Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
IBGE: em 2005, valor da produção agrícola foi R$ 13,6 bilhões menor 22/11/2006

Rio de Janeiro, 22/11/2006 - Segundo informações da Pesquisa Agrícola Municipal (PAM) do IBGE, apesar do aumento de 2% na área plantada – que chegou a 64.312.593 ha em 2005 -, o valor da produção agrícola brasileira foi 14,2% menor que a de 2004, significando uma redução de R$ 13,6 bilhões. Desse total, 80,1% deveram-se à redução dos preços da soja, que responde por 22,8% do valor total da produção agrícola brasileira, que foi de R$ 95.460.877 em 2005. A PAM apresenta informações sobre 63 culturas temporárias e permanentes. Os dados sobre os cereais, leguminosas e oleaginosas (1) – popularmente conhecidos como grãos – já foram divulgados em 30 de julho deste ano e podem ser conferidos na página do instituto na Internet (www.ibge.gov.br), na seção "Notícias Anteriores".

O município de Sapezal (MT) foi o que obteve o maior valor na produção agrícola em 2005: R$ 984,6 milhões, um aumento de 8,6% em relação ao ano anterior, que elevou o município da terceira para a primeira colocação no ranking nacional. Sapezal é o segundo maior produtor de soja, terceiro maior produtor de algodão herbáceo e quinto maior produtor de milho do país, contribuindo com 1% do valor total gerado pela agricultura brasileira.

Nos municípios onde há pouca diversificação de culturas, a redução no preço da soja foi mais sentida. Foi o que ocorreu em Sorriso (MT), maior produtor de soja do Brasil, que reduziu o seu valor de produção em 41,8%, caindo da primeira colocação no ranking nacional em 2004 para a quarta em 2005.

Já nos municípios de Mato Grosso que têm uma agricultura mais diversificada, houve ganhos expressivos, como é o caso de Alto Taquari (35,2%), Pedra Preta (24,0%) e Campo Verde (24,8%). Todos eles estão entre os principais produtores de algodão herbáceo, cultura que possui alto valor comercial.

São Desidério (BA) caiu da segunda para a terceira colocação do ranking nacional em 2005, também sob influência da redução do preço da soja. A queda só não foi maior porque o município é o primeiro produtor nacional de algodão herbáceo, tendo ampliado a área plantada em 26,2%.

Frutas aumentam valor da produção de Juazeiro (BA) em 46,6%

Ainda na Bahia, merece destaque Juazeiro, que teve um aumento de 46,6% no valor de produção em relação a 2004. O município é conhecido pólo produtor e exportador de frutas tropicais, e sua localização privilegiada reduz o tempo e o custo do transporte para América do Norte e Europa. O clima quente e seco, aliado às técnicas de irrigação, por sua vez, permitem a obtenção de ciclos sucessivos de produção, colheitas em qualquer época do ano e produtividade acima da média nacional.

O estado de São Paulo detém a maior participação no valor da produção agrícola brasileira (17,6%). É o maior produtor de laranja (80,5%), cana-de-açúcar (60,2%) e banana (17,6%). Também se destaca nos cultivos de batata-inglesa (26,6%), tomate (21,6%), uva (15,5%), milho (11,7%) e café (9,4%). Em segundo lugar, ficou Mato Grosso (13,9%), que ultrapassou o Paraná. Mato Grosso é o maior produtor de algodão herbáceo (45,9%) e soja (34,7%) e importante produtor de arroz (17,2%) e milho (9,9%). Afetados pela estiagem, Paraná e Rio Grande do Sul, terceiro e quinto colocados respectivamente em 2005, perderam uma posição no ranking cada, um em relação a 2004.

Wenceslau Guimarães (BA) é maior produtor de banana do país

Segundo a FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação), a Índia é o maior produtor mundial de banana, enquanto o Brasil ocupa o 2º lugar, com cerca de 9% do que é produzido mundialmente. A bananicultura ocorre em todos os estados brasileiros e é prática comum entre os agricultores familiares. Em 2005, o país produziu 6.703.400 t de banana, 1,8% a mais que em 2004.

