Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Crise melhorou proteção à maternidade em países desenvolvidos 13/05/2014

Apesar de cerca de 830 milhões de mulheres em todo o mundo não terem a maternidade protegida no trabalho, alguns países desenvolvidos avançaram na área por causa da crise econômica global. De acordo com estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT), a mesma crise que deteriorou as condições de trabalho em alguns lugares trouxe mudanças positivas em relação a políticas de trabalho adotadas por nações que ampliaram as políticas sociais para estimular a economia.

Em países como Austrália, França, Alemanha, Noruega, Polônia e Eslováquia houve o aumento do suporte às famílias durante a crise por meio do acesso a educação básica e à saúde, do crédito facilitado e da ampliação das licenças-maternidade e paternidade. “Isso foi uma medida anticíclica que preveniu a deterioração das condições de vida para essas mulheres e suas famílias”, disse Laura Addat, uma das autoras do documento.

Para combater as lacunas de proteção à maternidade e à paternidade, a OIT recomenda que os países adotem leis inclusivas, implementem políticas públicas para proteção efetiva e universal, além de facilitarem o acesso à saúde materna e à segurança de renda no momento do nascimento como parte das garantias básicas de segurança social.

Outras recomendações são prevenir e eliminar a discriminação contra homens e mulheres com responsabilidades familiares, criar um ambiente de trabalho em que haja cultura de equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e reduzir os custos dos pagamentos (pelos empregadores) de benefícios da maternidade e da paternidade aos empregadores por meio do financiamento público.

No Brasil, as mulheres têm direito a quatro meses de licença-maternidade remunerada (16 semanas) pelo sistema de Previdência Social, prorrogáveis por mais dois, caso o empregador permita. Em relação à licença-paternidade, são cinco dias corridos remunerados a partir do dia do nascimento do bebê. Os mesmos direitos são estendidos aos pais adotantes heterossexuais.

No caso de homens homossexuais, é concedida licença do trabalho, mas o salário-maternidade não era admitido. Recentemente, a Justiça brasileira concedeu a um pai homossexual adotante o direito de receber salário integral enquanto cuidava do filho. (da Agência Brasil, Carolina Sarres)



Últimas

2020/02/21 » Polícia Rodoviária Federal inicia Operação Carnaval nesta sexta-feira
2020/02/21 » Escolas de samba movimentam economia durante todo ano no Rio
2020/02/20 » Banco Central injeta R$ 135 bilhões na economia
2020/02/20 » Programa para fazer Declaração do Imposto de Renda já está disponível
2020/02/20 » Prévia da inflação oficial fica em 0,22% em fevereiro
2020/02/19 » Comissão Europeia quer criar mercado único de dados
2020/02/19 » Confiança da indústria cai em fevereiro depois de 3 altas seguidas
2020/02/19 » Confiança da indústria cresce 0,7 ponto na prévia de fevereiro
2020/02/18 » Economia segue em processo de recuperação gradual, diz BC
2020/02/18 » FGV: economia brasileira cresceu 1,2% em 2019
2020/02/18 » Rodovias terão estabelecimentos regulamentados para motoristas
2020/02/17 » Associação alerta motoristas sobre riscos no trânsito durante carnaval
2020/02/17 » Estimativa do mercado financeiro para inflação cai para 3,22%
2020/02/17 » Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil
2020/02/14 » Atividade econômica cresce 0,89% em 2019
2020/02/14 » Cerca de 25% dos desempregados procuram emprego há mais de dois anos
2020/02/14 » Taxa de desemprego cai em 16 estados, revela IBGE
2020/02/13 » Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre
2020/02/13 » Setor de Serviços fecha 2019 com crescimento de 1%
2020/02/13 » Coronavírus: subida exponencial de mortes e casos. O que mudou?

Ver mais »