Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Mercado reduz para R$ 136,1 bilhões previsão de déficit nas contas públicas 12/04/2018

Instituições financeiras consultadas pelo Ministério da Fazenda esperam por um déficit menor nas contas públicas neste ano. A estimativa de déficit primário do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central), neste ano, passou de R$ 139,132 bilhões para R$ 136,103 bilhões. A estimativa está abaixo da meta para este ano, que é R$ 159 bilhões.

O resultado primário é formado por despesas menos receitas, sem considerar gastos com juros.

A projeção consta na pesquisa Prisma Fiscal elaborada pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, com base em informações de instituições financeiras do mercado. Os dados foram divulgados hoje (12).

Para o ano que vem, a estimativa de déficit primário passou de R$ 111,892 bilhões para R$ 107,304 bilhões.

Na última terça-feira (10), o novo ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, disse que a melhora na arrecadação decorrente da recuperação da economia poderá fazer a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019 vir com meta menor de déficit primário.

A LDO de 2018 estimava meta de déficit primário – resultado negativo nas contas do governo antes do pagamento dos juros da dívida pública – de R$ 139 bilhões para o próximo ano. No entanto, o bom desempenho da arrecadação federal, que cresceu mais de 10% acima da inflação oficial nos dois primeiros meses do ano, pode criar condições para que a equipe econômica imponha uma meta fiscal mais apertada para 2019.

Hoje à tarde, Colnago e o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, darão entrevista coletiva à imprensa para divulgar o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2019 (PLDO), que será enviado ao Congresso Nacional.

Dívida

A pesquisa apresenta também a projeção para a dívida bruta do governo geral, que, na avaliação das instituições financeiras, será de 74,9% do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país). A estimativa anterior era 75% do PIB. Para 2019, a estimativa foi ajustada 76,95% para 76,90% do PIB. (da Agência Brasil, Kelly Oliveira)



Últimas

2018/09/21 » ANP aprova medidas para retomada da produção de petróleo
2018/09/21 » Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
2018/09/21 » Brasileiros poderão receber remessas do exterior diretamente em reais
2018/09/20 » Educação a distância cresce 17,6% em 2017; maior salto desde 2008
2018/09/20 » Empresário da indústria está menos confiante, diz CNI
2018/09/20 » OCDE reduz para 1,2% previsão de crescimento da economia brasileira
2018/09/20 » IBGE: Brasil tem 9,85 milhões de hectares de florestas plantadas
2018/09/19 » BC mantém juros básicos em 6,5% ao ano pela quarta vez seguida
2018/09/19 » ANP aprova R$ 878 milhões em subvenção para óleo diesel
2018/09/19 » Indicador de custos industriais cresce 3,7% no segundo trimestre
2018/09/19 » Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
2018/09/19 » Quase 35% das cidades tiveram casos de doenças ligadas ao saneamento
2018/09/19 » FGV: economia brasileira recuou 0,5% no trimestre encerrado em julho
2018/09/18 » Inflação do aluguel acumula taxa de 9,83% em 12 meses
2018/09/18 » Intenção de investimentos da indústria recua 3,1 pontos no trimestre
2018/09/18 » ANP aprova novas empresas para disputarem campos de petróleo
2018/09/18 » Mortes por câncer devem chegar a 9,6 milhões neste ano, estima OMS
2018/09/17 » Mais de 716 mil empresas podem ser excluídas do Simples Nacional
2018/09/17 » Atividade econômica cresce 0,57% em julho
2018/09/14 » Renda das mulheres é 42,7% menor que a dos homens, diz Pnud

Ver mais »