São Paulo continua sendo o primeiro estado produtor, com 1.178.140 t (17,6% da produção nacional). A Bahia detém a segunda maior produção do Brasil (975.620 t, ou 14,6% do total) e teve um acréscimo significativo de produção entre 2004 e 2005 (11,8%), em razão de uma maior área colhida - a Bahia apresentou a maior área com bananicultura do Brasil em 2005 (70.896 ha). Santa Catarina é o terceiro estado em produção (668.003 t, ou 10,0% do total).

Na Bahia está o município com maior produção de bananas do país, Wenceslau Guimarães (164.000 t). Em Santa Catarina, estão o 2º e o 3º maiores produtores: Corupá (147.992 t) e Luiz Alves (130.200 t). Os dez municípios de maior produção do país representam 16,8% do total nacional.

Safra 90,9% maior leva Cristalina (GO) ao topo do ranking de produção de batata-inglesa

A incorporação de cultivares mais produtivas e resistentes a doenças tem aumentado a produção brasileira de batata-inglesa, que, em 2005, foi de 3.130.174 t, 2,7% superior à do ano anterior. O rendimento médio cresceu em 657 kg/ha em relação a 2004, compensando a diminuição da área cultivada.

Minas Gerais é o maior produtor brasileiro (32,1% da safra nacional), seguido de São Paulo (26,6%), Paraná (17,5%) e Rio Grande do Sul (9,1%). Em relação a 2004, Minas Gerais e São Paulo apresentaram acréscimos na produção de 3,9% e 6,8%, respectivamente, enquanto Paraná e Rio Grande do Sul tiveram decréscimos de -5,7% e -3,7%. A queda na produção da Região Sul está relacionada à diminuição da área cultivada.

Em Goiás, o município de Cristalina teve um aumento de 90,9% na produção em relação 2004, subindo da sexta colocação para a primeira em 2005, com uma produção de 140.000 t, em virtude do aumento de 114,7% na área (de 1.630 para 3.500 ha). O segundo maior município produtor de batata-inglesa foi Casa Branca (SP), com 135.000 t. Em Minas Gerais, destaca-se o caso de Uberaba, que, de 2004 para 2005, subiu da 42ª para a 7ª posição no ranking nacional (aumento de 223,6% na produção).

MG e ES se destacam na produção de café

Em 2005, a safra nacional de café totalizou 2.140.169 t (35,7 milhões de sacas de 60 kg). Em 2004, o país, maior produtor mundial, havia colhido 2.465.710 t (41,1 milhões de sacas). Em razão do ciclo de baixa da bianualidade da cultura, o decréscimo da produção nacional foi de 13,2% entre os dois anos.

Minas Gerais, maior produtor nacional, teve em 2005 um decréscimo de 18,4% em relação a 2004, com uma safra de 1.002.672 t (16,7 milhões de sacas) e uma participação de 46,9% no total nacional. Destacam-se em Minas os municípios de Patrocínio, Três Pontas e Manhuaçú, Rio Paranaíba, Nepomuceno e Campos Gerais.

O Espírito Santo, segundo maior produtor, terminou o ano com um total de 532.435 t (8,9 milhões de sacas), resultado 3,5% superior ao de 2004, ao contrário dos outros estados do Sudeste, que apresentaram decréscimos. O Espírito Santo detém 24,9% da produção nacional e seu principal município produtor é Jaguaré. Todos os dez maiores municípios produtores de café estão na região Sudeste.

Morro Agudo (SP) e Campos dos Goytacazes (RJ) são maiores produtores de cana

O Brasil é o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo, com uma área colhida de 5.805.518 ha. Em 2005, praticamente 50% da cana foi transformada em álcool e os outros 50%, em açúcar. A produção de 422.956.646 t foi 1,9% superior à do ano anterior e só não foi maior porque a cultura sofreu os efeitos das condições climáticas adversas, principalmente no Paraná, em Alagoas, Pernambuco e Mato Grosso, que reduziram suas produções em 9,0%, 9,7%, 10,0% e 11,9% respectivamente.

São Paulo, maior produtor, responsável por 60,2% da safra nacional, apresentou um crescimento de 6,4% na produção, principalmente em razão da maior área colhida (crescimento de 4,5% em relação a 2004). Além dos solos de boa qualidade, relevo e clima apropriados, São Paulo conta com uma infra-estrutura voltada para o desenvolvimento de tecnologias que tornem a cultura da cana mais competitiva.

