Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Desemprego e renda têm queda em setembro, segundo IBGE 30/10/2006

Rio de Janeiro, 26/10/2006 - O índice de desemprego ficou em 10% em setembro, nas seis maiores regiões metropolitanas do país. O resultado mostra queda de 0,6 ponto percentual em relação a agosto. Na comparação com o mesmo mês de 2005, a taxa ficou estável, em 9,6%.

Os números fazem parte da Pesquisa Mensal de Emprego, divulgada hoje (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a entidade, o recuo entre agosto e setembro é fruto da queda de 5,3% na procura por trabalho e pelo aumento de 1,2% no contingente de ocupados.

Esses movimentos - que segundo o gerente da pesquisa, Cimar Azeredo, indicam um resultado positivo - foram motivados pelo momento eleitoral e pela proximidade das festas de fim de ano.

“O aumento da ocupação era percebido nos últimos meses, mas não era suficiente para absorver a demanda. Agora, a demanda continua, com 10% da população economicamente ativa procurando trabalho, mas tanto o momento eleitoral como a época do ano propiciam o aumento de contratações para a produção que será escoada no fim do ano", observou. "Esses fatores impulsionaram o nível da ocupação. Como conseqüência, a demanda por ocupação em parte foi atendida”.

Em contrapartida, o rendimento médio dos ocupados ficou em R$ 1.030,20, com queda de 0,8% em relação a agosto e elevação de 2,7%, na comparação com setembro de 2005.

“A queda do rendimento entre os meses de agosto e setembro pode ter sido causada pelas novas contratações, principalmente de trabalhadores com salários mais baixos”, explicou Azeredo.

Em setembro, o número de pessoas ocupadas chegou a 20,7 milhões, crescendo 1,2% em relação a agosto e 3,1% na comparação com setembro de 2005. A quantidade de pessoas desocupadas, que totalizou 2,3 milhões, teve queda de 5,3% frente agosto e aumento de 7,1% em relação ao mesmo mês do ano passado.

O número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado também aumentou entre os meses de setembro de um ano e outro. A alta foi de 5,6%, o que representa cerca de 455 mil pessoas a mais no mercado de trabalho formal.

O Rio de Janeiro registrou a menor taxa de desemprego apontada pela pesquisa no mês de setembro: 7,5%. Em São Paulo, região com maior representatividade no levantamento, a taxa foi de 11,1%. Salvador apresentou o maior índice, com 13,6%.

 

 

Agência Brasil - Thaís Leitão

 



Últimas

2020/01/17 » Varejo de SP espera crescimento de 5% em vendas de materiais escolares
2020/01/17 » Confiança do empresário do comércio tem melhor janeiro desde 2013
2020/01/17 » Dólar fecha acima de R$ 4,19, no maior valor desde início de dezembro
2020/01/17 » Atividade econômica cresce 0,18%, diz Banco Central
2020/01/16 » Dataprev é incluída no Programa Nacional de Desestatização
2020/01/16 » Ipea: alíquota de novo imposto proposto em PECs deve ficar em 27%
2020/01/16 » Inflação pelo Índice Geral de Preços–10 cai de 1,69% para 1,07%
2020/01/15 » Governo quer vender R$ 150 bi em participações em empresas em 2020
2020/01/15 » Novo reajuste do mínimo pode ter impacto de R$ 2,13 bi no Orçamento
2020/01/15 » Mochilas pesadas na infância podem acarretar problemas na fase adulta
2020/01/14 » Consumidor espera saldões para comprar com desconto produto mais caro
2020/01/14 » IR: contribuinte não poderá deduzir gasto com previdência de doméstica
2020/01/14 » Petrobras reduz preço da gasolina e diesel nas refinarias
2020/01/13 » Migração de empregadores para eSocial só terminará em 2023
2020/01/13 » Agronegócio brasileiro exportou US$ 96,8 bilhões em 2019
2020/01/13 » Mercado financeiro reduz estimativa de inflação este ano para 3,58%
2020/01/13 » Migração da poupança para outros investimentos exige cuidado
2020/01/13 » Setores de TI e internet dominam ranking sobre mercado de trabalho
2019/12/19 » Retomada do mercado de trabalho é lenta e se apoia na informalidade
2019/12/19 » Com alta dos preços da carne, inflação deve ficar em 0,81% em dezembro

Ver mais »