O Rio de Janeiro constitui um segundo nível de centralização, “ao combinar os dois tipos de rede: empresarial e estatal”.

 

São Paulo - Participantes da 7 edição da Campus Party Brasil chegam ao Parque Anhembi. Estão programados mais de 500 horas de palestras, debates e oficinas sobre o mundo da Internet (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Serviços avançados prestados em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília são responsáveis pela conectividade das cidades à economia globalMarcelo Camargo/Agência Brasil

O estudo indica, ainda, que, em 2011, a cidade de São Paulo tinha comando sobre 1.442.425 funcionários externos ligados à gestão empresarial (lotados em filiais situadas fora do limite municipal de suas matrizes), dos quais 39% se concentram nos limites do estado de São Paulo e 61% em outros estados.

A cidade do Rio de Janeiro tinha 580.019 (sendo que 75.460 estavam lotados em São Paulo) e Brasília, 390.775, atuando de forma mais dispersa em todo o país. As cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, cada qual, disponibilizavam 97,8% das variedades de negócios classificados como serviços avançados de apoio às empresas no país (serviços ligados a atividades de alto valor agregado de natureza administrativa, contábil, jurídica, financeira e de publicidade).

De acordo com o IBGE, esses serviços "são as atividades responsáveis pela conectividade das cidades à economia global, realizando atividades de alto valor agregado, incorporando um forte componente informacional e de conhecimento".

No total, pouco mais de 70% das firmas com filiais no município de São Paulo e sediadas fora de seus limites têm matrizes na Região Sudeste e 49% delas estão situadas no próprio estado de São Paulo.

Já nas conexões empresariais entre as cidades, dos 30 pares de maior intensidade, 24 são de São Paulo com outros municípios. A ligação de maior intensidade é entre São Paulo e Rio de Janeiro, seguida pela de São Paulo com Porto Alegre.

O levantamento indica que apenas 39,6% dos municípios brasileiros se qualificaram como centros de gestão, ou seja, detêm algum nível de centralização das redes de ligações intermunicipais; os outros 60,4%, ou não têm entidades das instituições selecionadas ou não se conectam à estrutura de ligação das sedes e filiais de companhias.

O estudo envolve sete instituições federais de presença relevante na estruturação territorial do país: Ministério do Trabalho, Secretaria da Receita Federal, Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Justiça Federal, tribunais regionais eleitorais, tribunais regionais do Trabalho e o próprio IBGE.

Segundo o IBGE, a interpretação dos padrões de gestão do território baseou-se em uma dupla base de dados independentes, representantes das formas com que o Estado (usando como referência o ano de 2013) e o mercado (com referência de 2011) organizam o espaço: a gestão pública, do ponto de vista das instituições federais, e a gestão empresarial, sob a ótica das ligações entre sedes e filias de companhias. (da Agência Brasil, Nielmar de Oliveira)



Últimas

2021/01/27 » Pandemia e fim dos auxílios podem reverter retomada econômica
2021/01/27 » Confiança na construção civil recua depois de seis altas, diz FGV
2021/01/27 » Confiança do consumidor cai pelo quarto mês consecutivo
2021/01/27 » Custo da construção sobe 0,93% em janeiro, anuncia a FGV
2021/01/26 » Micro e pequenas empresas têm até sexta-feira para aderir ao Simples
2021/01/26 » Queda na arrecadação foi “resultado excelente”, diz Guedes
2021/01/26 » Confaz divulga nova tabela de preços médios de combustíveis
2021/01/25 » Pendências com o Simples atingem quase dois terços das empresas
2021/01/25 » Cepal: exportações da América Latina e do Caribe caíram 13% em 2020
2021/01/25 » Brasileiros acreditam que inflação será de 5,2% nos próximos 12 meses
2021/01/25 » Como contribuir para o INSS por conta própria
2021/01/25 » Como contribuir para o INSS por conta própria
2021/01/22 » Emprego cresce na indústria em um movimento atípico para dezembro
2021/01/22 » Monitor do PIB aponta alta de 1,1% na atividade econômica em novembro
2021/01/22 » Pesquisa da Conab indica queda na produção nacional de café em 2021
2021/01/21 » Entidades consideram acertada manutenção da Selic em 2% ao ano
2021/01/21 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2021/01/21 » Governo federal lança sistema para simplificar a abertura de empresas
2021/01/20 » ANP regulamenta indicação de áreas para exploração de petróleo e gás
2021/01/20 » Bancos Inter, Itaú e Caixa lideram ranking de reclamações ao BC

Ver mais »