Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Pesquisa do Dieese indica que desemprego em SP fica estável em agosto 01/10/2015

A taxa de desemprego na região metropolitana de São Paulo em agosto manteve-se em relativa estabilidade, de acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego, divulgada hoje (30) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), em parceria com a Fundação Seade.

Na região metropolitana de São Paulo, a taxa passou de 13,7% em julho para 13,9% em agosto, percentual que o Dieese considera estável. O número de desempregados na região metropolitana de São Paulo foi estimado em 1,537 milhão, o que significou 23 mil pessoas a mais que no mês anterior. Em comparação a agosto do ano passado, no entanto, o crescimento foi bem maior. No ano passado, a taxa correspondia a 11,3%. 

Conforme o Dieese, o número é resultado da estabilidade do nível de ocupação [com a eliminação de 18 mil postos de trabalho] e da População Economicamente Ativa (PEA), com o ingresso de cinco mil pessoas no mercado de trabalho.

A pesquisa indicou ainda que o nível de ocupação também permaneceu praticamente estável, com queda de 0,2%, e contingente de ocupados estimado em 9,517 milhões.

Segundo o Dieese, isso decorreu de reduções na indústria de transformação [queda de 2,7% ou eliminação de 41 mil postos de trabalho], na construção [-1,6% ou -11 mil postos de trabalho] e nos serviços [-0,5% ou -30 mil], compensados pelo aumento no comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas [aumento de 4,3% ou geração de 73 mil postos de trabalho].

A pesquisa constatou também que diminuiu o número de trabalhadores com carteira assinada [-0,8%]. No setor privado, cresceu o número de trabalhadores sem carteira de trabalho [aumento de 1,1%] e caiu o de trabalhadores com carteira (-0,4%). Cresceu ainda o número de trabalhadores autônomos (1,7%) e de empregados domésticos (1,5%).

Entre junho e julho deste ano, os rendimentos médios reais de trabalhadores ocupados caiu 2,4% e dos assalariados apresentou queda de 1,6%, passando a equivaler a R$ 1.899 e R$ 1.939, respectivamente. (da Agência Brasil, Elaine Patricia Cruz)



Últimas

2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020
2021/01/14 » Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos
2021/01/14 » IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
2021/01/14 » Veja o que pode e o que não pode no Enem 2020
2021/01/13 » BNDES define consórcio que apoiará programa de aceleração de startups
2021/01/13 » Inflação da construção civil atinge 10,16% em 2020
2021/01/13 » Inflação para famílias com menor renda fecha 2020 com alta de 5,45%
2021/01/13 » Inflação oficial fecha 2020 em 4,52%, diz IBGE
2021/01/12 » Ministério pede avanço de reformas para manter fábricas no país
2021/01/12 » Preço da cesta básica aumentou em todas as capitais em 2020
2021/01/12 » Plataforma promove compartilhamento de materiais na economia
2021/01/11 » Como entrar em 2021 com as contas no azul
2021/01/11 » Digitalização de serviços públicos gera economia de R$ 2 bi por ano
2021/01/11 » Banco do Brasil renegocia R$ 40 milhões em dívidas por WhatsApp
2021/01/11 » Vendas de veículos caem 26,2% em 2020, diz Anfavea
2021/01/11 » Enem terá regras para evitar contágio pelo novo coronavírus
2021/01/08 » ANP: 17ª Rodada de Licitações oferece 92 blocos em bacias marítimas

Ver mais »