Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Financiamentos para inovação e concessões de infraestrutura têm IOF zerado 09/10/2014

Os financiamentos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) para obras de rodovias e ferrovias concedidas pelo governo à iniciativa privada terão o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) reduzido a zero. A mudança consta do Decreto 656, publicado ontem (8) no Diário Oficial da União.

As duas modalidades tinham IOF zerado, mas apenas quando a operação de crédito era efetuada diretamente pela Finep, no caso de linhas para inovação tecnológica, e pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no caso de financiamentos para concessões de infraestrutura com recursos do Tesouro Nacional.

Com o decreto, as operações efetuadas por instituições financeiras parceiras da Finep e do BNDES também deixarão de pagar IOF, que equivale a 1,88% ao ano do valor da operação. De acordo com o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Paulo Caffarelli, as mudanças aumentarão o alcance das linhas de crédito.

Em relação aos financiamentos da Finep, o secretário explicou que as linhas de crédito poderão chegar mais baratas a pequenos municípios. “Nesses lugares, a Finep empresta apenas por meio de bancos de desenvolvimento estaduais ou agências de fomento, com a cobrança de IOF”, explicou. No caso dos financiamentos das concessões, a mudança permitirá que a Caixa Econômica e o Banco do Brasil operem as linhas de crédito do BNDES, sem a incidência do imposto.

O decreto também zerou o IOF dos fundos de índices com cota negociada em bolsa. Criado há três meses pela Medida Provisória 651, esse tipo de fundo negocia títulos lastreados com cotas de bolsas de valores. As regras anteriores instituíam uma alíquota gradual de IOF sobre os rendimentos de títulos negociados em até um mês. Papéis trocados no mesmo dia pagavam 98% de imposto sobre os ganhos. A alíquota caía até 0% para títulos trocados a partir do 30º dia.

Segundo Caffarelli, a retirada do imposto estimulará o uso desse tipo de fundo para financiar títulos de longo prazo, como as debêntures para obras de infraestrutura. “Essa alíquota gradual não afetava diretamente os títulos negociados, mas as cotas nas bolsas de valores que servem de lastro para esses fundos, que são afetadas por oscilações diárias. A mudança dará mais liquidez a esse tipo de fundo”, declarou. (da Agência Brasil, Wellton Máximo)



Últimas

2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos
2020/10/22 » Opas: América Latina não deve relaxar enfrentamento à pandemia
2020/10/22 » Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020
2020/10/21 » Setor mineral brasileiro tem resultado positivo no 3º trimestre
2020/10/21 » Decreto inclui Linha 2 do metrô de BH em programa de privatizações
2020/10/21 » Não investir no Brasil será um grande erro, afirma ministro
2020/10/21 » Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em 12 meses
2020/10/20 » Pacote comercial abre caminho para acordo mais amplo, diz governo
2020/10/20 » SP:acordo da ANTT permite investimento de R$ 6 bi em malha ferroviária
2020/10/20 » Como fazer a amortização do FGTS pelo celular
2020/10/19 » Comércio eletrônico e delivery aumentam consumo de embalagens
2020/10/19 » Doria apresenta plano de retomada econômica de São Paulo
2020/10/19 » Produção brasileira de aço cresce 7,5% em setembro
2020/10/16 » Indicador antecedente da economia brasileira cresce 1,2% em setembro
2020/10/16 » Atividade econômica tem alta de 1,06% em agosto, diz Banco Central
2020/10/16 » Rebanho bovino cresce em 2019, influenciado pelo cenário externo
2020/10/15 » Produção de motocicletas aumenta 13,1% em setembro
2020/10/15 » Ministério entrega à Presidência projeto de privatização dos Correios
2020/10/15 » Programa de suspensão de contrato e redução de jornada é prorrogado
2020/10/14 » Guedes defende reformas e rigor fiscal pós-pandemia a comitê do FMI

Ver mais »