Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Indicador de Clima Econômico da América Latina é menor que o mundial, diz FGV 14/05/2014

O Indicador de Clima Econômico (ICE) da América Latina é menor na comparação com o resto do mundo e mantém-se em uma zona desfavorável comparativamente aos outros continentes. A constatação é do indicador Ifo/FGV de Clima Econômico da América Latina (ICE), elaborado em parceria pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e o instituto alemão Ifo, tendo como fonte de dados a Ifo World Economic Survey (WES).

Enquanto o indicador, divulgado hoje pela FGV, aponta uma taxa de crescimento projetada para o mundo 2,5% em 2014, para a América Latina esta projeção é de 2,3%. Na avaliação dos técnicos que elaboraram o estudo, o pior desempenho refere-se à taxa de inflação esperada para a América Latina para este ano que é de 10,8%, enquanto que a taxa projetada para o mundo é de apenas 3,2%. Na América Latina, a Venezuela (55,6%) e Argentina (36,2%) lideram o ranking das maiores taxas de inflação, seguidos do Uruguai (8,4%), da  Bolívia (6,7%) e do Brasil (6,4%). 

Os dados do estudo indicam, por outro lado, que os resultados continuam favoráveis nos Estados Unidos e na União Europeia e pioram nos mercados emergentes da Ásia. De uma maneira geral,  o ICE mundial ficou relativamente estável ao cair de 114 para 113 pontos entre as sondagens de janeiro e abril.

O levantamento constatou melhora do ICE na União Europeia e nos Estados Unidos, onde as projeções apontam para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,6% e de 2,6%, respectivamente, para as taxas de inflação as projeções apontam taxas relativamente baixas: 1,4% para UE e 1,9% para os EUA. Para estas regiões, o desemprego continua sendo apontado como o principal problema.

A Sondagem de abril trouxe um cenário relativamente “otimista” para o mundo, com continuidade de recuperação nas economias desenvolvidas do Ocidente, mas ainda com incertezas associadas ao desempenho das economias emergentes da América Latina e também da Ásia.

São estas incertezas que levam a uma ligeira piora no ICE mundial associada principalmente ao desempenho dos principais países asiáticos - China e Japão. Na China o ICE recuou 18% e no Japão 15%, o que coloca ambos na zona desfavorável. Nestes países o ICE tem caído sistematicamente desde outubro de 2013.

A Sondagem aponta a desaceleração do crescimento da China e, principalmente, o redirecionamento de um modelo pautado no investimento intensivo em infra-estrutura baseado no estímulo ao consumo doméstico, como fator determinante envolvendo o desenvolvimento econômico dos países da América Latina: “os exportadores de commodities sul-americanas - Brasil, Chile, Colômbia e Peru – são os principais perdedores com esta mudança.

Assim como o número de problemas citados para estes países explicam a avaliação dos especialistas medida pelo ICE, as projeções para a taxa de crescimento econômico do PIB ( a soma de todas as riquezas produzidas) para 2014 também refletem esta avaliação no Continente.

As menores taxas de crescimento são estimadas para Venezuela (onde o PIB deverá cair 1,3%), a Argentina (+0,1%) e o Brasil (+1,7%); e as maiores taxas para Bolívia (6,0%), Peru (5,1%), Paraguai (4,9%) e Colômbia (4,4%).

Quando avalia o grupo de países do BRICs, o estudo indica que apenas a Índia registrou melhora no clima econômico e manteve-se na zona de avaliação favorável. Após melhorar entre outubro de 2013 e janeiro de 2014, o ICE da Rússia piorou neste último estudo ficando em - 24%, piora  que ocorre num período de acirramento das tensões políticas na região. Após a Rússia, o Brasil apresenta o mais baixo ICE entre o BRICS.

Enquanto na China apenas a falta de mão de obra qualificada é citada como um problema muito importante para o crescimento econômico, nos outros países a lista é extensa e inclui desde a “falta de confiança nas políticas do governo”, no caso do BRICs: passando por desemprego (Índia e África do Sul) e falta de competitividade (BRICs); até inflação e déficit público, nos casos do  Brasil e Índia.  O estudo concluí que  a exceção da China, outros países do BRICs teriam como agenda futura comum “a melhora da competitividade e promoção de instituições associadas a garantia de confiança nos governos”. (da Agência Brasil, Nielmar de Oliveira)



Últimas

2019/11/19 » Petrobras reajusta gasolina em 2,8% nas refinarias
2019/11/19 » Setor de infraestrutura tem feito "mais com menos", diz secretário
2019/11/19 » Déficit primário encerrará o ano abaixo de R$ 80 bilhões, diz Guedes
2019/11/18 » Instituições financeiras elevam expectativa de inflação para 3,33%
2019/11/18 » Com Selic em queda, poupança pode passar a render menos que a inflação
2019/11/14 » Atividade econômica cresce 0,91% no terceiro trimestre
2019/11/14 » Caixa e BB iniciam quinta fase de pagamento de abono do PIS/Pasep
2019/11/14 » Reformas vão tornar Brasil mais atrativo a negócios, diz Bolsonaro
2019/11/14 » Reformas vão tornar Brasil mais atrativo a negócios, diz Bolsonaro
2019/11/13 » Privatização da Eletrobras deve reduzir tarifas para os consumidores
2019/11/13 » Caixa reduz para 4,99% a taxa de juros do cheque especial
2019/11/13 » Ministro diz que reforma da Previdência já atrai investidores
2019/11/12 » Setor de serviços cresce 1,2% em setembro, aponta IBGE
2019/11/12 » Cresce apoio do BNDES a projetos de micro, pequenas e médias empresas
2019/11/12 » Países do Brics buscam investimentos privados para infraestrutura
2019/11/12 » Faturamento do mercado de seguros cresceu 18,6% em setembro
2019/11/11 » Brics fomenta cooperação entre economias emergentes há 13 anos
2019/11/11 » Impostos dificultam pequenos e médios negócios, dizem empresários
2019/11/11 » IBGE revisa PIB de 2017 de 1% para 1,3%
2019/11/08 » Indicador da FGV mostra dificuldade de reação do mercado de trabalho

Ver mais »