Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Mercado reduz para R$ 136,1 bilhões previsão de déficit nas contas públicas 12/04/2018

Instituições financeiras consultadas pelo Ministério da Fazenda esperam por um déficit menor nas contas públicas neste ano. A estimativa de déficit primário do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central), neste ano, passou de R$ 139,132 bilhões para R$ 136,103 bilhões. A estimativa está abaixo da meta para este ano, que é R$ 159 bilhões.

O resultado primário é formado por despesas menos receitas, sem considerar gastos com juros.

A projeção consta na pesquisa Prisma Fiscal elaborada pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, com base em informações de instituições financeiras do mercado. Os dados foram divulgados hoje (12).

Para o ano que vem, a estimativa de déficit primário passou de R$ 111,892 bilhões para R$ 107,304 bilhões.

Na última terça-feira (10), o novo ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, disse que a melhora na arrecadação decorrente da recuperação da economia poderá fazer a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019 vir com meta menor de déficit primário.

A LDO de 2018 estimava meta de déficit primário – resultado negativo nas contas do governo antes do pagamento dos juros da dívida pública – de R$ 139 bilhões para o próximo ano. No entanto, o bom desempenho da arrecadação federal, que cresceu mais de 10% acima da inflação oficial nos dois primeiros meses do ano, pode criar condições para que a equipe econômica imponha uma meta fiscal mais apertada para 2019.

Hoje à tarde, Colnago e o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, darão entrevista coletiva à imprensa para divulgar o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2019 (PLDO), que será enviado ao Congresso Nacional.

Dívida

A pesquisa apresenta também a projeção para a dívida bruta do governo geral, que, na avaliação das instituições financeiras, será de 74,9% do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país). A estimativa anterior era 75% do PIB. Para 2019, a estimativa foi ajustada 76,95% para 76,90% do PIB. (da Agência Brasil, Kelly Oliveira)



Últimas

2018/07/13 » Anatel aprova regras para promover competição nas telecomunicações
2018/07/13 » Estudo da CNI mostra que 2,7 mil obras estão paradas no Brasil
2018/07/13 » Mais de 6 milhões de pessoas ainda não se vacinaram contra gripe
2018/07/12 » Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
2018/07/12 » Custos da indústria subiram 2,4% no primeiro trimestre, diz CNI
2018/07/12 » Mercado reduz projeção para déficit nas contas públicas
2018/07/12 » Vendas do comércio caem 0,6% de abril para maio
2018/07/11 » Venda de motocicletas cresce 12,2% no semestre, aponta Abraciclo
2018/07/11 » Micro e pequenas empresas poderão ingressar no eSocial em novembro
2018/07/11 » Produção industrial cai em 14 de 15 locais pesquisados pelo IBGE
2018/07/11 » IGP-M registra inflação de 8,13% em 12 meses na 1ª prévia de julho
2018/07/10 » IBGE estima redução de 5,3% na safra de grãos deste ano
2018/07/10 » Conab: safra de grãos deve cair 3,9%, mas será a 2ª maior da história
2018/07/10 » Brasil fica em 64º lugar em ranking mundial de inovação
2018/07/10 » Indicadores de mercado de trabalho apresentam piora em junho
2018/07/06 » ANS resolve 91% dos conflitos de coberturas de planos de saúde
2018/07/06 » Publicada MP de programa que concede R$ 1,5 bi a montadoras
2018/07/06 » Brasil gasta 6% do PIB em educação, mas desempenho escolar é ruim
2018/07/06 » Inflação da construção civil fica em 0,58% em junho
2018/07/06 » Alimentos impulsionaram inflação com alta de 1,26% em junho

Ver mais »