Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Volume de exportação da industria de transformação sobe 5,6% em 2016, diz Firjan 07/02/2017

O volume exportado pela indústria de transformação brasileira subiu 5,6% em 2016, embora a produção tenha caído 6,1% no ano passado. Os dados estão em uma pesquisa da Federação das Indústrias do Estado (Firjan) divulgado ontem (6), no Rio de Janeiro, que mede o Índice de Produção Exportada (IFPE). O IFPE mede a parcela da produção da indústria de transformação destinada às vendas externas.

A conjugação do cenário de queda da atividade econômica com a depreciação da taxa de câmbio contribuiu para o resultado do índice, que passou de 16,2%, em 2015, para 17,3%, no ano passado, maior valor da série história iniciada em 2003, depois de ficar em 17,8% no primeiro semestre, disse o coordenador de Estudos Econômicos do Sistema Firjan, Jonathas Goulart. O recuo de 17,8% para 17,3% acompanhou a apreciação de 11,6% do real no segundo semestre.

“A gente pode falar que o aumento da produção exportada foi influenciado pela desvalorização do câmbio, mas o recorde que a gente tem no IFPE foi direcionado pela queda da produção interna. Ou seja, a redução da atividade fez com que boa parte da nossa produção não fosse absorvida pelo mercado interno. Ela foi direcionada para a exportação”, disse.

Goulart disse que apesar de o efeito da desvalorização do câmbio ter ampliado a capacidade exportadora da indústria, o setor externo não foi suficiente para absorver nem impulsionar a atividade econômica do Brasil como um todo, uma vez que a produção industrial experimentou queda de 6,1%. O economista disse também que o aumento da quantidade exportada não significa a conquista de mercados novos pelo país. “Ele foi, simplesmente, o efeito de uma depreciação do câmbio no período”.

Perspectivas

Goulart disse que para que o Brasil consiga aumentar a produção exportada, ter novos mercados e mais relevância internacional, é preciso tratar de outras variáveis que são mais estruturais e estão na base da competitividade brasileira, e não achar que a expansão das exportações depende da taxa de câmbio. “Muito mais relevante é a estrutura brasileira de custos; a gente fala de produtividade”.

Para os próximos anos, a expectativa é que a economia mundial cresça de forma mais significativa do que ocorreu em 2016, entretanto, a produção da indústria brasileira deverá apresentar um crescimento ainda fraco em 2017, com perspectiva de redução do Índice de Produção Exportada, fruto da combinação de aumento da produção e uma parcela do mercado internacional no mesmo nível registrado em 2016.

Segundo o economista, as reformas estruturais, em especial em relação à carga tributária, custo do trabalho e infraestrutura, são fatores essenciais para que o crescimento econômico do Brasil seja mais robusto e duradouro. Sem as reformas estruturais que reduzem com os custos da produção, Goulart disse que dificilmente a indústria nacional vai ter uma parcela maior no comércio internacional.

Setores

Entre os 24 setores da indústria de transformação pesquisados, 21 aumentaram a parcela da produção exportada em relação ao ano anterior. O economista disse que grande parte desse aumento se originou mais na queda da produção do que no aumento da exportação desses setores. Fumo e fabricação de metal, exceto máquinas e equipamentos, apresentaram menor nível de produção industrial e, ao mesmo tempo, nível recorde do índice na série histórica de cada setor, de 4,2% e 9,8%, respectivamente.

Em sete desses 21 setores, houve redução da quantidade exportada mas, ainda assim, aumentou o índice porque a produção caiu de forma considerável. “É como se o setor externo tivesse pegando a mesma quantidade que ele sempre pegou da nossa produção, só que a nossa produção foi bem menor. A desvalorização do câmbio não foi suficiente para poder aumentar a exportação desses setores”, disse Goulart.

Entre os 24 setores analisados, 11 mostraram um Índice de Produção Exportada abaixo de 10%. Os dois únicos setores com parcela da produção exportada acima de 30% foram outros equipamentos de transporte, exceto veículos automotores (57,4%), influenciado pela indústria naval, e metalurgia (37,1%), que historicamente são sempre elevados. Os números consideram dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. (da Agência Brasil, Alana Gandra)



Últimas

2019/11/13 » Privatização da Eletrobras deve reduzir tarifas para os consumidores
2019/11/13 » Caixa reduz para 4,99% a taxa de juros do cheque especial
2019/11/13 » Ministro diz que reforma da Previdência já atrai investidores
2019/11/12 » Setor de serviços cresce 1,2% em setembro, aponta IBGE
2019/11/12 » Cresce apoio do BNDES a projetos de micro, pequenas e médias empresas
2019/11/12 » Países do Brics buscam investimentos privados para infraestrutura
2019/11/12 » Faturamento do mercado de seguros cresceu 18,6% em setembro
2019/11/11 » Brics fomenta cooperação entre economias emergentes há 13 anos
2019/11/11 » Impostos dificultam pequenos e médios negócios, dizem empresários
2019/11/11 » IBGE revisa PIB de 2017 de 1% para 1,3%
2019/11/08 » Indicador da FGV mostra dificuldade de reação do mercado de trabalho
2019/11/08 » Petrobras recebe oferta de R$ 3,7 bilhões por Liquigás Distribuidora
2019/11/08 » Governo aumenta projeção de crescimento do PIB para 0,90%
2019/11/07 » Inflação de outubro é a menor para o mês desde 1998
2019/11/07 » Índice que serve de base para reajuste salarial tem variação de 2,76%
2019/11/07 » Seis em cada 10 empresários querem investir, mostra pesquisa do Sebrae
2019/11/07 » Poupança tem menor retirada líquida para outubro em cinco anos
2019/11/05 » Índice de Preços ao Produtor fica em 0,45% em setembro
2019/11/05 » Copom espera crescimento da economia brasileira no terceiro trimestre
2019/11/05 » Bolsa volta a bater recorde e aproxima-se dos 109 mil pontos

Ver mais »