Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Um dia depois de condenação, Argentina tem nota da dívida rebaixada 18/06/2014

Um dia depois de ser condenada a pagar US$ 1,33 bilhão a credores norte-americanos, a Argentina teve a classificação da dívida soberana rebaixada. A agência de classificação de risco Standard & Poor's reduziu de CCC+ para CCC- a nota da dívida pública do país vizinho.

Em comunicado, a Standard & Poor's informou que rebaixou a nota por considerar que a condenação, pela Corte Suprema dos Estados Unidos, aumenta o risco de novo calote da dívida pública do país. “O governo da Argentina tem capacidade limitada de pagar os credores que entraram com a ação e, ao mesmo tempo, o serviço da dívida”, destacou o texto.

Na segunda-feira (16), a Corte Suprema dos Estados Unidos rejeitou os recursos do governo argentino para reverter as decisões de primeira e de segunda instância que obrigaram o país a pagar US$ 1,33 bilhão referentes ao calote da dívida pública em 2001. Entre 2005 e 2010, os governos de Néstor Kirchner e Cristina Kirchner propuseram um acordo de reestruturação da dívida não paga, que não foi aceito por 7% dos credores privados, que recorreram à Justiça norte-americana.

O governo argentino ameaçou manter a inadimplência. Em discurso em cadeia nacional ontem à noite, a presidenta Cristina Kirchner explicou que, apesar de a quantia ser relativamente baixa, o governo hesita em desembolsar o montante.

De acordo com Cristina, o cumprimento imediato da ordem da corte norte-americana abriria precedente para os grandes credores, que tinham aceitado o acordo de reestruturação, cobrarem dívidas de até US$ 15 bilhões, que equivalem a mais da metade das reservas do Banco Central do país. Hoje, o ministro da Economia argentino, Axel Kicillof, anuncia medidas para evitar que o país entre em default técnico – termo que, em economia, define o calote. (da Agência Brasil. Colaborou Monica Yanakiew, de Buenos Aires. Com informações da Télam)



Últimas

2020/02/21 » Polícia Rodoviária Federal inicia Operação Carnaval nesta sexta-feira
2020/02/21 » Escolas de samba movimentam economia durante todo ano no Rio
2020/02/20 » Banco Central injeta R$ 135 bilhões na economia
2020/02/20 » Programa para fazer Declaração do Imposto de Renda já está disponível
2020/02/20 » Prévia da inflação oficial fica em 0,22% em fevereiro
2020/02/19 » Comissão Europeia quer criar mercado único de dados
2020/02/19 » Confiança da indústria cai em fevereiro depois de 3 altas seguidas
2020/02/19 » Confiança da indústria cresce 0,7 ponto na prévia de fevereiro
2020/02/18 » Economia segue em processo de recuperação gradual, diz BC
2020/02/18 » FGV: economia brasileira cresceu 1,2% em 2019
2020/02/18 » Rodovias terão estabelecimentos regulamentados para motoristas
2020/02/17 » Associação alerta motoristas sobre riscos no trânsito durante carnaval
2020/02/17 » Estimativa do mercado financeiro para inflação cai para 3,22%
2020/02/17 » Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil
2020/02/14 » Atividade econômica cresce 0,89% em 2019
2020/02/14 » Cerca de 25% dos desempregados procuram emprego há mais de dois anos
2020/02/14 » Taxa de desemprego cai em 16 estados, revela IBGE
2020/02/13 » Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre
2020/02/13 » Setor de Serviços fecha 2019 com crescimento de 1%
2020/02/13 » Coronavírus: subida exponencial de mortes e casos. O que mudou?

Ver mais »