Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Diretor do Dieese apóia proposta de aumentar salário mínimo para R$ 380 21/12/2006

 

São Paulo, 21/12/2006 - A proposta de aumento do salário mínimo para R$ 380, fechada há pouco entre governo e Comissão Mista de Orçamento do Congresso, é um bom sinal, na opinião do diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Clemente Ganz Lúcio.

"É um resultado importante em termos de recuperação do poder aquisitivo do salário mínimo", afirmou Lúcio à Agência Brasil.

Ele estima que um mínimo deste valor represente um aumento real de 5,5%, descontando 3% de inflação projetada até março do próximo ano do aumento nominal de 8,5%. O valor atual é R$ 350 e o novo passará a valer em 1º de abril.

“Significa que ao longo desses quatro anos de governo Lula nós teremos como resultado final um aumento real do salário mínimo da ordem de 32% e um reajuste nominal de 90%”, acrescentou.

De acordo com Lúcio, esse aumento do salário mínimo "tem uma importância para os trabalhadores de menor renda, para aqueles que vivem do benefício da Previdência, e tem um impacto distributivo importante na sociedade, principalmente nas regiões mais pobres".

O diretor do Dieese defende que “quanto mais alto o valor do salário mínimo melhor o poder de compra dos trabalhadores”, o que significa “ativação da economia”. De acordo com ele, cerca de 43 milhões de pessoas têm rendimento atrelado ao salário mínimo (16 milhões aposentados e pensionistas, 13 milhões ocupando postos de trabalho com registro, 9 milhões de trabalhadores autônomos e 5 milhões de domésticos).

“A reposição pela inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB) é um critério razoável [de correção do mínimo], adequado para um critério de uma política permanente”, afirmou Lúcio. Para ele, seria necessário também que, a cada período de três ou quatro anos, fosse reavaliado se o salário mínimo tem capacidade de "crescer para além do próprio crescimento da economia”.

Segundo cálculos do diretor do Dieese, o salário mínimo necessário para atender às necessidades básicas de alimentação, saúde, vestuário, educação e transporte de uma família formada por dois adultos e duas crianças, em dezembro deste ano, seria de R$ 1.613,08 (4,61 vezes o valor atual).

 

 

 

 

 

Agência Brasil - Elaine Patrícia Cruz

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Últimas

2019/10/18 » Bolsonaro assina lei para repartir dinheiro de leilão de petróleo
2019/10/18 » Setembro tem a maior criação de emprego formal para o mês desde 2013
2019/10/18 » IGP-M acumula inflação de 3,33% em 12 meses
2019/10/18 » Índice de Confiança do Empresário Industrial fica estável pelo 3º mês
2019/10/18 » São Paulo é o primeiro em três itens de ranking de competitividade
2019/10/18 » Leilão de energia movimenta R$ 44 bilhões em nove estados
2019/10/16 » PIB tem alta de 0,6% no trimestre encerrado em agosto, diz FGV
2019/10/16 » Dia Mundial da Alimentação destaca valor da refeição saudável
2019/10/16 » Mais de 1 milhão de estudantes já visualizaram o cartão do Enem
2019/10/15 » Publicado decreto que regulamenta o trabalho temporário
2019/10/15 » Governo libera R$ 7,27 bi do Orçamento com recursos do petróleo
2019/10/15 » Nova cota para compras em free shops começa em 2020, diz presidente
2019/10/14 » Atividade econômica cresce 0,07% em agosto no Brasil
2019/10/14 » Nobel de Economia premia trio pelo combate à pobreza no mundo
2019/10/14 » Mercado financeiro reduz estimativa de inflação para 3,28% em 2019
2019/10/11 » BC dá aval para Cadastro Positivo começar a funcionar
2019/10/11 » CNI diz que PIB crescerá 0,9% este ano
2019/10/11 » Tratamento de médicos da USP faz desaparecer células de linfoma
2019/10/11 » Setor de serviços recua 0,2% de julho para agosto
2019/10/11 » Governo vai dobrar limite de compras em free shops

Ver mais »