Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Brasil é um dos países com maior cobertura de vacinação, mostra relatório 16/09/2017

O Brasil e a China estão entre os países com maiores índices de cobertura de vacinas, com 99,7% e 99,9% da população-alvo imunizada em 2016, respectivamente. Os dados são do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde (IHME) da Universidade de Washington e foram publicados ontem (15) na revista The Lancet.

O documento, que traz análises sobre a evolução dos países rumo aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), foi produzido em colaboração com a Fundação Bill & Melinda Gates e contou com 2.518 colaboradores em 133 países. O relatório analisa o progresso dos países em direção a cada um dos 37 indicadores relacionados à saúde. Os países foram classificados por suas pontuações globais para mostrar os desempenhos relativos, bem como permitir comparações entre eles.

O índice geral de uma nação é baseado em uma escala de zero a 100. Cingapura foi o país com maior pontuação (87), seguido de perto pela Islândia e Suécia (86 ambos). As nações de menor pontuação foram o Afeganistão, a República Centro-Africana e Somália, cada uma com 11 pontos. O Brasil registrou 63 pontos.

"Com essas descobertas, as autoridades de saúde nos países podem distinguir melhor os desafios de longa data dos emergentes, bem como revisar e reorientar os programas necessários para atingir os objetivos de suas nações", afimrou Christopher Murray, autor do estudo e diretor da IHME.

Em relação ao histórico do Brasil no indicador de vacinação, o país registrava, em 1990, 80,7% da população-alvo vacinada. Apenas dois anos depois, em 1992, o percentual caiu para assustadores 52,6%. A partir desse ano, o índice voltou a subir, alcançando os atuais 99,7%. A expectativa para 2030 é de que o Brasil tenha 100% de cobertura nesse indicador.

De acordo com o relatório, muitos países já atingiram alguns dos objetivos relacionados à saúde, incluindo mortalidade de menores de 5 anos, mortalidade neonatal, mortalidade materna e malária.

No Brasil, por exemplo, a mortalidade de crianças com menos de 5 anos de idade caiu de 52 a cada 1.000 nascidos vivos, em 1990, para 16,9, em 2016. O objetivo é que, em 2030, as mortes de crianças com menos de 5 anos de idade sejam de menos de 25 por 1.000 nascidos vivos.

No entanto, no indicador de prevalência de sobrepeso entre crianças de 2 a 4 anos, o Brasil não apresentou bons resultados. Enquanto em 1990, o índice era 14,3% de crianças nessa faixa etária acima do peso, em 2016 foram registrados 32,6%, mais do que o dobro. A previsão para 2030 é de que esse dado chegue a 45,9%.

Apenas como comparação, os Estados Unidos, por exemplo, registraram, em 2016, 24% de crianças acima do peso. A França teve 21,3%; Portugal, 31,7%; a Argentina, 17,4%. O relatório mostrou que o excesso de peso na infância continua a representar um desafio significativo nos países de baixa e alta renda.

Com base nas tendências passadas, os pesquisadores descobriram que menos de 5% dos países deverão atingir os objetivos de muitos indicadores relacionados à saúde, incluindo mortalidade por traumatismo rodoviário, tuberculose, excesso de peso na infância, indicadores de violência, como violência de parceiros íntimos e mortalidade por suicídio.

As informações completas do relatório podem ser acessadas nos seguintes sites:

https://vizhub.healthdata.org/sdg/

http://www.healthdata.org/brazil

(da Agência Brasil, Marieta Cazarré)



Últimas

2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020
2021/01/14 » Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos
2021/01/14 » IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
2021/01/14 » Veja o que pode e o que não pode no Enem 2020
2021/01/13 » BNDES define consórcio que apoiará programa de aceleração de startups
2021/01/13 » Inflação da construção civil atinge 10,16% em 2020
2021/01/13 » Inflação para famílias com menor renda fecha 2020 com alta de 5,45%
2021/01/13 » Inflação oficial fecha 2020 em 4,52%, diz IBGE
2021/01/12 » Ministério pede avanço de reformas para manter fábricas no país
2021/01/12 » Preço da cesta básica aumentou em todas as capitais em 2020
2021/01/12 » Plataforma promove compartilhamento de materiais na economia
2021/01/11 » Como entrar em 2021 com as contas no azul
2021/01/11 » Digitalização de serviços públicos gera economia de R$ 2 bi por ano
2021/01/11 » Banco do Brasil renegocia R$ 40 milhões em dívidas por WhatsApp
2021/01/11 » Vendas de veículos caem 26,2% em 2020, diz Anfavea
2021/01/11 » Enem terá regras para evitar contágio pelo novo coronavírus
2021/01/08 » ANP: 17ª Rodada de Licitações oferece 92 blocos em bacias marítimas

Ver mais »