Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Um dia depois de condenação, Argentina tem nota da dívida rebaixada 18/06/2014

Um dia depois de ser condenada a pagar US$ 1,33 bilhão a credores norte-americanos, a Argentina teve a classificação da dívida soberana rebaixada. A agência de classificação de risco Standard & Poor's reduziu de CCC+ para CCC- a nota da dívida pública do país vizinho.

Em comunicado, a Standard & Poor's informou que rebaixou a nota por considerar que a condenação, pela Corte Suprema dos Estados Unidos, aumenta o risco de novo calote da dívida pública do país. “O governo da Argentina tem capacidade limitada de pagar os credores que entraram com a ação e, ao mesmo tempo, o serviço da dívida”, destacou o texto.

Na segunda-feira (16), a Corte Suprema dos Estados Unidos rejeitou os recursos do governo argentino para reverter as decisões de primeira e de segunda instância que obrigaram o país a pagar US$ 1,33 bilhão referentes ao calote da dívida pública em 2001. Entre 2005 e 2010, os governos de Néstor Kirchner e Cristina Kirchner propuseram um acordo de reestruturação da dívida não paga, que não foi aceito por 7% dos credores privados, que recorreram à Justiça norte-americana.

O governo argentino ameaçou manter a inadimplência. Em discurso em cadeia nacional ontem à noite, a presidenta Cristina Kirchner explicou que, apesar de a quantia ser relativamente baixa, o governo hesita em desembolsar o montante.

De acordo com Cristina, o cumprimento imediato da ordem da corte norte-americana abriria precedente para os grandes credores, que tinham aceitado o acordo de reestruturação, cobrarem dívidas de até US$ 15 bilhões, que equivalem a mais da metade das reservas do Banco Central do país. Hoje, o ministro da Economia argentino, Axel Kicillof, anuncia medidas para evitar que o país entre em default técnico – termo que, em economia, define o calote. (da Agência Brasil. Colaborou Monica Yanakiew, de Buenos Aires. Com informações da Télam)



Últimas

2020/07/09 » Novo site simplifica adesão ao acordo dos planos econômicos
2020/07/09 » Sebrae: cresce interesse por cursos a distância para empreender
2020/07/09 » Pandemia causou impacto em 57% das companhias exportadoras, revela CNI
2020/07/09 » Estimativa de junho prevê safra recorde de 247,4 milhões de toneladas
2020/07/09 » MEC anuncia que Enem será em 17 e 24 de janeiro de 2021
2020/07/08 » Confira pagamentos e tributos adiados ou suspensos durante pandemia
2020/07/08 » Câmara aprova MP que suspende cumprimento mínimo de dias letivos
2020/07/08 » Câmara aprova MP que permite reembolso de passagem aérea em até um ano
2020/07/08 » Covid-19: Senado aprova indenização a profissional afetado pela doença
2020/07/07 » Bolsonaro sanciona MP que criou programa de manutenção do emprego
2020/07/07 » Tecnologias da Embrapa ajudam Ceará a dobrar produção de algodão
2020/07/07 » Com aumento de mortes, Miami volta a fechar restaurantes
2020/07/06 » Saiba como estão os planos de retomada econômica em cada estado
2020/07/06 » Saiba como funcionam os testes para detectar a covid-19
2020/07/06 » Caixa deposita saque emergencial do FGTS para nascidos em fevereiro
2020/07/03 » Com digitalização de salas de aula, pandemia acentua exclusão escolar
2020/07/03 » Conheça resultado do maior estudo sobre a covid-19 no Brasil
2020/07/03 » Rendimento médio de brasileiros cai a 82% em maio devido à covid-19
2020/07/02 » Califórnia fecha bares e restaurantes na maior parte do estado
2020/07/02 » Isolamento social pode agravar castigos e palmadas, diz pesquisa

Ver mais »