Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Custos da criminalidade no Brasil correspondem a 4,38% do PIB 11/06/2018

Estudo foi divulgado pela Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos

Os custos econômicos com o combate e com as consequências da criminalidade no país subiram de R$ 113 bilhões para R$ 285 bilhões entre 1996 e 2015. Isso equivale a um incremento real médio de cerca de 4,5% ao ano.

Os dados e constatações estão no relatório “Custos Econômicos da Criminalidade no Brasil”, divulgado hoje (11) pela Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos, da Presidência da República. O estudo aponta ainda que os custos da criminalidade no Brasil correspondem a 4,38% do Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todas as riquezas produzidas pelo país.

De acordo com o relatório, apesar do aumento significativo dos gastos com segurança pública nos últimos 20 anos, “o retorno social de tal aumento foi limitado” e houve crescimento nos índices de homicídios no país, passando de 35 mil para 54 mil.

Esse crescimento, de acordo com o texto, mostra que as políticas públicas para a área de segurança não podem ser baseadas apenas na expansão de recursos. O estudo aponta a necessidade da análise das políticas existentes para possíveis adaptações ou, até mesmo, a descontinuidade quando não observada eficácia.

Uma saída indicada é a recondução de recursos destinados a políticas sem impacto e retorno social para outras ações mais promissoras. “É imperativo aumentar a eficiência das políticas de segurança, buscando soluções de alto impacto e baixo custo. Tal ganho de eficiência depende do estabelecimento de uma política de segurança baseada em evidências que demonstrem quais tipos de intervenções funcionam”, registra o texto.

O relatório lembra ainda que, atualmente, a maioria das unidades da federação tem espaço fiscal limitado, o que reforça que as alternativas de política pública para a área de segurança não poderão se basear simplesmente na expansão do gasto público.

Em cerimônia no Palácio do Planalto, o secretário especial de assuntos estratégicos da Presidência da República, Hussein Kalout, apresentou os dados do estudo e disse que é preciso ter mais resultados com menos gastos. “Precisamos fazer políticas públicas mais eficientes com poucos recursos e inovação. Não é mais possível fazer política de segurança ampliando gasto econômico para o Estado cujo retorno social seguirá sendo diminuto e a criminalidade aumentando”, disse.

Em 2015, os componentes dos custos econômicos com a criminalidade em ordem de relevância eram: segurança pública (1,35% do PIB); segurança privada (0,94% do PIB); seguros e perdas materiais (0,8% do PIB); custos judiciais (0,58% do PIB); perda de capacidade produtiva (0,40% do PIB); encarceramento (0,26% do PIB); e custos dos serviços médicos e terapêuticos (0,05% do PIB). (da Agência Brasil, Yara Aquino)



Últimas

2018/06/20 » CNI: confiança do empresário industrial tem maior queda desde 2010
2018/06/20 » Associação médica alerta para riscos de tratamento contra varizes
2018/06/20 » Aneel regulamenta recarga de veículos elétricos
2018/06/20 » Brasil pode se tornar grande exportador de petróleo, diz executivo
2018/06/19 » Anac prevê leilão de mais 13 aeroportos até o fim do ano
2018/06/19 » Obesidade atinge quase 20% da população brasileira, mostra pesquisa
2018/06/19 » Temer sanciona lei que permite venda direta do óleo do pré-sal
2018/06/18 » Petrobras reduz em 1,24% o preço da gasolina nas refinarias
2018/06/18 » Mercado financeiro espera por manutenção da Selic em 6,50% esta semana
2018/06/18 » Saques do PIS/Pasep colocarão R$ 34,3 bilhões na economia
2018/06/18 » Brasil deixou de arrecadar R$ 354,7 bi com renúncias fiscais em 2017
2018/06/15 » Indústria paulista fecha 3,5 mil postos de trabalho em maio
2018/06/15 » Receita paga primeiro lote de restituição do Imposto de Renda 2018
2018/06/15 » Atividade econômica cresce 0,46% em abril
2018/06/15 » Privatização de distribuidoras da Eletrobras está prevista para julho
2018/06/15 » Por 6 votos a 5, STF impede conduções coercitivas para interrogatório
2018/06/13 » Acordo União Europeia-Mercosul deve sair até as eleições, diz ministro
2018/06/13 » Bovespa cai e dólar tem leve alta após decisão de juros nos EUA
2018/06/13 » BNDES amplia condições de crédito para projetos de saneamento
2018/06/13 » Justiça fixa teto de 5,72% para reajuste de planos de saúde

Ver mais »