É nesse estado que estão nove dos dez principais municípios brasileiros produtores, com destaque para Morro Agudo. Campos dos Goytacazes (RJ) é o segundo produtor nacional.

Venâncio Aires (RS) lidera na safra de fumo

A produção brasileira de fumo, segunda maior do mundo, concentra-se na região Sul, que responde por 97% do total nacional, com cerca de 700 municípios produtores. No Sul, a cultura é típica de pequenas propriedades, e a maior produção está nas proximidades das indústrias de transformação e beneficiamento.

Em 2005, o Brasil produziu 889.426 t de folhas secas, -3,5% em relação a 2004 (921.281 t). O Rio Grande do Sul, maior produtor do país, colheu uma safra de 430.347 t; Santa Catarina, o segundo no ranking, produziu 280.045 t; e o Paraná, em terceiro lugar, 152.371 t.

Com produção de 25.000 t, o maior produtor nacional foi o município de Venâncio Aires (RS), localizado na região do Vale do Rio Pardo, que tem na fumicultura seu principal produto agrícola. Em Santa Catarina, o destaque ficou por conta de Canoinhas, o 10º município no ranking nacional.

Itápolis (SP) tem mais área cultivada e produção de laranja

Em 2005 o Brasil produziu 17.853.443 t de laranja, equivalentes a 437,6 milhões de caixas de 40,8 kg, um decréscimo de 2,5% em relação à safra de 2004, que totalizou 18.313.717 t (448 milhões de caixas). O destino principal da fruta é a produção de suco concentrado e congelado, que o país exporta.

Itápolis (SP) é o município com as maiores área colhida no país (30.250 ha) e produção 710.875 t (17,4 milhões de caixas ou 4,0% do total nacional). O estado de São Paulo é o maior produtor, com 80,5% do total colhido no Brasil e produção de 14.366.030 t ou 352,1 milhões de caixas. Em relação a 2004 (14.717.790 t, ou 361 milhões de caixas), houve decréscimo de 2,4% na produção, por causa da estiagem.

Dos dez principais municípios produtores de laranja, apenas um não é paulista: trata-se de Rio Real, na Bahia, que ocupa o 9º lugar no ranking municipal.

Seis dos dez maiores municípios produtores de mandioca estão no Pará

Planta nativa do Brasil, a mandioca é cultivada em todas as unidades da federação. Dos 5.564 municípios brasileiros, 4.722 informaram o plantio em 2005. Uma das características dessa cultura é ser desenvolvida por pequenos produtores. A safra nacional de 2005 foi da ordem de 25,9 milhões de toneladas de raízes, uma variação positiva de 8,1% em relação a 2004 (23,9 milhões de toneladas).

Entre os estados, o Pará é o principal produtor, com 4,8 milhões de toneladas de raízes de mandioca (18,5% da safra nacional). Em segundo lugar, está a Bahia, com 4,6 milhões de toneladas (17,8%), seguida pelo Paraná, com 3,3 milhões de toneladas (12,8%).

Dentre os dez maiores municípios produtores de mandioca no país, seis estão no Pará, sendo que o primeiro lugar no ranking é ocupado por Acará, responsável por 2,8% da produção nacional. Em relação a 2004, houve grandes variações positivas da produção nos municípios de Tomé-Açu (PA) 428,1%, Castanhal (PA) 100,0%, Itupiranga (PA) 61,9% e Santarém (PA) 56,3%, explicadas, entre outros, pelo fato de a farinha de mandioca ser a base da alimentação do paraense.

Municípios goianos lideram na produção de tomate

Em 2005, com a inclusão dos dados de Alagoas, que antes não informava safra de tomate, essa cultura passou a ser explorada em todas as unidades da federação brasileiras. A produção nacional (somando-se os volumes destinados à mesa e à indústria) totalizou 3.452.973 t, registrando, frente ao ano anterior, uma queda de 1,8%. Goiás, São Paulo e Minas Gerais foram responsáveis, juntos, por 62% da produção brasileira, sendo que o primeiro mantém a hegemonia de maior produtor nacional desde 1999.

Com 22,5% da produção, Goiás colheu 776.430 t, um total inferior em 11% ao de 2004, em decorrência, entre outros, da retração da área cultivada. Os municípios de Itaberaí, Cristalina e Morrinhos lideram o ranking nacional e respondem por aproximadamente 8,3% da produção brasileira.

