Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Preço da cesta básica aumentou em todas as capitais em 2020 12/01/2021

As maiores altas foram registradas em Salvador e Aracaju 

A Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), indicou que os preços do conjunto de alimentos básicos necessários para as refeições de uma pessoa adulta conforme Decreto-lei 399/1938, aumentaram em todas as capitais em 2020.

As maiores altas foram registradas em Salvador, de 32,89%, e Aracaju, 28,75%. Em Curitiba foi observada a menor elevação, de 17,76%.

De novembro para dezembro de 2020, o custo da cesta foi maior em nove cidades e menor em oito, com destaque para as elevações de João Pessoa (4,47%), Brasília (3,35%) e Belém (2,96%). As maiores diminuições foram registradas em Campo Grande (2,14%) e Salvador (1,85%).

Em São Paulo, a cesta custou R$ 631,46, com alta de 0,36% na comparação com novembro. No ano de 2020, o preço do conjunto de alimentos subiu 24,67%.

Poder de compra 

Com base na cesta mais cara que, em dezembro, foi a de São Paulo, o Dieese estima que o salário mínimo necessário deveria ser equivalente a R$ 5.304,90, o que corresponde a 5,08 vezes o mínimo vigente, de R$ 1.045,00. Segundo o órgão, o cálculo é feito levando-se em consideração uma família de quatro pessoas, com dois adultos e duas crianças.

O tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta para o conjunto das capitais, considerando um trabalhador que recebe salário mínimo e trabalha 220 horas por mês, foi, em dezembro, de 115 horas e 8 minutos, maior do que em novembro, quando ficou em 114 horas e 38 minutos.

Quando comparado o custo da cesta ao salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social - alterado para 7,5% a partir de março de 2020, com a Reforma da Previdência -, verificou-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu, em dezembro, na média, 56,57% do salário mínimo líquido para comprar os alimentos básicos para uma pessoa adulta. Em novembro, o percentual foi de 56,33%. (da Agência Brasil, Camila Boehm) 



Últimas

2021/03/05 » BC: produtos básicos impulsionam exportações na pandemia
2021/03/05 » Faturamento da indústria cresce 8,7% em janeiro, diz CNI
2021/03/05 » Estudo revela tamanho da desigualdade de gênero no mercado de trabalho
2021/03/04 » Com queda do PIB, economia chega ao patamar do início de 2019
2021/03/04 » Pequenas empresas veem oportunidades geradas pela crise
2021/03/04 » PIB de 2020 fecha com queda de 4,1%, revela pesquisa do IBGE
2021/03/04 » Setor de petróleo impulsionou investimentos no 4º trimestre de 2020
2021/03/03 » Relatório da OCDE orienta gestão de estatais brasileiras
2021/03/03 » Preços de produtos industrializados sobem 3,36% em janeiro
2021/03/03 » Emplacamento de automóveis e de veículos leves tem queda de 17,85%
2021/03/03 » Produção de petróleo cresce 5,4% de dezembro para janeiro, diz ANP
2021/03/02 » BC iguala limite do Pix ao das transferências eletrônicas
2021/03/02 » Firjan sugere normas de proteção de dados para pequenas empresas
2021/03/02 » Balança comercial tem superávit de US$ 1,152 bilhão em fevereiro
2021/03/02 » Governo reabre programa de renegociação de dívidas com a União
2021/03/02 » Setor portuário movimentou 1,152 bilhão de toneladas em 2020
2021/03/02 » Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás
2021/03/01 » Banco Central tem lucro recorde de R$ 469,6 bilhões em 2020
2021/03/01 » Auxílio emergencial e criptomoedas deverão ser declarados no IR
2021/03/01 » Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje

Ver mais »