Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Centrais sindicais criticam decisão sobre juros e pedem mudanças na economia 26/01/2007

 

Brasília, 24/01/2007 - A redução da taxa básica de juros, a Selic, para 13% desagradou entidades que representam os trabalhadores. Em nota, o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho,  disse que, com a redução em 0,25 ponto, "o governo frustra os anseios dos trabalhadores". Ele considerou a redução "um banho de água fria no morno PAC [Programa de Aceleração do Crescimento]".

Para o presidente da Força Sindical, será impossível crescer 4,5% neste ano, como pretende o governo, com a taxa de juros no patamar definido hoje (24) pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. "Continuamos com o triste título de ‘campeões mundiais’ da taxa de juros. O governo precisa dar um ânimo e criar um circulo virtuoso na economia", disse o líder sindical.

Na opinião do presidente da Força Sindical, a política econômica atual é o grande entrave para o crescimento do país. "Precisamos urgentemente de uma autêntica agenda voltada para o desenvolvimento, com foco na produção e na geração de empregos. O governo tem de entender que a grande trava para o crescimento do País é a atual política econômica, que só privilegia o setor especulativo", afirmou.

Já a Central Única dos Trabalhadores (CUT) definiu a decisão do Copom como "decepcionante". A entidade expressou indignação, em nota, afirmando que nem as constantes reivindicações dos trabalhadores e do setor produtivo por quedas mais expressivas na taxa Selic nem o anúncio do PAC foram suficientes para sensibilizar os integrantes do comitê.

"Dezenas de notas oficiais emitidas após as decisões do Copom jamais sensibilizaram os integrantes desse restrito comitê, surdo aos apelos dos trabalhadores e do setor produtivo por uma queda acelerada da taxa básica de juros. Nem mesmo o anúncio do PAC, sinalização política do governo federal com vistas ao crescimento, retirou o manto da mesmice e da falta de coragem que obscurece a mente desses nobres cavalheiros. Chega de notas. Queremos mudanças. Os trabalhadores exigem participar ativamente das decisões em torno da política econômica. Pela ampliação e democratização do Conselho Monetário Nacional, já", defendeu o presidente da CUT, Artur Henrique, no texto.

Citado no final da nota pelo presidente da CUT, o Conselho Monetário Nacional (CMN) é o órgão deliberativo máximo do Sistema Financeiro Nacional. Composto pelos ministros da Fazenda e do Planejamento e pelo presidente do Banco Central, é o CMN que estabelece as diretrizes gerais das políticas monetária, cambial e de crédito. O conselho regula as condições para a constituição, o funcionamento e a fiscalização das instituições financeiras e também disciplina os instrumentos de política monetária e cambial.

 

 

 

 

Agência Brasil - Lana Cristina

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Últimas

2021/04/19 » O que é Ibovespa
2021/04/19 » Setor energético terá investimentos de R$ 3 tri até 2030, diz ministro
2021/04/19 » Banco Central altera norma para segunda fase do open banking
2021/04/16 » Serviços registram crescimento de 3,7% em fevereiro, diz IBGE
2021/04/16 » LDO de 2022 destravará gastos com obras em caso de atraso no Orçamento
2021/04/16 » Projeto da LDO prevê crescimento de 2,5% para o próximo ano
2021/04/16 » Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 em 2022, sem aumento real
2021/04/16 » Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias
2021/04/16 » IGP-10 acumula inflação de 31,74% em 12 meses, diz FGV
2021/04/15 » Abertura de empresas bate recorde em 2020, diz Serasa
2021/04/15 » Indicador Antecedente tem queda de 2,2% em março, revela FGV
2021/04/15 » Vendas nos supermercados têm alta de 5,18% em fevereiro
2021/04/15 » Economia abre consulta pública para debater nova Lei de Licitações
2021/04/15 » Impacto da pandemia é maior para trabalhadores jovens, diz Ipea
2021/04/15 » Confiança do empresário cai pelo quarto mês seguido, diz CNI
2021/04/14 » Mais de 620 mil micro e pequenas empresas foram abertas em 2020
2021/04/14 » Inflação acelera para todas as faixas de renda em março, diz Ipea
2021/04/14 » Taxa de empréstimo pessoal tem pequena alta em abril, aponta Procon-SP
2021/04/14 » Comércio varejista cresce 0,6% em fevereiro, diz IBGE
2021/04/13 » Calendário de restituições não muda com novo prazo do Imposto de Renda

Ver mais »