Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Calor, chuva e dólar provocam alta das frutas e verduras na Ceagesp 09/11/2015

O Índice de Preços Ceagesp avançou em 5,33% sobre setembro, com alta, principalmente, das frutas e verduras. No acumulado desde janeiro, o indicador teve alta de 6,29% e, nos últimos 12 meses, 5,49%. De acordo com a apuração feita pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (/Ceagesp), o excesso de chuvas nas regiões produtoras do Sudeste, além do calor, prejudicaram o desenvolvimento das culturas, reduzindo as ofertas para a comercialização.

No caso das frutas, o reajuste médio de 7,91% também foi influenciado pela variação cambial que levou à redução na oferta de produtos. Como 20% das frutas vêm do exterior, a Ceagesp está prevendo tendência de mais pressão sobre os preços.

As maiores elevações ocorreram sobre os seguintes itens: limão taiti (63,2%), carambola (62,8%), figo (36,8%), ameixa estrangeira (25,1%) e maçã estrangeira (18,1%). Em contrapartida, houve recuo dos preços da manga tommy (-18,9%), da acerola (-14,5%), da banana maçã (-12,7%) e melancia (-9,4%).

No grupo das verduras, os preços subiram em média 9,56%. Entre as principais correções estão o coentro (73,2%), a salsa (36,95%), a acelga (32%), a alface americana (26,3%) e a couve-flor (20%). No mesmo período, ficou mais em conta a moyashi (-5,3%), o repolho (-4,7%) e a cebolinha (-3,6%).

“A tendência é que, com o início do período de chuvas, principalmente nas regiões Sul e Sudeste, algumas hortaliças possam apresentar diminuição no volume ofertado e problemas na qualidade”, diz a nota de divulgação da Ceagesp. O comunicado acrescenta que as verduras estavam com preços defasados e por isso devem passar por recomposição diante de uma produção mais reduzida.

Os legumes ficaram 1,35% mais caros com destaque para o chuchu (61%), a berinjela (49,1%), o pimentão verde (33%), a ervilha torta (23,3%) e a mandioquinha (19,2%). Entre os que apresentaram queda estão o tomate cereja (-37%), o pimentão vermelho (-31,8%), o pepino japonês (-31,2%),o pimentão amarelo (-29,3%) e o cogumelo (-23,2%).

Já no grupo de produtos classificados como diversos ocorreu redução de 8,06%, puxada, principalmente, pela cebola nacional (-42,3%), batata comum (-13,3%) e batata lisa (-11,4%). Entre os que tiveram alta estão o coco seco (20,4%), milho pipoca (14,7%) e ovos (2,7%).

No segmento de pescados foi pequena a variação de alta na média 0,38%. Mas alguns itens sofreram correções mais expressivas caso do cascote (8,7%), da corvina (7,9%), da pescada (4,8%) e do cação (3,6%). Em compensação, diminuíram os preços da betarra (-13,3%), da anchova (-7,5%) e do peixe namorado (-4,5%). (da Agência Brasil, Marli Moreira)



Últimas

2020/10/29 » Emprego na construção é o maior para setembro nos últimos oito anos
2020/10/29 » Representantes do setor da indústria aprovam decisão do Copom
2020/10/29 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2020/10/29 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2020/10/28 » Apoio emergencial do BNDES a empresas na pandemia alcança R$ 105 bi
2020/10/28 » Programa para ampliar produtividade das empresas é retomado
2020/10/28 » Confiança da construção cresce 3,7 pontos em outubro, diz FGV
2020/10/27 » Guedes diz que acordos políticos dificultam privatizações
2020/10/27 » CMN aprova regulação simplificada para projetos inovadores
2020/10/27 » Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 2,99%
2020/10/26 » Contas externas têm em setembro sexto mês seguido de saldo positivo
2020/10/26 » Petrobras inicia venda de campos terrestres em Sergipe
2020/10/26 » Banco Central registra recorde de remessas de dólares para o Brasil
2020/10/23 » Ministério da Infraestrutura entregará planos de logística até 2050
2020/10/23 » OMS: risco de pegar covid-19 em aviões é "muito baixo", mas não zero
2020/10/23 » Cresce pauta sobre home office nas negociações trabalhistas
2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos
2020/10/22 » Opas: América Latina não deve relaxar enfrentamento à pandemia
2020/10/22 » Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020
2020/10/21 » Setor mineral brasileiro tem resultado positivo no 3º trimestre

Ver mais »