Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Diretor do Dieese apóia proposta de aumentar salário mínimo para R$ 380 21/12/2006

 

São Paulo, 21/12/2006 - A proposta de aumento do salário mínimo para R$ 380, fechada há pouco entre governo e Comissão Mista de Orçamento do Congresso, é um bom sinal, na opinião do diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Clemente Ganz Lúcio.

"É um resultado importante em termos de recuperação do poder aquisitivo do salário mínimo", afirmou Lúcio à Agência Brasil.

Ele estima que um mínimo deste valor represente um aumento real de 5,5%, descontando 3% de inflação projetada até março do próximo ano do aumento nominal de 8,5%. O valor atual é R$ 350 e o novo passará a valer em 1º de abril.

“Significa que ao longo desses quatro anos de governo Lula nós teremos como resultado final um aumento real do salário mínimo da ordem de 32% e um reajuste nominal de 90%”, acrescentou.

De acordo com Lúcio, esse aumento do salário mínimo "tem uma importância para os trabalhadores de menor renda, para aqueles que vivem do benefício da Previdência, e tem um impacto distributivo importante na sociedade, principalmente nas regiões mais pobres".

O diretor do Dieese defende que “quanto mais alto o valor do salário mínimo melhor o poder de compra dos trabalhadores”, o que significa “ativação da economia”. De acordo com ele, cerca de 43 milhões de pessoas têm rendimento atrelado ao salário mínimo (16 milhões aposentados e pensionistas, 13 milhões ocupando postos de trabalho com registro, 9 milhões de trabalhadores autônomos e 5 milhões de domésticos).

“A reposição pela inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB) é um critério razoável [de correção do mínimo], adequado para um critério de uma política permanente”, afirmou Lúcio. Para ele, seria necessário também que, a cada período de três ou quatro anos, fosse reavaliado se o salário mínimo tem capacidade de "crescer para além do próprio crescimento da economia”.

Segundo cálculos do diretor do Dieese, o salário mínimo necessário para atender às necessidades básicas de alimentação, saúde, vestuário, educação e transporte de uma família formada por dois adultos e duas crianças, em dezembro deste ano, seria de R$ 1.613,08 (4,61 vezes o valor atual).

 

 

 

 

 

Agência Brasil - Elaine Patrícia Cruz

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Últimas

2020/05/29 » Compras com auxílio emergencial poderão ser pagas via celular
2020/05/29 » Bolsonaro diz que auxílio emergencial deverá ter quarta parcela
2020/05/29 » Faturamento caiu em mais de 80% das indústrias nos últimos 45 dias
2020/05/29 » Pedidos de recuperação judicial caem 3,2% em abril
2020/05/28 » Plano de retomada da economia em São Paulo terá cinco fases
2020/05/28 » Fumante com coronavírus tem 14 vezes mais chances de morrer
2020/05/28 » Rússia adia cúpula do Brics devido ao novo coronavírus
2020/05/27 » Opas: Américas são novo epicentro da covid-19
2020/05/27 » Governo libera mais R$ 28,7 bilhões para auxílio emergencial
2020/05/27 » Governo vai disponibilizar lista de quem recebeu auxílio emergencial
2020/05/26 » Ministério divulga diretrizes para construção de hospitais de campanha
2020/05/26 » EUA antecipam em dois dias restrição de viagens do Brasil
2020/05/26 » Aplicativos criados por alunos da UFF facilitam integração na pandemia
2020/05/22 » Receita inicia hoje consulta ao primeiro lote do Imposto de Renda
2020/05/22 » Receita lança aplicativo CPF Digital
2020/05/22 » Especialistas alertam sobre sintomas menos comuns da covid-19
2020/05/19 » Tabagismo e coronavírus são combinação catastrófica, diz fundação
2020/05/19 » Vacina para covid-19 mostra resultado promissor
2020/05/19 » Alívio no mercado externo faz dólar cair para R$ 5,72
2020/05/18 » Critérios e avaliações na recuperação de covid-19

Ver mais »