Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Desigualdade cai no Sudeste e cresce nas demais regiões do país, diz IBGE 11/04/2018

O país fechou o ano passado com o índice de Gini, principal medida da desigualdade de renda, estável. O rendimento médio mensal real domiciliar per capita ficou em 0,549, praticamente igual ao de 2016, e mesmo com variação pequena em 2017, o indicador subiu em todas as regiões, com exceção do Sudeste, onde o índice recuou de 0,535 para 0,529.

Os dados são da pesquisa Rendimento de todas as fontes de renda 2017, divulgada hoje (11) pelo  Instituto Brasileiro de Geografia e estatística (IBGE), com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua). O índice de Gini é o instrumento que mede o grau de concentração de renda da população, mostrando a diferença entre os rendimentos dos mais pobres e dos mais ricos

Nas regiões Sudeste, Nordeste e Sul, as mais populosas do país, esses índices foram de 0,529, 0,567 e 0,477, respectivamente. Assim, a Região Sudeste foi a única a reduzir o indicador que, em 2016, foi de 0,535. As demais regiões apresentaram indicadores maiores que no ano anterior.

“É bom lembrar que, apesar do quadro não ter se alterado muito, o Brasil está entre os países com maior desigualdade no mundo. Somos talvez o segundo na América Latina. Se olharmos para o ranking mundial, ele é bem mais elevado, e talvez sejamos um dos últimos colocados”, disse o coordenador da pesquisa, Cimar Azeredo, do IBGE.

“A situação permaneceu estável tanto no país quanto nas cinco grandes regiões e nas 27 unidades da federação. Não percebemos avanço, nem recuo, mas se percebe que a situação de desigualdade no Brasil continua bastante perversa."

Segundo Azeredo, o país até vinha em um processo de avanço, mas com a crise econômica, a desigualdade persistiu. “Houve aumento do índice no Sudeste, mas foi em razão de ter sido a região que mais sofreu com a crise. Teve a questão do preço do barril de petróleo, perda do número do trabalho com carteira assinada e na qualidade do emprego”.

A redução no índice de Gini no Sudeste, de acordo com o coordentador, não se deu pelo avanço da população de menor renda. “Não foi ela que subiu um degrau, mas foi quem estava em cima que desceu um degrau e não é essa a melhor forma de se reduzir a desigualdade. O ideal é que se reduza desigualdade com todo mundo avançando”, afirmou. (da Agência Brasil, Nielmar de Oliveira)



Últimas

2018/12/17 » Temer inaugura primeira etapa do Satélite Geoestacionário de Defesa
2018/12/17 » Embraer e Boeing firmam parceria para acelerar crescimento
2018/12/17 » BC anuncia que atividade econômica cresce 0,02% em outubro
2018/12/17 » Mercado mantém estimativa de inflação em 3,71% este ano
2018/12/14 » Participação de cidades de SP e RJ no PIB nacional cai para 16,2%
2018/12/14 » China é principal destino das exportações brasileiras em novembro
2018/12/14 » Setor de serviços cresce 0,1% em outubro, diz IBGE
2018/12/13 » Varejo tem queda de 0,4% de setembro para outubro, diz IBGE
2018/12/13 » Veja repercussão da decisão do Copom de manter Selic em 6,5% ao ano
2018/12/13 » Copom mantém Selic em 6,5% ao ano pela sexta vez seguida
2018/12/12 » Multinacionais têm até dia 31 para informar dados cadastrais à Receita
2018/12/12 » Pesquisa revela que 43% dos idosos respondem pelo sustento da casa
2018/12/12 » Efeito estufa: transporte responde por 25% das emissões globais
2018/12/11 » Produção de motocicletas tem alta de 19% no acumulado até novembro
2018/12/11 » IBGE prevê safra de grãos 1,7% maior no próximo ano
2018/12/11 » IBGE estima queda de 5,5% na safra de grãos deste ano
2018/12/11 » Índice usado em contratos de aluguel acumula taxa de 7,45% em 12 meses
2018/12/10 » Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
2018/12/10 » Mercado reduz estimativa de inflação pela sétima vez
2018/12/10 » Intenção de investimentos da indústria cresce 4,4 pontos

Ver mais »