Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
CNI reduz de 1,6% para 1,3% projeção de expansão da economia este ano 11/10/2018

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) reduziu a projeção para o crescimento da economia este ano. Segundo o Informe Conjuntural do terceiro trimestre, divulgado hoje (11), em Brasília, a previsão passou 1,6% estimado em junho para 1,3%. Em abril, a estimativa era 2,6%.

A estimativa da CNI é que o PIB (Produto Interno Bruto – soma de todas as riquezas produzidas no país) industrial tenha expansão de 1,3%, inferior a 1,8% previsto em junho.

O consumo das famílias aumentará 1,9% e a taxa de desemprego continuará alta, fechando o ano com média anual de 12,2% da população economicamente ativa. As novas previsões indicam que os investimentos aumentarão 2,2%.

O Informe Conjuntural lembra que as incertezas em relação ao resultado das eleições e ao programa econômico do novo governo reduziram ainda mais o fraco ritmo de crescimento da economia e da indústria no terceiro trimestre.

Para a CNI, o ajuste das contas públicas é o principal desafio do próximo governo. “É inexorável um ajuste que reponha a trajetória das contas públicas na linha da responsabilidade fiscal”, diz o Informe Conjuntural.

Dívida pública

Este ano, a CNI estima que a dívida pública alcançará 77,1% do PIB. O déficit primário, mesmo com as sucessivas quedas registradas até agosto, fechará o ano em 1,9% do PIB, mostrando que as despesas do governo são superiores às receitas.

“Em 2018, completaremos o quinto ano seguido de déficits primários expressivos, o que levou ao aumento de 25 pontos percentuais na relação da dívida pública/PIB. Esse quadro precisa ser revertido”, adverte o estudo.

Na avaliação da indústria, o próximo governo deve manter a Emenda Constitucional 95, que estabelece limites para o crescimento do gasto público. A CNI lembra ainda que o cumprimento dos limites dos gastos depende de reformas em tramitação no Congresso Nacional.

“É, portanto, possível avançar nessas discussões com sucesso, aprovando a reforma da Previdência e os projetos que tratam da remuneração dos servidores públicos. Ambos são cruciais para reduzir o ritmo de expansão das despesas primárias”, destaca o Informe Conjuntural.

Para a CNI, se o novo governo fizer as reformas necessárias a um ajuste fiscal de longo prazo que elimine o déficit e reverta a trajetória de crescimento da dívida pública, o Brasil poderá superar a crise e crescer até 3% no próximo ano. (da Agência Brasil, Kelly Oliveira)



Últimas

2019/02/15 » Expectativa do governo é realizar 23 leilões de concessões em 100 dias
2019/02/15 » Atividade econômica cresce 1,15% em 2018
2019/02/15 » IGP-10 registra inflação de 0,4% em fevereiro
2019/02/15 » Governo propõe idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres
2019/02/14 » ANP: acordo com Petrobras sobre Parque das Baleias deve sair em março
2019/02/14 » Mercado financeiro reduz projeção de déficit nas contas públicas
2019/02/14 » Setor de serviços fecha 2018 com queda de 0,1%, diz IBGE
2019/02/13 » Volume do comércio varejista fecha 2018 com alta de 2,3%
2019/02/13 » Pesquisa: 5,6 milhões de brasileiras não vão ao ginecologista
2019/02/13 » Portos movimentaram 1,117 bilhão de toneladas de cargas em 2018
2019/02/12 » Produção de ovos bate recorde no país, diz IBGE
2019/02/12 » IBGE reduz previsão e safra de grãos deve crescer 1,9% neste ano
2019/02/12 » Conab estima crescimento de 2,8% na safra de grãos 2018/2019
2019/02/12 » Ministério receberá propostas técnicas de dessalinização até dia 18
2019/02/11 » Sebrae e CNI oferecem vagas em cursos para micro e pequena indústrias
2019/02/11 » IGP-M acumula taxa de inflação de 6,88% em 12 meses
2019/02/11 » Instituições financeiras reduzem pela 4ª vez estimativa de inflação
2019/02/08 » Atividades físicas e sociais protegem cérebro de danos do Alzheimer
2019/02/07 » Prazo para médias empresas fecharem folha no eSocial acaba hoje
2019/02/07 » Indicadores do mercado de trabalho da FGV mostram melhora em janeiro

Ver mais »