Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Copom sinaliza continuidade na redução da taxa básica de juros 15/03/2007

 

Brasília, 15/03/2007 - A manutenção da inflação nos níveis atuais e a consolidação do cenário de estabilidade na economia contribuem para a “continuidade do processo de redução progressiva da percepção de risco”, e isso abre espaço para juros reais menores no futuro. É o que destaca a ata da reunião que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central realizou na semana passada, quando baixou a taxa básica de juros (Selic) de 13% para 12,75% ao ano.

Foi a segunda vez que a redução ficou em 0,25 ponto percentual, e tudo leva a crer que o BC manterá essa tendência nas próximas reuniões do Copom. Isso porque, de acordo com a ata, distribuída hoje (15), “a atuação cautelosa” tem sido fundamental para que a inflação evolua segundo a trajetória de metas traçada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

O documento cita que as perspectivas de inflação “permanecem benignas”, mas adverte que para isso se traduzir em resultados efetivos é preciso que “a flexibilização monetária seja conduzida com parcimônia”. A afirmativa reforça a tendência de manutenção da “calibragem” de 0,25% nas seis reuniões que o Copom terá ao longo do ano.

A ata repete a constatação de “cenário benigno”, que permanece favorável, aqui e no exterior, embora alerte para a existência de instabilidade e novas fontes de incerteza, sem entrar em detalhes. Menciona, contudo, as elevações das taxas de juros nas economias industrializadas e o recente, “e possivelmente temporário”, aumento de volatilidade (variação de preços de investimentos ou de índices de bolsas de valores) nos mercados globais, que culminou com quedas significativas no mercado de ações do mundo inteiro, a partir de turbulência na bolsa da China.

Apesar dessa instabilidade, o Copom acredita que as perspectivas de financiamento externo para a economia brasileira continuam favoráveis, uma vez que atribui “baixa probabilidade a um cenário de deterioração significativa” nos mercados financeiros internacionais. Nesse contexto, o colegiado de diretores do BC reafirma que o principal desafio reside em garantir a consolidação das expectativas favoráveis que se antecipam para o futuro.

 

 

 

 

 

Agência Brasil - Stênio Ribeiro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Últimas

2020/12/02 » CNI: produtividade do trabalho na indústria cresce 8% no 3º trimestre
2020/12/02 » Balança comercial registra superávit de US$ 3,73 bi em novembro
2020/12/02 » CNA prevê aumento da produção do agronegócio no próximo ano
2020/12/02 » População desocupada atinge 13,76 milhões em outubro
2020/12/01 » Ipea: investimentos têm alta de 3,5% em setembro
2020/12/01 » Contas públicas registram saldo positivo após oito meses de déficit
2020/12/01 » Estimativa do mercado financeiro para a inflação sobe para 3,54%
2020/11/30 » ANP retoma a 17ª Rodada de Licitações
2020/11/30 » Corretoras poderão atuar com pagamentos de boletos a partir de janeiro
2020/11/30 » Confiança da indústria atinge maior valor em dez anos, diz FGV
2020/11/30 » Fiscalização do Procon-SP registra infração em 70% de lojas visitadas
2020/11/30 » Taxa de desemprego passa de 13,3% para 14,6% no terceiro trimestre
2020/11/30 » Inflação do aluguel sobe e acumula 24,52% em 12 meses
2020/11/27 » Volta de cobrança do IOF sobre crédito renderá cerca de R$ 2 bi
2020/11/27 » Indústrias do Mercosul e da UE pedem urgência para acordo comercial
2020/11/27 » Indústria paulista mantém expansão no ano apesar de queda em outubro
2020/11/26 » Expectativa de vida no Brasil sobe para 76,6 anos em 2019
2020/11/26 » Campos Neto: Pix vai gerar inclusão e reduzir custos para população
2020/11/26 » Vendas de máquinas e equipamentos têm alta de 16% em outubro
2020/11/25 » Anatel prevê leilão do 5G no final do primeiro semestre de 2021

Ver mais »