Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
CNI indica retração maior do PIB em 2015 10/07/2015

Com a queda da atividade industrial e o aumento da inflação, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) reduziu as estimativas para o Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) e a atividade industrial para 2015. A previsão, segundo o relatório trimestral Informe Conjuntural, divulgado ontem (9), é que o PIB fechará o ano com retração de 1,6% e que o PIB industrial recue 3,8%.

No relatório divulgado em abril, a projeção para o ano era de retração de 1,2% no PIB e de 3,4% PIB industrial.

As previsões para 2015 indicam que a inflação ficará em 9,1%, estimativa acima do limite máximo da meta de 6,5% fixado pelo governo. “Esse dado está indicando claramente que este ano a meta não vai ser cumprida sequer no seu teto”, diz o gerente executivo de Políticas Econômicas da CNI, Flávio Castelo Branco.

O relatório prevê que o consumo das famílias diminuirá 1,2%, e taxa média de desemprego será de 6,7%. A estimativa é que os investimentos caiam 7,7%.

Pelas projeções da CNI, a retração de 3,8% do PIB da indústria em 2015 resultará das quedas de atividades como a da indústria de transformação (-6,4%) e da construção (-5,2%). De acordo com o relatório, a queda da indústria, somada ao menor poder de consumo das famílias, deve levar o setor de serviços a uma redução de 1% este ano.

A avaliação da CNI é que a recuperação da economia só deverá ocorrer em 2016. “Houve aprofundamento do quadro negativo, a deterioração da economia nos quatro primeiros meses foi mais intensa do que esperávamos no início do ano. A visão mais otimista de que essa recuperação possa começar na segunda metade do ano fica mais distante e deve ocorrer a partir de 2016”, disse Flávio Castelo Branco.

No Informe Conjuntural, a CNI avalia que os caminhos para melhorar a situação podem ser as exportações e o investimento em infraestrutura. “Todavia, ambos têm impacto limitado no curto prazo e dependem de coordenação adequada de políticas para se materializarem”, destaca o texto. (da Agência Brasil, Yara Aquino)



Últimas

2020/11/25 » Anatel prevê leilão do 5G no final do primeiro semestre de 2021
2020/11/25 » Mercado de capitais analisa critérios socioambientais de empresas
2020/11/25 » Pix tem quase 4,4 milhões de portabilidade de chaves
2020/11/24 » Maioria dos reajustes até outubro teve ganhos reais, diz Dieese
2020/11/24 » Mercado aumenta previsão de inflação e prevê queda menor do PIB
2020/11/24 » Guedes anuncia que vai para o "ataque" com privatizações e reformas
2020/11/23 » Mais de 60% dos internautas no país usam serviços públicos digitais
2020/11/23 » Guia de financiamento ajuda empresas interessadas em sustentabilidade
2020/11/23 » Em reunião do G20, Guedes diz que recuperação do Brasil surpreende
2020/11/20 » Economia cresceu 7,5% do segundo para o terceiro trimestre, diz FGV
2020/11/20 » Produção e empregos estão em alta na indústria, diz CNI
2020/11/20 » Confiança do empresário do comércio sobe 4,1% em novembro, diz CNC
2020/11/18 » Aumento de exportações industriais traria R$ 376 bi para economia
2020/11/18 » Quase dois terços das indústrias esperam faturar mais em 2021
2020/11/18 » Brics apoia candidatura do Brasil para Conselho de Segurança da ONU
2020/11/17 » Pix terá pagamentos programados e troco em dinheiro
2020/11/17 » PagTesouro começa a disponibilizar Pix como forma de pagamento
2020/11/17 » Consulta pública busca soluções digitais para pequena e média empresa
2020/11/16 » Pix: novo sistema de pagamento instantâneo entra em funcionamento
2020/11/16 » Índice de Confiança do Empresário Industrial sobe em novembro

Ver mais »