Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Governo Central registra superávit primário de R$ 10,4 bilhões em janeiro 27/02/2015

O Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) registrou em janeiro superávit primário de R$ 10,4 bilhões, informou ontem (26) o Tesouro Nacional. O valor é 20,2% inferior ao obtido no mesmo período de 2014 (R$ 13 bilhões). É o menor resultado positivo para janeiro desde 2009. Em dezembro, o superávit primário alcançou R$ 1 bilhão.

O Tesouro Nacional obteve superávit de R$ 16,197 bilhões. O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) apresentou resultado negativo de R$ 5,651 bilhões e o Banco Central registrou déficit de R$ 140,5 milhões.

A queda de R$ 2,6 bilhões no resultado primário do Governo Central em janeiro é reflexo do decréscimo nas receitas líquidas e crescimento nas despesas totais, principalmente nos benefícios previdenciários, informou o Tesouro. 

Destaca-se nas despesas do Tesouro Nacional o aumento de R$ 42,3 milhões (0,1%) em relação a janeiro de 2014, com o acréscimo de R$ 868 milhões (4,5%) para os gastos com pessoal e encargos sociais e diminuição de R$ 604,8 milhões (1,5%) nas despesas de custeio e capital.

O Tesouro informou que, nesse último item, a diminuição na comparação com janeiro de 2014 pode ser explicada pela queda de R$ 890,8 milhões (15,7%) nas despesas do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e de R$ 540,3 milhões em outras despesas de custeio e capital. Houve decréscimo de R$ 2,5 bilhões (34,5%) no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e incremento de R$ 561,3 milhões (81,5%) nas despesas relativas à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

O gasto com a folha salarial teve aumento de R$ 868 milhões (4,5%), passando de R$ 19,2 bilhões, em janeiro de 2014, para R$ 20,1 bilhões em janeiro de 2015.

No caso da Previdência Social, na comparação com o mesmo período do ano passado, o déficit aumentou R$ 1,1 bilhão, influenciado pelas renúncias tributárias adotadas pelo governo para aquecer a economia, como a desoneração da folha de pagamento. (da Agência Brasil, Daniel Lima e Wellton Máximo)



Últimas

2020/07/16 » Covid-19: 80% dos executivos no país esperam queda na receita em 2020
2020/07/16 » Cartórios passam a monitorar violência patrimonial contra idosos
2020/07/16 » Saiba como fazer o teste diagnóstico de covid-19 pelo plano de saúde
2020/07/14 » Parcela de petróleo da União por contratos de partilha cresce 50%
2020/07/14 » UFMG faz campanha para ampliar acesso de alunos a aulas remotas
2020/07/14 » Setor de segurança tem alta de 40% na busca por tecnologia inteligente
2020/07/13 » Saiba como funciona o ITBI
2020/07/13 » Estatuto da Criança e do Adolescente completa 30 anos
2020/07/13 » Caixa inclui custo com cartório e ITBI em financiamento imobiliário
2020/07/10 » Covid-19: pessoas com sintomas devem procurar atendimento imediato
2020/07/10 » ONU pede fim do financiamento ao carvão e apoio à energia renovável
2020/07/10 » OMS quer mais evidências sobre transmissão da covid-19 pelo ar
2020/07/09 » Novo site simplifica adesão ao acordo dos planos econômicos
2020/07/09 » Sebrae: cresce interesse por cursos a distância para empreender
2020/07/09 » Pandemia causou impacto em 57% das companhias exportadoras, revela CNI
2020/07/09 » Estimativa de junho prevê safra recorde de 247,4 milhões de toneladas
2020/07/09 » MEC anuncia que Enem será em 17 e 24 de janeiro de 2021
2020/07/08 » Confira pagamentos e tributos adiados ou suspensos durante pandemia
2020/07/08 » Câmara aprova MP que suspende cumprimento mínimo de dias letivos
2020/07/08 » Câmara aprova MP que permite reembolso de passagem aérea em até um ano

Ver mais »