São Paulo, com 747.030 t produzidas (21,6% do total nacional), registrou diminuição de apenas 0,4% comparativamente à safra de 2004. Guararapes foi o município com maior produção no estado. Minas também teve queda da safra, em relação a 2004 (-0,8%), em razão da redução na área plantada. No estado, Patos de Minas foi o maior produtor.

Produção de uva cresce 27,4% na Bahia

O Brasil detém cerca de 1,8% da produção mundial de uvas, com diferentes variedades, adaptadas a vários tipos de solo e clima. Em 2005, a produção brasileira teve um decréscimo de 4,6% na comparação com 2004, por causa de uma redução de 6,5% na produtividade.

O maior destaque dentre as unidades da federação foi o Rio Grande do Sul (611.868 t), que produziu 49,6% da safra nacional, apesar de ter sofrido uma redução da ordem de 12,2% com relação ao ano anterior. A queda deveu-se ao menor rendimento médio, conseqüência da forte estiagem.

São Paulo, segundo maior produtor brasileiro, também sofreu uma pequena redução (-1,4%) na safra; o mesmo ocorreu em Pernambuco, terceiro mais importante produtor nacional, com queda de 0,8%.

Por outro lado, a Bahia, quarto produtor do país, teve um expressivo crescimento da produção entre 2004 e 2005 (27,4%), devido a incrementos de área colhida (8,2%) e de rendimento médio (17,7%). A região Nordeste é promissora quanto ao cultivo da uva. No Vale do São Francisco, embora predomine o cultivo de uvas de mesa, o mercado de uvas para vinhos está em plena expansão. É nessa região que estão Petrolina (PE) - segundo maior município produtor do Brasil e detentor do recorde nacional de rendimento médio em 2005 (34.000 kg/ha) - e Juazeiro (BA) - terceiro maior município produtor do país.

Os dez maiores municípios produtores de uva do país representam 43,6% da produção brasileira. No topo do ranking municipal está Bento Gonçalves (RS), responsável por 9,9% da produção brasileira. Os outros municípios gaúchos entre os dez primeiros produtores são Flores do Cunha, Caxias do Sul, Farroupilha, Garibaldi e Monte Belo do Sul. Juntos, eles representam cerca de 29,1% da produção nacional de uvas.

 

 

 

________________________________

(1) Soja, milho, arroz, trigo, feijão, algodão herbáceo, sorgo, aveia, cevada, amendoim, triticale, mamona, girassol, centeio, algodão arbóreo.

 

 

 



Últimas

2020/07/10 » Covid-19: pessoas com sintomas devem procurar atendimento imediato
2020/07/10 » ONU pede fim do financiamento ao carvão e apoio à energia renovável
2020/07/10 » OMS quer mais evidências sobre transmissão da covid-19 pelo ar
2020/07/09 » Novo site simplifica adesão ao acordo dos planos econômicos
2020/07/09 » Sebrae: cresce interesse por cursos a distância para empreender
2020/07/09 » Pandemia causou impacto em 57% das companhias exportadoras, revela CNI
2020/07/09 » Estimativa de junho prevê safra recorde de 247,4 milhões de toneladas
2020/07/09 » MEC anuncia que Enem será em 17 e 24 de janeiro de 2021
2020/07/08 » Confira pagamentos e tributos adiados ou suspensos durante pandemia
2020/07/08 » Câmara aprova MP que suspende cumprimento mínimo de dias letivos
2020/07/08 » Câmara aprova MP que permite reembolso de passagem aérea em até um ano
2020/07/08 » Covid-19: Senado aprova indenização a profissional afetado pela doença
2020/07/07 » Bolsonaro sanciona MP que criou programa de manutenção do emprego
2020/07/07 » Tecnologias da Embrapa ajudam Ceará a dobrar produção de algodão
2020/07/07 » Com aumento de mortes, Miami volta a fechar restaurantes
2020/07/06 » Saiba como estão os planos de retomada econômica em cada estado
2020/07/06 » Saiba como funcionam os testes para detectar a covid-19
2020/07/06 » Caixa deposita saque emergencial do FGTS para nascidos em fevereiro
2020/07/03 » Com digitalização de salas de aula, pandemia acentua exclusão escolar
2020/07/03 » Conheça resultado do maior estudo sobre a covid-19 no Brasil

Ver mais »