Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Manutenção de incentivo fiscal tem pouco impacto sobre PIB, dizem especialistas 01/07/2014

Anunciada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, como essencial para manter o emprego e a produção no país, a prorrogação dos incentivos fiscais para as indústrias de veículos e de móveis é paliativa. Segundo especialistas ouvidos pela Agência Brasil, a manutenção das alíquotas reduzidas contribuirá pouco para reverter o baixo crescimento da economia.

Professor titular de economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Reinaldo Gonçalves acredita que as desonerações setoriais são ineficazes, tanto no curto como no longo prazo. “São medidas que beneficiam apenas setores da economia com poder político para pressionar o governo, mas trazem pouco benefício para a sociedade”, diz.

No caso da desoneração dos automóveis, o professor ressalta que a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) prejudica a mobilidade urbana, porque o governo abre mão de recursos que poderiam estar sendo investidos na estrutura de transporte coletivo. “O Brasil está cheio de automóveis. No longo prazo, os incentivos não fazem sentido. No curto prazo, os estímulos pouco ajudarão o PIB [Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas no país] por causa da escassez de crédito e do endividamento da população”, destaca.

Professor da Escola de Economia da Fundação Getulio Vargas de São Paulo (FGV-SP), Samy Dana também critica as desonerações setoriais. Segundo ele, as medidas ajudam apenas alguns empresários, sem resolver problemas estruturais da economia. “As desonerações transferem muito pouco [crescimento] para o PIB. São medidas apenas pontuais, que contribuem de forma limitada para melhorar a economia”, comenta.

Samy Dana diz que para tornar o Brasil competitivo e fazer a economia crescer de forma sustentada, o governo precisa resolver problemas estruturais. “Essa política de apagar incêndios não resolve muito. O ideal seria o país investir em infraestrutura e fazer uma reforma tributária que simplifique a legislação e reduza o peso dos tributos sobre a economia”, acrescenta. (da Agência Brasil, Wellton Máximo)



Últimas

2020/10/23 » Ministério da Infraestrutura entregará planos de logística até 2050
2020/10/23 » OMS: risco de pegar covid-19 em aviões é "muito baixo", mas não zero
2020/10/23 » Cresce pauta sobre home office nas negociações trabalhistas
2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos
2020/10/22 » Opas: América Latina não deve relaxar enfrentamento à pandemia
2020/10/22 » Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020
2020/10/21 » Setor mineral brasileiro tem resultado positivo no 3º trimestre
2020/10/21 » Decreto inclui Linha 2 do metrô de BH em programa de privatizações
2020/10/21 » Não investir no Brasil será um grande erro, afirma ministro
2020/10/21 » Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em 12 meses
2020/10/20 » Pacote comercial abre caminho para acordo mais amplo, diz governo
2020/10/20 » SP:acordo da ANTT permite investimento de R$ 6 bi em malha ferroviária
2020/10/20 » Como fazer a amortização do FGTS pelo celular
2020/10/19 » Comércio eletrônico e delivery aumentam consumo de embalagens
2020/10/19 » Doria apresenta plano de retomada econômica de São Paulo
2020/10/19 » Produção brasileira de aço cresce 7,5% em setembro
2020/10/16 » Indicador antecedente da economia brasileira cresce 1,2% em setembro
2020/10/16 » Atividade econômica tem alta de 1,06% em agosto, diz Banco Central
2020/10/16 » Rebanho bovino cresce em 2019, influenciado pelo cenário externo
2020/10/15 » Produção de motocicletas aumenta 13,1% em setembro

Ver mais »