Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Empresas brasileiras fecham negócios de US$ 516 milhões na China 21/05/2019

Exportações abrangem o agronegócio, bebidas e alimentos

As 53 empresas brasileiras que encararam o desafio de negociar seus produtos na SIAL China 2019 - maior feira dos setores de Agronegócio, Bebidas e Alimentos do gigante asiático e uma das maiores do mundo -  voltam para casa satisfeitas. No total, foram negociados US$ 516,7 milhões no evento, cifra que pode alcançar mais de US$ 2 bilhões ao longo dos próximos 12 meses, a partir dos contatos feitos e de vendas futuras.

A presença brasileira no evento – realizado na semana passada - foi organizada pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e pelo Consulado do Brasil em Xangai. Na oportunidade, foram realizadas 1971 reuniões de negócios, 1531 das quais com potenciais novos clientes.

Predomínio das carnes

O melhor desempenho brasileiro veio das empresas que trabalham proteínas animais, cuja presença na feira chinesa foi coordenada pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec)  em parceria com a Apex-Brasil.

A participação brasileira contou com a presença de 16 empresas: Barra Mansa, Boi Brasil, Cooperfrigu, Estrela, Frigol, Frigotil, Frisa, Iguatemi, JBS, Minerva, Marfrig, Masterboi, Mataboi, Mercúrio, Naturafrig e Plena. “Nossa avaliação é de que a SIAL 2019 foi muito proveitosa, num momento em que o Brasil negocia a ampliação das exportações para a China por meio de novas habilitações”, ressaltou o presidente da Abiec, Antônio Camardelli.

Outro detalhe é que, diante do cenário de guerra fiscal entre China e Estados Unidos, essa edição da SIAL China teve como apelo especial a busca da garantia de abastecimento ao país.

O gerente de Agronegócios da Apex-Brasil, Igor Brandão foi questionado pela mídia local sobre a capacidade brasileira de ocupar espaços deixados pelos norte-americanos. “Nossas empresas precisam estar preparadas e competitivas para qualquer contexto. A guerra econômico-comercial é uma conjuntura de momento, que pode passar. Por isso precisamos estar atuantes e preparados para uma presença e fornecimento de longo prazo, não apenas conjuntural”, destacou.

Mercado gigante

A China é o principal parceiro comercial do Brasil há vários anos. Pelos dados do Ministério da Economia, o comércio entre os dois países, somando exportações e importações, atingiu cerca de U$ 100 bilhões no ano passado. Os principais produtos de exportação do Brasil para os chineses são soja, petróleo (não refinado) e minérios de ferro.  Já o Brasil importa da China principalmente produtos manufaturados em geral.

Para se ter uma ideia da representatividade chinesa no mercado global, estima-se que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país - supere 6% ao ano até 2020 e que os gastos totais dos consumidores chineses devem crescer 9,1% ao ano, em média, entre 2016 e 2020. Esse crescimento será impulsionado pelas classes de renda média-alta e alta, sobretudo os consumidores nascidos nos anos 80 e 90 (os chamado “millennials”), faixa da população mais propensa a experimentar novos produtos.

A região de Xangai, onde se realiza a SIAL China 2019, é uma das Zonas Econômicas Especiais do país e uma das mais populosas cidades, importante hub - anel de conecção - para realização de negócios. “Estar presente em Xangai significa também a possibilidade de estabelecer operação de distribuição para outras regiões da China”, reforça Brandão.

Carne brasileira elogiada

A agenda da viagem também incluiu uma visita ao porto e armazéns da Zona Franca de Zhangjiagang, localizada entre três grandes capitais de províncias chinesas, as cidade de Xangai, Hangzhou e Nanquim. A presidente de uma grande companhia de logística da cidade, Xu Lujia, elogiou a carne brasileira, a mais consumida na região, e destacou que espera cada vez mais empresas brasileiras chegando à China pelo porto de Zhangjiagang.

“A carne brasileira, de vaca, porco ou frango, já é a mais consumida por aqui e nossa infraestrutura de câmaras frias permite uma expansão exponencial das quantidades exportadas pelo Brasil à China”, destacou Lujia. (da Agência Brasil. Com informações da Apex-Brasil)



Últimas

2019/06/18 » Inflação do aluguel é de 6,46% em 12 meses
2019/06/18 » PIB recua 0,9% no trimestre encerrado em abril, diz FGV
2019/06/17 » Exportações brasileiras crescem 10% em maio com vendas para os EUA
2019/06/17 » Produtividade do trabalho no país recua 1,1% no primeiro trimestre
2019/06/17 » Indicador antecedente da economia brasileira cai 0,9%, diz FGV
2019/06/17 » Mercado financeiro espera por cortes na Selic a partir de setembro
2019/06/17 » Estimativa do mercado para crescimento da economia cai para 0,93%
2019/06/17 » Potências reduzem, mas modernizam arsenais nucleares, diz relatório
2019/06/14 » Mercado segurador brasileiro cresce 4,9% no primeiro quadrimestre
2019/06/14 » Frustração faz grandes empresas investirem menos que o planejado
2019/06/14 » "Se forçar a barra, não aprova nada", diz Bolsonaro sobre Previdência
2019/06/14 » Ipea: inflação desacelera para todas as classe sociais
2019/06/14 » Atividade econômica tem queda de 0,47% em abril
2019/06/14 » ANS suspende venda de 51 planos de saúde de 11 operadoras
2019/06/14 » Inflação pelo IGP-10 cai de 0,70% para 0,49%, diz FGV
2019/06/13 » Produção de ovos de galinha cresce 6% no primeiro trimestre
2019/06/13 » Setor de serviços cresce 0,3% de março para abril, diz IBGE
2019/06/13 » Brasil tem baixa taxa de escolarização superior, diz Semesp
2019/06/12 » Comércio varejista recua 0,6% de março para abril, diz IBGE
2019/06/12 » Primeiro-ministro do Japão faz visita histórica ao Irã

Ver mais »